Apresentação sobre "Transformação Digital em Grandes Corporações”
Apresentação sobre "Transformação Digital em Grandes Corporações”Foto: Beto Oliveira/Divulgação

Transformação digital, empreendedorismo e o uso da tecnologia e inovação para o setor público foram alguns dos temas mais debatidos durante o primeiro dia da terceira edição do REC’n’Play. Os participantes tiveram a oportunidade de assistir a palestras sobre o uso da tecnologia para incrementar o negócio, o uso da análise de dados para conhecer o comportamento do cliente, entre outros recursos.

A abertura do festival foi marcada pela palestra e debate com o presidente do Porto Digital Pierre Lucena, o presidente do conselho do Porto Digital, Silvio Meira e o superintendente do Sebrae Pernambuco, Francisco Saboya, no cinema do parque tecnológico. O assunto abordado na apresentação foi a “Transformação Digital em Grandes Corporações”, onde foram discutidos os processos de inovação em grandes corporações, trazendo exemplo dos cases de inovação.

Leia também:
'A criatividade não é um botão que você aperta', diz Murilo Gun, no Rec'n'Play
Internet como aliada das vendas no REC’n’Play

De acordo com Francisco Saboya é preciso que as pessoas deixem de lado o pensamento da década passada. “O dilema da transformação digital nas grandes corporações é que a gente vive no ano de 2019, mas a cabeça das pessoas, em especial da cultura da informática, está nos anos 90”, destacou. 

O presidente do conselho do Porto, Silvio Meira, reforça que testar novos modelos experimentais para ter um contato mais próximo com o cliente. “Para instaurar modelos de negócios digitais é importantíssimo gerar modelos experimentais pra testes com o consumidor final”, comentou.

Durante a tarde, o destaque foi para o empreendedorismo e a inovação no setor público. O empreendedor e sócio da Vtex, Alfredo Soares, palestrou sobre “O manual para sobreviver a era digital” e apresentou formas para não se perder no mundo digital e que é importante saber usar a internet como uma aliada para as vendas. “É preciso ter velocidade, agilidade e a capacidade de se adaptar aos momentos e ao comportamento de consumo que está mudando muito rápido. A internet tem que ser usada para vender, nunca é uma questão da ferramenta ou da ação, e sim como se vai usar ela para ter os melhores resultados”, destacou.

Outra atividade realizada no festival foi o Gov In Play, que debateu sobre a Lei Geral de Proteção de Dados, como conta o diretor da assessoria de projetos estratégicos da Emprel, Homero Sampaio. “A lei tem uma importância grande por conta da disseminação do Big Data e do uso dos dados pessoais pelas organizações e ela vem na linha de regular a utilização dos dados com o objetivo de proteger o cidadão e os seus respectivos dados”, apontou.

Homero destaca ainda que é possível que a população contribua com soluções no setor de inovação por meio de eventos como o Hacker Cidadão que acontece nos dois últimos dias do REC’n’Play. “A inovação é para engajar e ter mais inovação aberta, permitindo que pessoas ou entidades de fora do setor público ofertem soluções a partir da demanda do serviço público. Serão dois desafios voltados para a área de saúde, que são problemas para estimular o aumento de vacinação e como reunir dados sobre os acidentes de trânsito”, disse.

O secretario adjunto de inovação da Prefeitura de Maceió, Arypuanã Sampaio, participou do festival e reforça a importância de ter inovação entre o poder público e a sociedade em geral. “Trabalhar com inovação tem sido fundamental devido a demanda da população por serviços, e é sempre preciso se reinventar. Para construir uma cidade melhor a gente precisa do cidadão mais participativo e acreditamos que cada dia mais o cidadão tende a realizar o serviço pelo meio digital”, contou.

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: