Luiz Joaquim escreveu para jornais pernambucano durante quase 20 anos
Luiz Joaquim escreveu para jornais pernambucano durante quase 20 anosFoto: Osmário Marques/Divulgação

Logo no início de sua carreira como crítico cultural em jornais pernambucanos, na segunda metade dos anos 1990, o jornalista Luiz Joaquim viu o cinema nacional recuperar seu prestígio, após a crise provocada pelo fim da Embrafilme, órgão que financiava o setor. Ao mesmo tempo, pôde acompanhar de perto a forma como a crítica especializada se relacionava com esses novos filmes brasileiros. Suas observações sobre essa relação deram origem a uma pesquisa, iniciada em 2001, e chegam ao público com o livro "Cinema brasileiro nos jornais: Uma análise da crítica cinematográfica na Retomada" (Editora Massangana, 2018, 150 páginas).

Após lançamento no 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em setembro de 2018, e na 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes, em janeiro deste ano, a publicação será apresentada da 12ª Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, realizada no Centro de Convenções, em Olinda, nesta quarta-feira (9), às 19h. Na ocasião, o autor participa de um bate-papo com a jornalista Luciana Veras, no estande da Editora Massangana. Mesmo antes de virar livro, a pesquisa já despertava o interesse de pessoas que estudam cinema e comunicação, de acordo. "Há pouquíssimas publicações no Brasil sobre crítica cinematográfica. E essa, especificamente, lança um olhar sobre um período recente", comenta.

A ideia de fazer o estudo nasceu do incômodo sentido pelo jornalista e professor de cinema, que utilizou o tema em sua dissertação de mestrado. "Eu observava que as críticas de cinema feitas sobre filmes brasileiros eram muito ruins, no sentido de serem insipientes e muito distintas de como eram escritos os textos sobre produções estrangeiras", aponta Luiz, que atualmente ocupa o cargo de vice-presidente da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

Leia também:
Crítico pernambucano Luiz Joaquim assume vice-presidência da Abraccine
Sidney Rocha fala sobre literatura e a homenagem que receberá na Bienal do Livro


Partindo do material publicado em alguns dos mais relevantes jornais brasileiros, o pernambucano analisou as críticas produzidas sobre três filmes. Os longas escolhidos foram "Carlota Joaquina, princesa do Brasil" (1995), de Carla Camurati, "Central do Brasil" (1998), de Walter Salles, e "Cidade de Deus" (2002), de Fernando Meirelles. Unindo dados oficiais e vivência de mercado, Luiz consegue demonstrar como o jornalismo cultural foi refinando seu discurso à medida que seu objeto de análise evoluía.

Com base no recorte escolhido, o livro evidencia a predominância de uma perspectiva mercadológica nas análises produzidas pelos jornais. Na época da estreia de "Carlota Joaquina", o interesse do público pelo filme era o aspecto mais destacado nos textos. Com "Central do Brasil", que obteve duas indicações ao Oscar, o prestígio conquistado no exterior servia para referendar a obra. Só em "Cidade de Deus" é que as críticas ganham mais substância e passam a abordar também questões sociais relacionadas ao longa-metragem. "O que de mais concreto podemos verificar nesta pesquisa é que o cinema nacional precisa da crítica e a crítica precisa do cinema nacional", conclui o livro.

Serviço

Lançamento do livro "Cinema brasileiro nos jornais: Uma análise da crítica cinematográfica na Retomada", de Luiz Joaquim
Editora Massangana,150 páginas, R$ 20
Amanhã, às 19h
Na 12ª Bienal Internacional do Livro de Pernambuco (Centro de Convenções, Av. Prof. Andrade Bezerra, s/n, Salgadinho, Olinda)

veja também

comentários

comece o dia bem informado: