Aluna cega e com mobilidade reduzida aprendeu a dar ponto: para a arte-educadora Agrinez Melo, a experiência tem sido muito enriquecedora
Aluna cega e com mobilidade reduzida aprendeu a dar ponto: para a arte-educadora Agrinez Melo, a experiência tem sido muito enriquecedoraFoto: Ed Machado

Não é preciso enxergar para elaborar e tecer um figurino. É isso que prova, ou melhor, ratifica a notável turma que se forma no próximo sábado (dia 25). Entre os 21 formandos estão três deficientes visuais, dois auditivos e um cadeirante. A oficina de figurino e maquiagem teatral oferecida no Espaço O Poste, na Boa Vista, contou com o suporte de áudio descrição, desenhos com alto relevo e interprete de Libras para garantir o entendimento de todos os alunos, mas o processo é mais simples do que parece. Postas as mínimas condições para o diálogo, os estudantes muitas vezes deram sugestões para realizar as atividades propostas.

“Como professor, às vezes acreditamos que é preciso saber de tudo. Mas percebo que mais importante que saber é admitir quando não se sabe. Em várias atividades eu descrevia o que precisávamos fazer para a turma e eles próprios traziam soluções e no final todos conseguimos alcançar o objetivo. A maioria dos impasses foi resolvida com naturalidade”, relata a idealizadora do projeto, a atriz, figurinista e arte-educadora Agrinez Melo. “Minha maior recompensa foi ver uma aluna cega e com mobilidade reduzida dar um ponto. A experiência tem sido muito rica”, se emociona.

O curso foi oferecido pela primeira vez no ano passado e nesta edição conta com a novidade da maquiagem cênica com o professor Vinícius Vieira. A ideia surgiu a partir de uma vivência particular de Agrinez: sua mãe, que era costureira, sofreu um AVC e passou a não conseguir dar continuidade às atividades. “Então eu fui atrás de máquinas e agulhas próprias, que ela pudesse usar. E quis levar adiante. A arte é para todo mundo e quero que chegue a todo mundo”, defende.

Com o certificado, é possível entrar no mercado de trabalho e a figurinista pretende ajudar todos que puder na caminhada, construindo a ponte entre os formandos e grupos de teatro. “A formatura será uma exibição. Alguns vão vestir suas próprias criações e outros chamarão representantes, mas vamos estar todos presentes”, afirma. A performance acontece nO Poste a partir das 18h com entrada gratuita.

A oficina também será ofertada em Camaragibe. As inscrições começam neste domingo (20) e podem ser feitas no Centro Aprendendo e Vivendo, onde acontecerão as aulas. Caso o número de inscrições seja superior ao de vagas os principais critérios são a condição financeira e o nível de interesse. A previsão é que a formação seja realizada entre 4 de abril e 18 de julho. Ainda este ano, mas sem data definida a oficina deve acontecer nos municípios de Tuparetama e Tracunhaém. Mais detalhes e informações podem ser obtidas através do telefone 98768-5804. Todo o projeto é gratuito e foi financiado pelo edital do Funcultura.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: