Renata Bezerra de Melo
Renata Bezerra de MeloFoto: Bruno Campos

De 2015 para 2016, as previsões para a economia no Estado não eram das melhores, mas ainda havia uns "coelhos" a se tirar da cartola, a exemplo do leilão da folha de pagamento, das multas da repatriação, de instrumentos como o Refis. De 2016 para 2017, as expectativas não são menos duras, mas, desta vez, se o governo não reagir, corre o risco de entrar em caminho de extrema dificuldade. E esse momento difícil na gestão é, exatamente, o indicado para aprimorar o viés político na administração. Se a reforma no governo Paulo Câmara ficou restrita, como ele mesmo definiu, aos espaços de Desenvolvimento Econômico e Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, aliados da administração projetam, ao menos, uma reforma de procedimento. Leia-se: uma revisão na fragmentação que tem sido detectada. Algumas "ilhas" de atuação política e administrativa são identificadas em meio ao projeto central. Nos bastidores, a iniciativa do ex-secretário de Desenvolvimento Econômico, Thiago Norões, de receber sozinho a obra da Barragem de Serro Azul, uma das mais relevantes da gestão, é lida como uma das expressões dessa fragmentação. Mas secretarias do PR e do PSD também são citadas nesse diagnóstico. Fala-se na necessidade de uma "unificação de ação de governo" de forma a acabar com essas "ilhas". O que parece incomodar, em alguns redutos eleitorais, é o fato de, hoje, alguns secretários estarem atendendo especificamente sua "clientela", o que gera hiato em outras bases eleitorais. Com a nova safra de prefeitos assumindo, este seria o momento de reformular o sistema.

Nas coxias
A derrota de Carlos Guerra, na eleição da lista tríplice, para definição do novo procurador-geral de Justiça do Estado, foi lida por membros do Ministério Público como algo "inédito" para um procurador no exercício do cargo. Diante do resultado, falava-se, nas coxias, que seria resultado de "ineficiência administrativa" e "leniência".

Sonoro > Carlos Guerra ficou em quarto lugar na votação, com 167 votos. O segundo colocado, Francisco Dirceu Barros (foto), é promotor e autor da gravação que circulou, recentemente, nas redes sociais, na qual defende alternativas para a possível perda do auxílio-moradia por parte dos membros do MP.

Apoio > Na ocasião, ele chegou a se posicionar, afirmando não ser aquela uma posição pessoal, mas defendida por vários membros do Ministério Público. A considerar o placar da lista tríplice, a categoria o apoia. O presidente da OAB, Claudio Lamachia, no entanto, chegou a tachar de “verdadeiro escárnio o áudio em que um integrante do Ministério Público se empenha em perpetuar privilégios”.

Relações > Francisco Dirceu (192 votos) seria o de relação mais próxima com o Palácio das Princesas, enquanto Zé Paulo Cavalcanti, o mais votado, com 209 votos, já teria tido alguns pontos de enfrentamento com socialistas, segundo informações que circulam nos bastidores.

Ponto a favor > Os recursos, que seriam de R$ 30 milhões, inicialmente, mas passaram a R$ 35 milhões já estavam garantidos pelo Ministério dos Transportes. A visita que os secretários Felipe Carreras (Turismo) e Sebastião Oliveira (Transportes) fizeram, ontem, ao aeroporto de Serra Talhada rendeu elogios à nova pista por parte do time da Azul Linhas Aéreas.

Embarque imediato > Com a verba assegurada e a pista elogiada, faltam, agora, entre outros, balizamento noturno e terminal de passageiros. O projeto foi apresentado pelo secretário Sebastião Oliveira, que vai abrir licitação. A Azul quer colocar voos à disposição ainda este ano. Um equipe de oito pessoas da companhia, comandada por Ronaldo Veras, diretor de Expansão, participou da vistoria.

veja também

comentários

colabore com a folha

comece o dia bem informado: