Holística

Mariomar Teixeira

ver colunas anteriores
Flor Hoya Carnosa ou flor de cêra
Flor Hoya Carnosa ou flor de cêraFoto: Mariomar Teixeira

Quando uma pergunta é feita, a pessoa solicitada deve fazer um esforço em ter uma resposta. Razão que escrevi este texto e espero responder a pergunta: Fui detectado com câncer, devo usar alguma cor específica?

A abordagem deste texto será quais as cores podem ser usadas no percurso da desconfiança e o diagnóstico de câncer; a caminhada durante o tratamento e o pós-tratamento.

Independente das cores é importante o enfermo conversar com o profissional de saúde responsável por seu tratamento se é interessante ao ser diagnosticado ter apoio de outros tratamentos paralelos como homeopatia; acupuntura; nutrição; aromaterapia; florais e reiki (todos de preferência que saibam o horário dos órgãos humanos; dessa maneira focar no horário do órgão atingido). A colaboração de um consultor de Feng Shui que trabalhe com a escola da bússola seria apenas para dizer qual o melhor ponto cardeal para o enfermo ter a cabeceira da cama.

Normalmente, as células cancerígenas são alimentadas pelo sangue, assim, acelerar ou não a circulação sanguínea passa ter um papel que deve ser observado. Desse modo, aqui escreverei a sugestão das cores que podem ser usadas após o diagnóstico, durante o tratamento e pós-tratamento de câncer.

A sensibilidade da pessoa quando é diagnosticada é totalmente atingida; o apoio dos familiares e amigos tem um forte papel de carinho e respeito neste momento.

Ao ser diagnosticado, a pessoa deve evitar o uso de roupa com tons quentes (amarelados, alaranjados e avermelhados), porque acelera o sangue. Apesar de cada uma dessas cores ter sua peculiaridade, elas podem ajudar durante o tratamento, mas não nesse momento. O estimulo deve ser de esfriar o sangue o máximo possível (razão da importância de se ver os alimentos, bebidas e que tratamento deve ser dado), evitar até aborrecimentos nessa fase. Sugiro o uso de cores como o azul escuro e o preto. Mas quando for fazer as consultas e os exames busque tons beges e verdes.

Começou o tratamento, as cores laranja e vermelha devem ser usadas e abusadas no vestuário e nos lençóis do enfermo. O motivo é para que a quimioterapia ou radio tenha o seu efeito ampliado e atingir o que está causando a doença.

A cor amarela não é indicada, essa cor quem deve usar é o profissional que está tratando para ter todos os seus sentidos estimulados e conseguir observar toda situação do enfermo. Mas para o doente, não. Porque é uma cor que estimular o sistema nervoso e amplia a dor, caso o enfermo a esteja sentindo.

Aqui posso relatar até uma experiência ao fazer consultoria em uma clínica, onde o procedimento de anestesia era aplicado tinha a decoração em uma das paredes à cor amarela mostarda. Apesar de muito bonita, infelizmente era um ambiente que essa cor não deveria ter, pois tinha dois efeitos, ativava o cérebro dos pacientes ampliando o sentido da dor e acelerava o sangue, reduzindo o efeito do anestésico. Ao comentar isso com a Médica Técnica responsável, ela comentou que agora fazia sentido que ao mudar o tom daquela parede, o quantitativo de uso de anestésico se ampliou para fazer o efeito desejado para o tratamento.

Voltando ao nosso texto: ao acabar o tratamento e feito os últimos exames dando o resultado que o enfermo no momento está livre da doença, vai tirando o uso das cores paulatinamente também para acostumar os sentidos do corpo. Mas se ainda está inseguro com os resultados do exame, tenha a cor laranja e vermelha por perto para que venha à tona qualquer situação errada e ser percebida com a intenção de buscar tratamento e resultados eficientes com rapidez.

Se o responsável pelo tratamento já lhe der alta e está satisfeito com o seu resultado, sugiro o uso da cor verde por um período preferencial de no mínimo três meses. A razão é para maior estabelecimento e recuperação dos seus órgãos internos, com tranquilidade e harmonia em todas as dimensões. Os tons de verdes podem variar, mas evite o tom de verde folha seca (ou folha morta).

As cores aqui sugeridas podem ser usadas em peças intimas, lençóis, cortinas, paredes ou em objetos de decoração destacados no ambiente.

Após essa fase ter sido vencida, tenha curiosidade de saber qual emoção está ligada ao órgão atingido e como deve ser trabalhado, pois, particularmente, eu vejo a doença como uma aprendizagem; e nós como simples alunos da vida devemos ter a humildade de tentarmos aprender e passar na matéria dada.

Respeito, carinho e amor são conquistas que as pessoas adquirem de cada um de nós, desejo no percurso da vida esses sentimentos, que também são excelentes remédios, estejam ao redor de todos os seres vivos.

Milhões de beijos iluminados,

Mariomar Teixeira - Numeróloga & Consultora: de Feng Shui, de 4 Pilares e de Zi Wei Dou Shu. Contatos: (81) 99807.4568 - Tim e WhatsApp – E-mail: [email protected]. Instagram: @mariomar_teixeira


Perfil

Mariomar Teixeira é formada em Secretariado na UFPE com mestrado em Extensão Rural e Desenvolvimento Local na UFRPE. Filha, esposa e mãe. Ama ler, estudar, tricotar e cozinhar. Dedica-se aos estudos de metafísica desde 1980, principalmente Numerologia. Em 1993, além de assumir um concurso público federal, também o trabalho como numeróloga é reconhecido. Colunista da Folha de Pernambuco de 1998 a 2005, coluna Numerologia. No mesmo período foi colunista da Revista Club com as colunas: Holística e Lançamento de livros. Professora e Consultora de Feng Shui desde 1997.

* A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: