Renata Bezerra de Melo
Renata Bezerra de MeloFoto: Colunista

Diferente da Reforma da Previdência, há mais deputados interessados em votar a favor, segundo eles próprios contabilizam, da Trabalhista. Mesmo assim, o requerimento de urgência para acelerar a tramitação do projeto foi rejeitado, ontem, na Câmara Federal. Deputados da base e da oposição atribuíram a derrota, por 27 votos, à precipitação do presidente Rodrigo Maia, que encerrou a votação com alguma pressa após mal-estar, envolvendo Luiza Erundina, que sentou-se à cadeira da presidência. O resultado não foi positivo para o Planalto bem no dia do café da manhã, servido por Temer, para defender a Reforma da Previdência. O placar desfavorável alerta para a necessidade de maior articulação. Mesmo o PSB, cuja maioria vinha votando com o governo, como ocorreu na PEC do Teto de Gastos e na Reforma do Ensino Médio, inverteu essa tendência ontem. Na bancada socialista, 19 votaram contra e 12 a favor. A líder, Tereza Cristina , liberou a bancada. Para a Previdência, a tendência deve se repetir. Da bancada pernambucana, mesmo o deputado Kaio Maniçoba, do mesmo partido de Temer, levou falta no café. "Eu ia fazer o que lá?", indaga ele, que vota contra, independente dos ajustes apresentados. Na mesma linha, há vários outros, o que pode gerar uma espécie de voto útil, no momento em que a pressão contra reforma aumenta na sociedade.

Aliados do governo julgam que Maia perdeu o "timing" ontem, mas a derrota pesa contra o Planalto

Café com fila
Segundo pernambucanos, que compareceram ao café no Planalto, o mesmo foi "mal servido" e tinha "fila enorme". Um deles sapeca: "Só os mais apressados e famintos tomaram café".
Na Copergás > Roberto Fontelles, ex-chefe de Gabinete do Governo de Pernambuco na gestão Jarbas Vasconcelos e ex-presidente do Lafepe já na administração Paulo Câmara, será o novo presidente da Copergás. Ele substitui Décio Padilha, que assumirá uma das diretorias da Compesa. Ainda em janeiro, a coluna cantara a pedra sobre a tendência de Raul Henry fazer indicação para a presidência da Companhia.
Âncoras > Alguns parlamentares da base do governador Paulo Câmara andam bem impacientes com o trato que vem recebendo do secretariado. Na Alepe, a reclamação se repete e, na Câmara Federal, não tem sido diferente. "A água já bateu no nariz desse povo. Não afogou porque eles têm o nariz empinado demais, têm a cabeça tão para cima, que só não se afogaram por conta disso", arremessa um governista, em reserva.
Por... > Especialista ouvido pela coluna avalia que pedidos feitos por advogados de parlamentares citados nas delações da Odebrecht para que a relatoria dos respectivos casos saia do ministro Edson Fachin pode funcionar como um "tiro pela culatra". Entre as petições protocoladas, no STF, nesse sentido, está a do ministro Bruno Araújo.

...troca... > Movimento similar, compara o especialista, ocorreu com o Inquérito 4292, da Fair Play, que investiga o governador Paulo Câmara. Saiu da relatoria de Teori para Celso de Mello, conhecido como rigoroso nos casos de corrupção. Mello já autorizou o compartilhamento deste inquérito com o TCE-PE.

...de mãos > A lógica da defesa do tucano é oficializar que ele não tem relação com a Lava Jato e que as citações não têm vínculo com desvios na Petrobras. Há expectativa de que a tese seja aproveitada por demais parlamentares nos próximos dias.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: