Projeto da estrada-parque
Projeto da estrada-parqueFoto: Cortesia

 

Dezesseis quilômetros da PE-27, a Estrada de Aldeia, deverão ser transformados numa via parque. A proposta inclui a implantação de ciclovia, sinalizações para pedestres, paisagismo (com o plantio de espécies nativas como ipês e pau-brasil), pista de cooper e pavimentação de estradas vicinais (secundárias, de terra). A rodovia estadual corta a Área de Proteção Ambiental (APA) Aldeia-Beberibe, unidade de conservação com 31,1 mil hectares que abrange oito municípios do Grande Recife.

O projeto, do Fórum Socioambiental de Aldeia, foi apresentado a representantes do Poder Executivo, Casa Civil e Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco. Durante a reunião, ocorrida no Palácio do Governo, ficou acordado o envio da planta e detalhes do projeto arquitetônico para os órgãos estaduais estudarem a viabilidade de implantá-lo.
A ideia, conforme o presidente do Fórum, Herbert Tejo, é transformar a estrada numa área de convivência para pedestres e ciclistas, ao mesmo tempo que visa melhorar a mobilidade com a pavimentação de vias adjacentes que dão acesso a outros municípios.

Hoje, elas são de barro. “Tendo em vista a intensa urbanização que ocorre no entorno da Estrada de Aldeia, tivemos que pensar numa solução. Então, por que não humanizá-la? Ao dar uma solução que estimule esse convívio, as pessoas passam a viver mais a sua cidade e preservá-la”, idealiza. O “plus” do projeto é interligar a via a um terreno de oito hectares, conhecido como Espaço do Saber, hoje pouco utilizada.
A viabilidade econômica do projeto, afirma Tejo, foi o ponto principal que chamou a atenção do governador Paulo Câmara. “Como a intenção do projeto é moldar as intervenções às características atuais da Estrada de Aldeia, não será preciso indenizar nenhum morador para que ele desaproprie áreas. E a proposta é a que melhor se adaptada ao conceito de área de proteção ambiental. A PE-27 há muito perdeu suas características”, avalia. O trecho idealizado para receber a requalificação passa por municípios como Recife, Camaragibe, Paudalho e Abreu e Lima.
A Folha de Pernambuco teve acesso aos detalhes arquitetônicos do projeto original (ver a foto). Apesar de não saber estimar o custo que seria o pacote de intervenções, o diretor do fórum, Roberto Souza Leão, afirma que não pesará aos cofres públicos. “As interferências consistem, basicamente, em pintura, plantio e pavimentação. Não vai ser preciso alargar a pista nem quebrar concreto algum. Esse projeto, inclusive, mostra que não é preciso muito para fazer mudanças. Basta ter vontade política para tocar (a proposta). Mas, a aceitação dos gestores em relação à proposta nos animou. Vamos aguardar”, diz, confiante.

Particularidade
“A APA Aldeia-Beberibe deve ser vista e tratada como uma região modelo. Ela é a maior mancha verde acima do Rio São Francisco, abriga um bioma riquíssimo e nós, moradores, devemos preservá-la em todos os aspectos, a começar pela PE-27”, finaliza Herbert Tejo. Procurada para comentar sobre o assunto, o Governo de Pernambuco não se posicionou.

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: