Marina Barros aponta recuperação do setor
Marina Barros aponta recuperação do setorFoto: Ed Machado

Prestes a completar três anos de operação, os Armazéns do Porto, no Bairro do Recife, entram em nova fase: a de consolidação do negócio. Essa etapa de amadurecimento coincide com a perspectiva de retomada da economia brasileira, o que já traz um panorama otimista para os bares e restaurantes de lá, e com a estreita relação firmada nesse período entre o público e as atrações do empreendimento, que virou ponto turístico da capital pernambucana. Os empresários estão confiantes e esperam tornar o espaço ainda mais atrativo aos que visitam e moram no Estado.

De acordo com a gerente-financeira do Porto Novo Recife - consórcio que arrendou a área do Porto do Recife e que administra os Armazéns - Marina Barros, passar por esse novo momento será fundamental. “Quando iniciamos a operação, em outubro de 2014, não tínhamos como comparar e avaliar nosso desempenho, já que, na época, se tratava de uma experiência inexplorada por aqui e vista apenas em outros estados e países.

Agora, teremos os anos de 2015 e 2016 como parâmetros; e o que já observamos é que há uma leve recuperação, com perspectivas de melhora, face ao cenário nacional", comentou.
Além de destaque como ponto turístico, os Armazéns são importantes propulsores dos índices econômicos. Com investimento de R$ 40 milhões, o espaço reúne nove restaurantes ativos, incluindo quiosques, e gera mais de 300 empregos diretos. Dono do Downtown Pier, Túlio Ramiro diz que a expectativa é que 2017 seja o melhor ano de operação.

"Estamos mais ambientados com o público e isso é uma das etapas mais importantes para o processo de consolidação do negócio", afirmou, destacando que o susto com a possibilidade de não ter dado certo já passou. "Segundo o Sebrae, 2% das empresas do País fecham nos primeiros anos", revelou.
Para o sócio do Rock & Ribs, Antônio Carlos Ferreira, a grande sacada do projeto tem a ver com o fato de o empreendimento reunir, num mesmo espaço, gastronomia e entretimento. "Isso, sem dúvida, foi um diferencial para termos sobrevivido sem sobressaltos à crise. Vimos muitos locais, que ofereciam apenas o serviço de alimentação, fecharem", relembrou.

veja também

comentários

colabore com a folha

comece o dia bem informado: