Renata Bezerra de Melo
Renata Bezerra de MeloFoto: Colunista

Na próxima segunda-feira, o presidente estadual do PDT, Wolney Queiroz, terá um encontro com o ex-prefeito de Olinda, Renildo Calheiros. O comunista é considerado uma das lideranças do Estado que age com desenvoltura na articulação política. O encontro ocorrerá poucos dias após o dirigente do PDT ter ido à mesa com o deputado federal Silvio Costa, do PTdoB, e deve preceder uma troca de ideias, em breve, com o líder-mor do PTB no Estado, Armando Monteiro Neto. O almoço com Silvio, ontem, deu início a uma construção que, por enquanto, é voltada ao cenário nacional. Mas pode desembocar em uma costura que leve os pedetistas a deixarem a base do governo Paulo Câmara. A articulação ainda é incipiente, porém há incômodo latente no PDT-PE em relação ao tamanho da sigla tanto no Governo do Estado como na Prefeitura do Recife. Prevalece uma leitura de que o PDT só teve reduzida, nos últimos meses, sua representatividade nas administrações socialistas e que a corda teria sido esticado demais. Dado o prazo que vai se encurtando para o pleito de 2018, o jogo avança, sendo armado em potenciais polos alternativos de oposição. Ainda que o PDT não tenha tanta disposição para se juntar com o DEM e o PSDB, por exemplo, partidos com os quais Armando já vem dialogando, não se descarta, no grupo, a formação de mais de um campo de oposição no Estado. Nesse primeiro momento, o PDT e o PTdoB vão procurar o PT, o PCdoB e o PSOL para montar agenda comum visando ao combate de projetos enviados pelo presidente Michel Temer ao Congresso. E, desde já, o governador Paulo Câmara tem acenado com a intenção de colaborar com a gestão do peemedebista, o que já significa uma contramão nos interesses.

Na PCR, o PDT chegou a ocupar a pasta de Desenvolvimento Econômico, mas acabou saindo do 1º escalão e ficando só com a Csurb

Faltando liderança de fato
Ainda que apoie o governo Michel Temer, o deputado federal Jarbas Vasconcelos não se furta a fazer análise crítica da gestão peemedebista. Pela experiência acumulada no Congresso, avalia que o governo "continua sem líder na Casa". Refere-se à Câmara Federal. Recentemente, o Planalto anunciou Aguinaldo Ribeiro (PP) como líder do governo no lugar de André Moura (PSC).

Dois em um > Jarbas, então, encontrou-se, recentemente, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e sapecou: "Muitas vezes, você está fazendo o papel de presidente da Casa e, na falta de competência do governo, substituindo o líder do governo, o que é uma coisa estranha". Maia reagiu com um ar de riso.

Pode ser > Lucas Ramos vem construindo seu projeto de reeleição para deputado estadual, mas não descarta concorrer a uma vaga na Câmara Federal, caso seja uma decisão do partido e uma forma de dar suporte a Paulo Câmara.
Por escrito > Depois de verem o presidente Michel Temer realçar sua "convicção do quanto a mulher faz pela casa" e grifar a capacidade dela de "indicar os desajustes de preços em supermercados", no Dia Internacional da Mulher, aliados do peemedebista observavam, nas coxias, ontem: "Temer não devia falar de improviso".

Remanejamento > O encontro que Paulo Câmara teve com Fernando Bezerra, em Brasília, esta semana, foi resultado de um pedido de audiência feito pelo senador, que ocorreria logo após o Carnaval no Palácio das Princesas, mas acabou não sendo possível, devido à agenda do governador, que se dispôs, então, a passar no gabinete do correligionário, na Casa Alta, na terça.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: