Carlos Gamarra, preparador físico do Santa Cruz
Carlos Gamarra, preparador físico do Santa CruzFoto: Divulgação

Em meio às indefinições para o retorno do futebol nacional, por conta do grande número de casos confirmados de Covid-19 no País, uma alteração temporária em uma das regras que envolve as partidas é certa: o aumento na quantidade de substituições de três para cinco por jogo. A medida foi autorizada pela Fifa "para resguardar o bem-estar dos atletas" e entra em vigor a partir do dia 1º de junho e vai até o dia 31 de dezembro. Quem mostrou-se a favor do pleito foi o preparador físico do Santa Cruz, Carlos Gamarra, que destacou a mudança temporal nos aspectos de condicionamento físico e técnicos do futebol, alertando, ainda, para maior produtividade dos atletas em campo.

"A gente aprova, porque o nível de parte física mudou muito de uns anos para cá e as substituições eram as mesmas, as três. Agora, teremos um pouco mais de opção, descansar um ou outro jogador, aquele que esteja mais cansado, vamos poder poupá-lo mais, haja vista que hoje o futebol está mais dinâmico. O atleta corre mais do que corria antigamente, o número de 'sprint' aumentou bastante, então existe mais força, o desgaste, hoje, é maior também, porque são feitas muito mais ações e ações mais rápidas do que se fazia antigamente”, comentou.

Leia também:
Preparador físico coral comenta possível retorno dos treinos: 'sem bola não é o ideal'
Executivo de futebol do Santa garante Felipe Cabeleira até 2022
Na espreita do mercado, Victor Rangel vira incógnita no Santa Cruz

Apesar de ser uma medida temporária, por apenas seis meses, se adotada pela CBF e Federação Pernambucana, servirá também para minimizar o sufoco que os clubes possivelmente terão que lidar, principalmente devido ao aperto no calendário. Muitos times, inclusive, com apenas 48 horas de intervalo entre uma partida e outra - medida ainda em discussão. Pensando nisso e na dinâmica que a medida pode oferecer à partida, ainda que sirva como primeiro passo, Gamarra disse considerar que “o ideal” seria uma alteração permanente na regra de substituições.

"Acho que seria o ideal, tanto para a parte física quanto para a parte técnica. Por conta do desgaste, a competitividade de hoje e intensidade dos jogos, seria muito bom, para todas as partes, que fosse cinco substituições (de forma permanente), em qualquer divisão, no Estadual ou Brasileiro”, ressaltou. A alteração na regra do jogo será implementada de acordo com os organizadores das competições nacionais e estaduais. Além disso, as cinco trocas devem ser feitas em, no máximo, três paradas.

Desde o dia 17 de março, os atletas tricolores trabalham o condicionamento físico em casa, sendo já dois meses sem trabalhos realizados nos gramados do Arruda. De acordo com Gamarra, apesar do monitoramento e auxílio da comissão técnica nas atividades diárias, as perdas físicas são notórias e inevitáveis.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: