Clube divulgou nota por meio de rede social
Clube divulgou nota por meio de rede socialFoto: Arte/Náutico

Em comunicado divulgado por meio da rede social de alguns clubes da Série B, um deles o Náutico, foi informado que atletas e comissões técnicas das equipes que disputarão a segunda divisão do Campeonato Brasileiro em 2020 terão férias coletivas de 20 dias a partir de 1º de abril - prazo esse que pode ser prorrogado por mais 10 dias. As instituições vão manter o pagamento integral dos salários do mês de março, porém, ficou em aberto a possibilidade da redução de 25% dos vencimentos dos profissionais caso a paralisação, gerada por conta da pandemia do novo coronavírus, permaneça após o periodo de descanso. De acordo com a nota, uma nova reunião, no dia 15 de abril, deve definir a questão.

A redução salarial proposta pela Comissão Nacional de Clubes (CNC) cita como base o artigo 503 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que diz ser possível tomar a decisão em "caso de força maior ou prejuízos devidamente comprovados, não podendo ser superior a 25%". Vale citar que a Federação Nacional dos Atletas de Futebol Profissional (Fenapaf) rejeitou as duas primeiras propostas da CNC envolvendo a diminuição nos vencimentos. Em Pernambuco, o Sindicato dos Atletas informou que os jogadores de Sport, Santa Cruz e Náutico gostariam de negociar seus contratos diretamente com seus respectivos clubes.

No comunicado, também foi informado que haverá suspensão, pelo período de paralisação dos campeonatos, de todos os contratos de direito de imagem, cabendo a cada clube analisar individualmente a questão com seus empregados. As federações, confederações e entidades que organizam campeonatos precisarão dar um período mínimo de 20 dias para condicionamento físico dos atletas, entre o término da suspensão dos jogos e a realização de partidas oficiais.

As dependências esportivas de todos os clubes devem ficar à disposição das autoridades sanitárias e de saúde para a instalação de leitos, coleta de sangue, realização de exames e outras atividades que se façam necessárias para o auxílio no combate à pandemia e suas consequências. Tal medida já foi tomada pelo Trio de Ferro da capital. "Temos a absoluta certeza que as providências acima são estritamente necessárias para não haver um colapso financeiro com consequências muito mais graves e que contaremos com o apoio e a compreensão de todos os envolvidos", finalizou a nota.

Leia também:
Quarentena redobra trabalhos no Centro de Inteligência do Náutico
Náutico de olho no meia Dadá Belmonte

Veja a nota na íntegra:

Os 20 clubes que integram a Série B do Campeonato Brasileiro de Futebol Profissional, em conformidade com a Medida Provisória 927, de 22 de Março de 2020, diante da pandemia do Coronavírus (Covid-19), que causou o cancelamento de jogos, a paralisação de campeonatos e a recorrente perda de receitas que dificultam o cumprimento de suas obrigações sociais e financeiras, e do impasse na negociação entre o Conselho Nacional de Clubes e a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (FENAPAF), DECIDIRAM conjuntamente adotar as seguintes medidas:

A concessão de férias de 20 dias, prorrogáveis por mais 10 dias, a todos os atletas profissionais, membros de comissões técnicas e funcionários a partir de 1º de abril de 2020, em conformidade com o artigo 6º da Medida Provisória 927, de 22 de março de 2020. Salientamos que tal prorrogação dependerá de reavaliação do cenário e das condições de paralisação, sendo que tal item será definido em reunião entre os 20 clubes, no próximo dia 15 de abril de 2020;

Apesar das dificuldades impostas pelas paralisações das atividades, os clubes não medirão esforços e realizarão os pagamentos dos salários do mês de março/2020 integralmente. Porém, em se mantendo este cenário de paralisação após o período de férias coletivas, poderá ser necessário aplicar a redução de 25% (vinte e cinco por cento) na remuneração de todos os atletas profissionais, membros de Comissões Técnicas e funcionários durante o período que durar a paralisação, como preceitua o artigo 503 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) em casos extremos e de força maior;

A suspensão, pelo período de paralisação, de todos os Contratos de Direito de Imagem, cabendo a cada clube individualmente analisar e observar as características próprias dos respectivos contratos para as consequentes suspensões;

Solicitar às Federações, Confederações e a todas as entidades que organizam campeonatos um período mínimo para condicionamento físico dos atletas de 20 (vinte) dias entre o término da paralisação e a realização de partidas oficiais;

Colocar as dependências esportivas de todos os clubes à disposição das autoridades sanitárias e de saúde para a instalação de leitos, coleta de sangue, realização de exames e outras atividades que se façam necessárias para o auxílio no combate à pandemia e suas consequências.

Temos a absoluta certeza que as providências acima são estritamente necessárias para não haver um colapso financeiro com consequências muito mais graves e que contaremos com o apoio e a compreensão de todos os envolvidos.

Brasil, 25 de março de 2020.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: