Renata Bezerra de Melo
Renata Bezerra de MeloFoto: Colunista

Antes que o diálogo, gravado pelo empresário Joesley Batista, no qual o presidente Michel Temer teria dado aval à "compra do silêncio" do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ganhasse eco, o governador Paulo Câmara, por volta das 17h30, já havia deixado o Palácio do Planalto. Chegou a ter uma audiência com Temer, da qual também participou o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg. Até ali, o presidente confirmara sua visita a Suape, prevista para ocorrer amanhã. Mas o assunto estendeu-se ainda sobre a relação do Governo Federal com o PSB. O presidente demonstrou preocupação sobre a intenção do PSB de levar adiante os processos contra deputados que votaram a favor da Reforma Trabalhista. Em outras palavras, a expulsão de parlamentares implicaria diretamente no desembarque da sigla do seu governo, uma vez que o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, é um dos que votou a favor. Paulo Câmara já vinha colaborando para baixar a temperatura no partido - leia-se: se não dá para reverter votos, vinha evitando tensionar ainda mais a situação. Ontem, ao lado de Rollemberg, ouviu apelo do presidente nesse sentido da pacificação interna. Em razão dessa reunião mais reservada, Paulo Câmara não participou do encontro de Temer com governadores do Nordeste, onde o presidente se encontrava, segundo fontes, no momento da divulgação da notícia da delação que o deixa em situação bastante delicada. Paulo retornou a Pernambuco já sem a certeza da vinda de Temer a Suape. Os últimos episódios levavam, ontem, parlamentares a repetirem: "Agora, ninguém sabe mais de nada". Muito menos se a autonomia de Suape será devolvida a Pernambuco. Caso o ato não ocorra amanhã, já será o segundo cancelamento da mesma agenda - originalmente marcada para 27 de abril.

Márcio França teve encontro em PE
Na semana passada, o vice-governador de São Paulo, Márcio França esteve em Pernambuco e, sem holofotes, foi à mesa com Paulo Câmara. Na pauta, naturalmente, uma articulação para acalmar os ânimos no PSB, que vinha rachado entre os que defendem as reformas de Temer e aqueles que são contra. Dependendo do desfecho após a delação de Joesley Batista, as movimentações no PSB podem até perder o objeto.

Tamo junto :
Detalhe: a gravação envolvendo Temer foi divulgada no mesmo dia da que mostra Aécio Neves pedindo propina de R$ 2 milhões ao dono da JBS. As notícias chegam quando o TSE está prestes a votar a cassação da chapa Dilma-Temer e quem entrou com ação, naquele tribunal, foi justamente o PSDB, presidido por Aécio e, hoje, maior inquilino do Planalto.

Diretas : Na Câmara Federal, deputados já levantavam, ontem, a hipótese de fazer avançar a PEC, de autoria de Miro Teixeira (Rede-RJ), que está na CCJ e prevê eleições diretas, caso o presidente e o vice caiam entre o terceiro ano e os seis meses anteriores ao término do mandato.

O pós : O deputado Daniel Coelho pondera o seguinte: "Um presidente eleito, hoje, pelo Congresso seria um desastre. Mas mudar a Constituição e fazer um arrumadinho em cima da hora é perigoso. Temos que estar preocupados com a manutenção institucional do País".

Enviados pelo STF :
 Chegaram, na última terça, à Justiça Federal em Pernambuco, as primeiras petições relacionadas à Operação Lava Jato. Uma delas foi distribuída para o juízo da 4ª Vara Federal e uma para o juízo da 13ª Vara.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: