Banco Central do Brasil
Banco Central do BrasilFoto: Agência Brasil

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central, que reduziu nesta quarta-feira (11) a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, para 13%, sinalizou em comunicado que deve manter o ritmo forte de corte de juros nos próximos meses devido à inflação mais baixa e à atividade econômica fraca.

Leia mais:
Banco Central reduz juros para 13% ao ano e surpreende o mercado


"Diante do ambiente com expectativas de inflação ancoradas, o Comitê entende que o atual cenário, com um processo de desinflação mais disseminado e atividade econômica aquém do esperado, já torna apropriada a antecipação do ciclo de distensão da política monetária, permitindo o estabelecimento do novo ritmo de flexibilização", afirmou a autoridade monetária.

O BC esclareceu ainda que projeta uma inflação abaixo de 4,5%, que é o centro da meta, para 2017. "As projeções no cenário de referência encontram-se em torno de 4,0% e 3,4% para 2017 e 2018, respectivamente. Já no cenário de mercado, situam-se em torno de 4,4% e 4,5% para 2017 e 2018, respectivamente", disse o BC no comunicado.

O Copom ainda destacou o fato de a inflação oficial, divulgada nesta quarta pelo IBGE, ter ficado em 6,29%, abaixo do teto da meta, de 6,5%. "Há evidências de que o processo de desinflação mais difundida tenha atingido também componentes mais sensíveis à política monetária e ao ciclo econômico", afirma no texto.

Ao explicar a decisão desta quarta, o Copom disse também que um conjunto de indicadores apontam para uma atividade econômica aquém do esperado.

"A evidência disponível sinaliza que a retomada da atividade econômica deve ser ainda mais demorada e gradual que a antecipada previamente. No âmbito externo, o cenário ainda é bastante incerto", afirmou o comitê.

veja também

comentários

colabore com a folha

comece o dia bem informado: