Débora compartilha nas redes sociais seu dia a dia
Débora compartilha nas redes sociais seu dia a diaFoto: Reprodução/Instagram

A jovem Débora Dantas, 19, que passou por cirurgias para reconstrução do couro cabeludo após acidente com kart em agosto passado, descobriu durante o fim de semana uma infecção na cabeça que está afetando a sua cicatrização.

Segundo o noivo da jovem, o microempresário Eduardo Tumajan, caso o tratamento com remédio prescrito pelo médico que acompanha Débora, o cirurgião Alex Fioravanti, não solucione o problema em uma semana, eles precisarão retornar ao Hospital Especializado de Ribeirão Preto, em São Paulo, onde foram feitas as cirurgias.

Leia também:
Recife sanciona lei que regula normas de segurança em pistas de kart
'Teve negligência, ou não teria acontecido”', diz Débora sobre o acidente no kart


"Percebi duas feridas na região de cabeça e mandamos fotos [para o médico]. Ele medicou e pediu para rever com novas fotos daqui a uma semana. Se não cicatrizar precisaremos ir a São Paulo de novo", explicou Eduardo, nesta terça-feira (10), por telefone, ao Portal FolhaPE. Ainda de acordo com o noivo de Débora, ela permanece calma diante da situação. "Ela é tranquila, não fica assustada com essas coisa", acrescentou.

"Lei Débora"
Em relação à Lei Municipal nº 18.668/2019, que regula normas de segurança para pistas de kart amador no Recife e foi sancionada no último sábado (7), Eduardo afirmou que considera o texto incompleto, uma vez que não prevê seguro obrigatório para possíveis vítimas de acidentes, como Débora. "Eu acho que faltou o seguro obrigatório. Você coloca um socorrista, os materiais, mas digamos que aconteça uma fatalidade. Para onde você vai? No caso da gente, o cara sumiu. Até hoje ele não ligou para saber se Débora está bem. Como que fica a situação?", criticou.

A lei considera como exigências a disponibilidade aos clientes de itens de segurança como capacete, balaclava (touca) descartável, luvas, elástico para pilotos com cabelos compridos e macacão especial para amortecer impacto em caso de queda. Segundo o texto, todas as empresas que exploram a atividade no Recife devem colocar em local visível cartazes e avisos com informações sobre cuidados na utilização dos karts, promover a permanente manutenção dos equipamentos, designar diretor responsável e dispor de posto médico com profissional de saúde para atendimento em casos de emergência.

As empresas instaladas no Recife que não obedecerem à lei estarão sujeitas a multa de R$ 10 mil e suspensão das atividades durante 30 dias. Em caso de reincidência, haverá cassação definitiva da permissão de funcionamento. "O governo vai lá, multa e arrecada. Mas a pessoa como fica? Vai para onde depois que acontece uma acidente desse? A pessoa vai receber indenização como? A lei só pensa em multar, mas não pensou no cidadão como vai ficar", acrescentou Eduardo.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: