Ney Cavalcanti
Ney CavalcantiFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Os malefícios do tabagismo sobre a saúde, são há muitos conhecidos. No entanto, a preocupação dos governos de combater o vício seriamente, só começou na década de 60,mas milhões de pessoas continuam fumando. O tabagismo é a principal causa de doença prevenível e mortalidade precoce no mundo. A China, pais que tem a maior população, existem mais de 350 milhões de fumantes ativos. 68 % dos homens consomem cigarros regularmente e surpreendentemente o percentual entre as mulheres é somente em torno de 4%. No Brasil estarmos conseguindo uma diminuição significativa na quantidade de dependentes da nicotina. Os resultados mostram o nosso sucesso obtido na redução do percentual do fumantes. No fim da década de 80, 34 dos homens e 27 % das mulheres praticavam o vicio. Em 2013, esses percentuais foram de 15 e 11% respectivamente. Um aspecto que surpreende no Brasil, é quanto o percentual de fumantes em cada cidade. É estabelecido que o numero de tabagistas é, sempre maior aonde existem menos recursos e escolaridade. No entanto, Porto Alegre e Belo Horizonte, cidades que tem menor pobreza e analfabetismo do que a media nacional, são as que tem maior percentil de usuários de nicotina. Por outro lado, cidades de uma das regiões mais pobre do pais, o nordeste, Fortaleza e São Luiz são as campeãs de me­nor numero de tabagistas por 100 habitantes. Nos Estados Unidos, ainda são. 36 milhões de americanos, viciados ou seja 15% da população continua fumando. Acredita-se, que lá ocorrem 480 mil mortes anuais por causa do tabagismo E o estabelecido é que “apenas” 25 doenças teriam a sua incidência e ou mortalidade aumentadas pelo cigarro. 12 tipos de câncer, 6 doenças cardiovasculares, doença pulmonar obstrutiva crônica, diabetes etc. No entanto, pesquisas recentes tem demonstrado a existência de mais condições afetadas negativamente pelo tabagismo. Entre elas, isquemia intestinal, insuficiência renal crônica, doenças infecciosas, câncer de mama, câncer de próstata entre outras. Em algumas dessas patologias. o cigarro aumentaria a sua incidência e noutras o aumento seria de suas mortalidades. Assim o numero de mortes seria maior em 100 mil do atualmente considerado. Essas dados, dão idéia quanto foi importante a gestão de Barack Obama sobre a redução do tabagismo no seu pais. Os seus resultados são muito mais do que o dobro do que foi conseguido pelos seus antecessores Clinton e Bush, 0,78 versos 0.30%, menos fumantes a cada ano Isso foi conseguido as custas de medidas governamentais, como aumento significativo dos impostos, controle rigoroso sobre a industria tabagista , programas de ajuda ao abandono da dependência, prevenção do inicio do vicio etc.

Assim, mais de 400 mil se livraram do tabagismo ,por ano, o que acarretou pelo menos a diminuição de mais de 17 mil mortes preco­ces anuais. Achava-se que seria impossível extinguir o vicio de fu­mar nos Estados Unidos. antes de Barack Obama. Porém, hoje acredita-se, que mantido o sucesso no seus anos de gestão, os Estados Unidos, estarão livres da fumaça do cigarro em 1930. Dentre muitos êxitos do governo Obama esse sem duvida é um dos importantes.

* Ney Cavalcanti é médico endocrinologista e escreve quinzenalmente
neste espaço, alternando com a nutricionista Solange Paraíso.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: