Inaldo Sampaio
Inaldo SampaioFoto: Colunista

Emílio Odebrecht, patriarca da empresa que leva o seu nome, disse aos investigadores da Lava Jato que o modelo de financiamento de campanhas, no Brasil, baseado no
“caixa dois” e no oferecimento de propinas, vigora há pelo menos 30 anos. Daí não ter-se escandalizado com a divulgação da “lista Fachin”, que coloca no centro da roda políticos de quase todos os partidos. Já seu filho, Marcelo, foi ainda mais direto ao falar sobre o mesmo assunto. “Político, no Brasil, que disser que se elegeu sem “caixa dois” está mentindo”. Esses dois depoimentos confirmaram aquilo que se sabia há muito tempo: que nosso sistema eleitoral apodreceu e que é necessário substituí-lo por outro.
Esse “outro”, porém, é que é uma incógnita. Pois, como diz o senador Romero Jucá, um dos encrencados na Lava Jato, a “Operação Mãos Limpas” da Itália desmoralizou todos os partidos, deixando o vazio que foi preenchido por algo pior: Sílvio Berlusconi.

A CPI das Empreiteiras
Em 1993(há 24 anos, portanto), o então senador Pedro Simon (PMDB-RS) propôs a criação da “CPI das Empreiteiras”. Foi logo após a conclusão da “CPI dos Anões do Orçamento” que teve como relator o então deputado Roberto Magalhães (DEM-PE). Simon partia de um raciocínio lógico: se há políticos corruptos, há também os “corruptores” (as empreiteiras). Mas seu projeto nunca prosperou.

Lobby > Projeto de autoria do então senador Marco
Maciel, regulamentando a prática do “lobby” em nosso
país, foi aprovado pelo Senado em 1990, mas ainda não entrou
na pauta da Câmara Federal. Se o “lobista” agisse às claras, em defesa dos interesses de sua empresa, não existiria a “Lista Fachin”.

Canal > Fernando Bezerra Coelho (PSB) tem razão ao dizer que quando o “Canal do Sertão” (AL) foi licitado ele não era senador e nem ministro (da Integração), logo não poderia ter recebido propina da Odebrecht para “destravar” a obra, que levará água do São Francisco para o sertão alagoano.

Dúvida > Prevendo dificuldade para reeleger-se, o senador Humberto Costa (PT) vem se preparando há mais de dois anos para disputar vaga na Câmara Federal, a exemplo do que fizeram Sérgio Guerra (em 2010) e Jarbas Vasconcelos (em 2014). Mas se Lula vier forte para presidente da República, o projeto da reeleição voltará a ser considerado.

Prazo > Após a divulgação da “Lista Fachin”, na qual estão incluídos os nomes de 10 pernambucanos, a pergunta que se faz é a seguinte: quantos anos serão necessários para que o Ministério Público Federal conclua os inquéritos antes de remetê-los ao STF?

Propina > O deputado Betinho Gomes (PSDB) não é o único político da “Lista Fachin” que nega o recebimento de propina da Odebrecht. O governador Raimundo Colombo (SC) foi acusado de receber R$ 2 milhões para favorecer interesses da empresa no seu governo. Mas diz que ela não tem nenhuma obra no seu Estado.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: