Uma carga total, que dura entre duas e três horas, deve garantir 100 quilômetros de autonomia ao veículo
Uma carga total, que dura entre duas e três horas, deve garantir 100 quilômetros de autonomia ao veículoFoto: Divulgação

Falar em carro elétrico não é mais uma coisa do futuro, muito menos coisa de chinês. É que a empresa pernambucana de tecnologia e mobilidade urbana Serttel desenvolveu o protótipo do primeiro automóvel abastecido com eletricidade do Brasil. É o Veículo Alternativo para Mobilidade (VAMO), que deve chegar às ruas em um ano. A intenção da Serttel, no entanto, não é vender a tecnologia, mas usá-la em sistemas de carros compartilhados para facilitar a mobilidade dos centros urbanos.

O protótipo foi desenvolvido nos últimos seis meses no Parque Tecnológico de Eletroeletrônicos e Tecnologia Associada (Parqtel), na Zona Oeste do Recife, e foi apresentado no workshop "Energias Renováveis e Inovações Interconectadas". No evento, o “esqueleto” do que será o Vamo chamou atenção por conta do modelo inovador. É que o carro elétrico pernambucano conta com apenas três rodas: uma na frente e duas atrás. Para a Serttel, é como um triciclo protegido.

“O que temos hoje é o chassi do Vamo. Ainda vamos colocar a carenagem. Então, será um carro fechado, com cinto de segurança e, se houvesse necessidade, até air-bag”, tranquiliza o presidente da Serttel, Ângelo Leite. A empresa ainda garantiu que a ausência da segunda roda dianteira não vai atrapalhar a estabilidade, porque o modelo foi desenvolvido em parceria com duas empresas holandesas que fabricam carros de corrida neste mesmo formato. “O veículo resolve isso eletronicamente, inclinando-se nas curvas para manter a estabilidade”, contou o diretor de smartcitie da Serttel, Rudrigo Maciel.

Outra diferença está no porte do veículo, que é menor que os carros comerciais com 2,4 metros de comprimento e um metro de largura. Há uma versão que conta apenas com lugar para o motorista, mas também haverá opções com assento de passageiro. Mesmo assim, a Serttel garante que a experiência de dirigir será semelhante à de um veículo comum. É que o Vamo terá as mesmas proporcionalidades e elementos de qualquer carro. Depois da modelagem final, vai ganhar até ar-condicionado e direção elétrica, mais leve que a hidráulica. O câmbio também será elétrico, por isso o Vamo não terá marchas e funcionará como um carro automático.

Em termos de potência, no entanto, há algumas especificidades, já que o motor elétrico é tradicionalmente mais potente que os de combustão. “O torque elétrico é constante do início ao fim, por isso é mais potente e já bateu recordes de velocidade. Pensando nisso e lembrando que este será um carro de uso urbano, limitamos a velocidade do Vamo para 60 km/h, a fim de proteger o motorista e garantir uma saída suave”, detalhou Maciel. Ele ainda lembrou que, por ser elétrico, o Vamo precisa ser carregado quando desligado. Para isso, a Serttel desenvolveu eletropostos semelhantes às bombas de combustíveis. Uma carga total, que dura de duas a três horas, vai permitir que o carro rode por 100 quilômetros.

Segundo a Serttel, só falta definir se a bateria do Vamo será de lítio para ter mais autonomia ou de chumbo ácido para ser mais barata. Mas a intenção da empresa é produzir cada carro com até 3 mil euros. O preço, no entanto, não deve chegar ao consumidor. Por enquanto, o Vamo será produzido em pequena escala para ser usado em sistemas de compartilhamento, como o das bicicletas Bike PE. “Se houver procura para compra, teremos que rever o projeto e construir uma planta industrial para produzir em larga escala. Então, o preço também será revisto”, frisou Leite.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: