De acordo com Geraldo Julio, resultados do isolamento rígido superam o esperado
De acordo com Geraldo Julio, resultados do isolamento rígido superam o esperadoFoto: Reprodução

Desde que a quarentena obrigatória foi iniciada no Recife e em mais quatro cidades do Estado, o índice de isolamento na capital pernambucana saltou de 51 para 58%. De acordo com o prefeito da Cidade, Geraldo Julio (PSB), o aumento é expressivo e ultrapassa as expectativas.

“O resultado está além do esperado. Estimava-se um aumento de 4 a 5%, mas a cidade tem apresentado um aumento médio no isolamento de 6% nesses primeiros dias”, afirmou. “Esse aumento corresponde a 106 mil pessoas que deixaram de circular, evitando que mais pessoas fiquem doentes ao mesmo tempo e menos pessoas doentes significa menos pessoas nos hospitais”, complementou.

Leia também:
Covid-19 já é a doença que mais matou recifenses em 2020
Olinda inicia testes rápidos de Covid-19 em unidade móvel
Covid-19 atinge 62% dos municípios brasileiros; 24% registram mortes

Durante esse período, 500 servidores da prefeitura estão atuando na operação e foram montados 16 bloqueios de veículos pela cidade. “Nesses bloqueios, foram abordados 180 mil veículos, dos quais 7.500 receberam a orientação de voltar para casa”, disse o prefeito. Ele ainda informou que 166 estabelecimentos comerciais foram autuados e notificados e outros 50 foram fechados.

Ainda segundo o gestor municipal, o prazo da quarentena segue mantido para o dia 31 de maio, data obtida através de estudos e análises estatísticas. “Todos os estudos e dados científicos que realizamos indicaram que essa era a data ideal para realizarmos esse isolamento mais rígido. Também estamos com parceria com o Porto Digital, que está realizando estudos que avaliam as possibilidades de retorno da normalidade do comércio”, informou.

A respeito do uso da cloroquina no protocolo de atenção primária do tratamento da Covid-19 na cidade, o secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, afirmou que não alterou o procedimento que vem sendo realizado após realizar análises de trabalhos publicados recentemente em revistas científicas e considerar as recomendações das autoridades sanitárias sobre o uso da medicação. “Iremos realizar a distribuição dos comprimidos da cloroquina e da hidroxicloroquina que receber do Ministério da Saúde ou da Secretaria Estadual de Saúde. Porém, vamos sempre respeitar a prescrição médica e a vontade expressa do paciente, que deverá assinar um termo de ciência e consentimento na hora de tomar essa medicação”, esclareceu.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: