'A hora da sua morte' está em cartaz nos cinemas recifenses
'A hora da sua morte' está em cartaz nos cinemas recifensesFoto: Divulgação

O cinema de terror tem tradição de inserir espíritos malignos em objetos, coisas inanimadas. Exemplos notórios são "Christine", sobre um carro vingativo e matador, ou o boneco Chucky, de "Brinquedo Assassino". Como os tempos mudaram, chega agora um aplicativo de celular com desejo de matar.

"A Hora da Sua Morte" tem um ponto a seu favor. O roteiro não perde tempo com embromação. Em cinco minutos de sessão, o espectador já entende a proposta: pessoas que brincam com um app que prevê quanto tempo o usuário tem de vida vão encarar mortes pavorosas quando sua hora chegar.

Numa festa, amigos numa mesa usam o app Countdown, e uma das garotas é avisada que tem poucas horas de vida. Ela volta para casa e acaba morrendo de um modo bizarro, não sem antes propiciar algumas cenas de sustos para a plateia. E o filme é desses abarrotados de tentativas de sustos. A grande maioria fica só na tentativa.

Leia também:
Kleber Mendonça Filho, de 'Bacurau', diz em Berlim que governo sabota o cinema
Bolsonaro indica pastor e produtora de festival cristão para dirigir Ancine
Morre José Luis Cuerda, autor de clássicos do cinema espanhol

Elizabeth Lail, intérprete da loirinha Guinevere na série Netflix "You", é a protagonista corajosa que, uma vez destinada a morrer em dois dias, tentará reverter a premonição do app. Sua personagem, a enfermeira iniciante Quinn Harris, vem com um pacote de características para compor uma heroína. Ela precisa lidar com a tristeza do pai viúvo e cuida da irmã mais nova, uma adolescente problemática clichê. No hospital, é a menina fofa que ajuda a todos na rotina estressante. Seu alto astral só é abalado quando sofre assédio de um médico cretino, um lance para conectar o roteiro com o momento atual de luta das mulheres.

Como se essas atribulações não bastassem, Quinn tem um celular no bolso que manda constantes notificações de sua morte próxima. Ela passa a ter visões assustadoras e fica sabendo de outras pessoas morrendo em situações difíceis de explicar. Acaba formando uma dupla com Matt (Jordan Calloway, da série "Riverdale"), que tem poucas horas restantes a menos do que ela, para tentar descobrir o que está acontecendo.

A melhor sacada do enredo é colocar no caminho deles um padre nerd e um hacker cínico, dupla que vai aproximá-los da verdade sobre o Countdown. Mas, na parte final, o filme cai na mesmice de confronto entre humanos e espíritos malvados, proposta que domina boa parte do gênero nos cinemas. E sem nenhuma capacidade de injetar algo novo nesse tipo de batalha.

"A Hora da Sua Morte" tem pelo menos uma boa direção de atores, algo não fácil de se ver nessas produções de terror barato. O casal central funciona bem, mas é pouco para tirar o filme da vala comum. Até mesmo a tentativa do indefectível "final surpresa" não dá certo. É uma diversão rasa para adolescentes sem grandes expectativas.

A HORA DE SUA MORTE
Quando: estreia na quinta (27)
Elenco: Elizabeth Lail, Jordan Calloway, Talitha Eliane Bateman
Produção: EUA, 2020
Direção: Justin Dec
Avaliação: regular

veja também

comentários

comece o dia bem informado: