Lula
LulaFoto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Instagram do governador Paulo Câmara

Instagram do governador Paulo Câmara - Crédito: Divulgação/ Instagram



Prefeito Geraldo Julio

"Com o julgamento sobre a proibição de prisão após a 2ª instância realizado ontem pelo Supremo Tribunal Federal e a consequente libertação do ex-presidente Lula, o Brasil restaura a sua institucionalidade jurídica, com o respeito ao que está previsto na nossa Constituição e repara uma injustiça cometida com o presidente que mais fez pelo povo brasileiro, tirando milhões de famílias da pobreza e reduzindo, como nunca havia ocorrido, a desigualdade no País."

Governador se reuniu com parlamentares para relatar ações desenvolvidas no Estado para combater desastre ambiental
Governador se reuniu com parlamentares para relatar ações desenvolvidas no Estado para combater desastre ambientalFoto: Heudis Régis/ SEI

O governador Paulo Câmara, ao lado do secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade José Bertotti, recebeu, nesta sexta-feira (8), a comissão especial de senadores que monitora o vazamento de óleo nas praias do Nordeste. Estiveram no Palácio do Campo das Princesas os senadores Fabiano Contarato (ES), Jean-Paul Prates (RN), Randolfe Rodrigues (AP) e Humberto Costa (PE), além de representantes da bancada na Câmara Federal, como os deputados João Campos, Carlos Veras e João Daniel (SE). No encontro, Paulo Câmara fez um balanço das ações do Governo Estadual para dar combate ao desastre ambiental provocado pelo derramamento de óleo no litoral.

De acordo com José Bertotti, o governador apresentou as iniciativas que vêm sendo desenvolvidas no Estado desde o dia 2 de setembro, momento-chave em que se descobriu que o óleo que atingiu o litoral de Pernambuco não era o mesmo do vazamento da Refinaria Abreu e Lima. "Nesse momento, solicitamos ao Ibama e à Capitania providências para que de imediato o Plano Nacional de Contingência fosse colocado em prática”, afirmou Bertotti, que criticou a demora de resposta do Governo Federal e a falta de identificação concreta desse caso.

“Da nossa parte, pudemos documentar, entregamos uma pasta com todos os ofícios que foram feitos pelo Estado: à Marinha, ao Ministério do Meio Ambiente, ao Ministério da Defesa e à Agência Nacional de Petróleo. E levantamos as questões que são mais importantes em nossa opinião. A primeira medida, o Governo Federal só tomou 37 dias depois, fazendo com que uma comissão fosse instaurada para identificar a fonte do vazamento. Infelizmente, até o momento não temos uma informação precisa de qual é a fonte do vazamento”, lamentou o secretário de Meio Ambiente, que seguiu falando sobre as ações do Governo Estadual.

“Temos equipes mobilizadas em todas as praias atingidas, fazendo monitoramento principalmente das áreas mais sensíveis, que são 14, bem como os estuários que foram afetados, nossos arrecifes e nossos corais. Existem equipes de mergulhadores fazendo ações para retirada do material, coleta de água, coleta de análise, para dar mais tranquilidade à população”, acrescentou Bertotti.

Para o senador Humberto Costa, os esforços desenvolvidos pelas comunidades, prefeituras e Governo do Estado merecem destaque. “Por parte do Governo Federal, houve apenas um esforço maior da parte da Marinha. Em relação à produção de informações ou a um empenho mais efetivo por parte dos órgãos nacionais, isso foi muito pouco. Particularmente, do Ministério do Meio Ambiente. Faltam informações, faltam documentos oficiais, falta o apoio para que esse trabalho venha ser feito, e principalmente, faltam medidas que possam minimizar o drama, para além do desastre ambiental, que é a precariedade da situação econômica das comunidades que sobrevivem tanto das atividades de pesca quanto do turismo”, argumentou o parlamentar.

Humberto Costa comentou ainda as ações futuras que deverão ser empenhadas em Brasília pela comissão. “Vamos levar primeiro essa avaliação de uma subestimação por parte do Governo Federal do que aconteceu e também propostas para que haja socorro urgente e imediato aos trabalhadores e àqueles que dependem da pesca e do turismo", disse. De acordo com o senador, é preciso garantir algum tipo de suporte emergencial, de recursos ou empréstimos para essas comunidades, especialmente os pescadores, uma vez que a quantidade de profissionais cadastrados no seguro-defeso é muito pequena. "É preciso fazer alguma coisa nesse sentido. É preciso produzir análises urgentes que comprovem a qualidade dos frutos do mar, para que a atividade econômica possa acontecer”, finalizou.

Eriberto Rafael é líder do Governo na Câmara do Recife e autor do projeto
Eriberto Rafael é líder do Governo na Câmara do Recife e autor do projetoFoto: Julya Caminha/Folha de Pernambuco

Uma audiência pública para esclarecer pequenas alterações feitas no Plano Plurianual (PPA) 2018 – 2021, que deve ser revisado a cada ano e é responsável pelas escolhas estratégicas pactuadas pelo governo com a sociedade, e a Lei Orçamentária Anual (LOA), que estima as receitas do município para o exercício e as fixa com base nas receitas estimadas, foi realizada pelo presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara dos Vereadores, Eriberto Rafael (PTC), na manhã desta sexta-feira (8).

O secretário de Planejamento e Gestão do Recife Jorge Vieira, esteve presente e explicou os planos. No total, 26 vereadores adicionaram ou modificaram 94 emendas da LOA. Já a PPA, foram 98 emendas adicionadas ou modificadas por cinco vereadores.

De acordo com Eriberto, as emendas serão discutidas na Comissão de Finanças na próxima semana, para o relatório das emendas serem fechados e submetidos para aprovação no plenário. "A LOA 2020 é importante para termos a visão do que a Prefeitura está conseguindo arrecadar. Mesmo no momento de crise, a gente vê que ela ainda tem previsão de o orçamento crescer em relação ao ano passado. A Prefeitura busca mecanismos para fazer com que a população tenha condições de pagar, seja por parcelamento ou facilitando a forma de pagamento", explicou.

O líder do governo também argumentou a importância da população nas reuniões para visualizar os investimentos do Executivo com antecedência e ter clareza do que vai acontecer para acompanhar e cobrar os serviços prestados.

Vieira informou que 2020 "tem o valor total de pouco mais de 6 bi entre recursos próprios e recursos de convênios de operações de crédito e transferências". "Não é segredo para ninguém que o país enfrenta a maior crise da história. Todos nós estamos sentindo e a gestão do prefeito Geraldo Julio (PSB), que tem feito um esforço muito grande para manter as contas da Prefeitura em dia. Os que colocamos na LOA 2020 para a educação e saúde excedem o teto mínimo constitucional. Todo ente federativo (estado e município) tem a obrigação de investir 25% do orçamento em educação e estamos colocando 60 milhões a mais do que isso. Na saúde, o teto é de 15% e estamos colocando quase 100 milhões a mais do que o mínimo, mostrando a prioridade que a gestão dá para a educação e saúde", ressaltou.

As reuniões da Comissão de Finanças acontecerão na próxima semana (11) após a sessão plenária, por volta das 17h. Na quinta-feira (14), será às 14h. Eriberto Rafael convidou vereadores, assessores e público para participar da discussão das emendas uma por uma “para ver a discussão e por qual motivo ela foi aprovada ou rejeitada”. O teto legal da LOA é de 4,5%, ou seja, R$170.200 mi aplicados em investimentos na Câmara Municipal do Recife.

Alice Albuquerque, da editoria de Política

Hely Ferreira, professor e cientista político
Hely Ferreira, professor e cientista políticoFoto: Kleyvson Santos / Folha de Pernambuco

Por Hely Ferreira, cientista político

Na seara do Direito Penal é possível encontrarmos alguns tipos de arrependimento. Dentre eles, o arrependimento eficaz. O mesmo ocorre, quando o agente arrepender-se e busca evitar que o resultado aconteça. Entretanto, vale salientar que, o arrependimento deve ser voluntário. Não significa dizer que o mesmo tem que ser espontâneo.

Porém, se o fato foi consumado, significa que não poderá ocorrer o arrependimento
eficaz. Também existe o arrependimento posterior. Deixando de lado a expressão redundante, para que ocorra a redução da pena, a reparação deve ser “pessoal, completa e voluntária”, buscando abarcar todo o prejuízo que foi causado ao sujeito passivo do crime.

O ser humano é mesmo imprevisível. Capaz de ser solidário com seu semelhante em momentos em que as agruras estão tentando destruí-lo, e ao mesmo tempo, se comportar de tal forma que se chega a por em xeque a teoria aristotélica com relação a sua vivência natural em gregário. 

Infelizmente, muitos se escondem por trás de um pedido de desculpas, para destilar sua cólera com relação ao que não lhe afeiçoa. Há aqueles que sabem que não devem fazer ou falar algo, mas mesmo assim faz e depois, utiliza a desculpa como maneira de purgar o seu erro, mas no íntimo não está arrependido. Na verdade, o pedido de perdão não passa de objeto de retórica.

Não sei as vezes que ouvi a afirmativa de que se deve evitar fazer coisa errada, para depois não ter que pedir desculpas. Afinal, Carnelutti já disse em sua obra As Misérias do Processo penal, que Deus perdoa, mas a sociedade não. Até o Criador não
banaliza o perdão, basta aprender com a história de Esaú.

Hely Ferreira é cientista político.

O requerimento da audiência foi apresentado pelos deputados do Solidariedade Augusto Coutinho (PE) e Dr. Leonardo (MT)
O requerimento da audiência foi apresentado pelos deputados do Solidariedade Augusto Coutinho (PE) e Dr. Leonardo (MT)Foto: Divulgação

Na próxima segunda-feira (11), a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara (CSSF) receberá pesquisadores e representantes do governo para debater a existência de bactérias que podem ter contribuído para casos de microcefalia associados ao zika. O requerimento da audiência foi apresentado pelos deputados do Solidariedade Augusto Coutinho (PE) e Dr. Leonardo (MT), a partir de estudo de universidades brasileiras divulgado pela imprensa em setembro.

Em 2015, um surto de zika vírus no Brasil atingiu 144 mil pessoas – 12 mil delas estavam grávidas e mais de 3 mil crianças nasceram com malformação no cérebro. A pesquisa recente, realizada em conjunto pelo Instituto D’Or (IDOR), pela Fiocruz e pelas universidades federais do Rio de Janeiro (UFRJ) e Rural de Pernambuco (UFRPE), apontou que as malformações nos cérebros dos recém-nascidos podem ter sido agravadas por um problema de saneamento básico: uma bactéria encontrada nos reservatórios de água fornecida para a população.

Essa bactéria libera uma substância venenosa, a saxitoxina. No Nordeste, entre 2014 e 2018, metade das cidades a encontraram em seus reservatórios, muito mais que nas outras regiões. Mas a existência dela na água não é proibida, há um limite considerado seguro pelo Ministério da Saúde.

Nos testes em laboratório, os pesquisadores utilizaram uma dosagem da saxitoxina 200 vezes menor que o nível permitido. Eles constataram que a associação da toxina com o zika vírus acelerou a morte das células do cérebro. E, por causa disso, as malformações foram mais graves, como aconteceu no Nordeste, em 2015.

Impacto nordestino

Apesar de não ter tido o maior número de casos da doença, a região registrou, na época, 88,4% dos casos de microcefalia em bebês por conta do zika. “Só em Pernambuco, 458 crianças nasceram com essa malformação e nunca souberam responder por que lá teve mais casos, isso é grave”, argumenta Augusto Coutinho.

Coutinho destaca que o principal objetivo da audiência é alertar o governo federal. “O Ministério da Saúde precisa rever essa quantidade dita segura de cianobactérias na água fornecida à população e o tema precisa ser discutido, pois pode haver aí uma forma de evitar que mais bebês nasçam com microcefalia por causa da zika”, comenta.

Horário

A audiência pública está marcada para as 15h de segunda-feira, no plenário 7 da Câmara dos Deputados. Entre os convidados estão representantes da Anvisa, da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, da Universidade de São Paulo (USP), e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Também foram chamados os autores da pesquisa, professores Patricia Garcez e Stevens Rehen, da UFRJ/Instituto D’or, e Renato Molica, da UFRPE.

O encontro também será transmitido pelo portal edemocracia com possibilidade de participação do público: https://edemocracia.camara.leg.br/audiencias/sala/1396

Praia de Porto de Galinhas
Praia de Porto de GalinhasFoto: Arthur de Souza/Arquivo Folha de Pernambuco

O Governo de Pernambuco divulgou, nesta sexta-feira (8), o resultado das análises de água das praias atingidas por petróleo vindo do alto-mar. Foram examinadas amostras de 16 praias e todas foram consideradas próprias para o banho. Os estudos, realizados pela Agência Estadual de Meio Ambiente – CPRH em parceria com outras instituições, não detectaram presença de hidrocarbonetos, compostos orgânicos encontrados no petróleo e que, em grandes concentrações, podem causar danos à saúde.

Duas baterias de análises foram realizadas com amostras colhidas nos dias 24, 26 e 31 de outubro. Os laudos saíram simultaneamente. A pesquisa mais recente teve à frente o Instituto de Tecnologia de Pernambuco – Itep, que avaliou as amostras coletadas nos dias 26 e 31 de outubro no litoral dos municípios de São José da Coroa Grande (foz do Rio Persinunga), Tamandaré (Boca da Barra, Carneiros e Tamandaré), Ipojuca (Maracaípe e Muro Alto), Cabo de Santo Agostinho (Suape, Gaibu, Itapuama e Paiva), Jaboatão dos Guararapes (Barra de Jangada), Paulista (Janga e Pau Amarelo), Goiana (Itapessoca) e Ilha de Itamaracá (Jaguaribe e Forte Orange).

O estudo envolveu a análise de 21 compostos da cadeia de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (tidos como HPAs) e o grupo conhecido por BTEX (Benzeno, Tolueno, Etilbenzeno e Xileno). O Itep avaliou todo este conjunto de substâncias para as amostras de águas colhidas no dia 31 e apenas do grupo BTEX para o material recolhido no dia 26. Em ambos os casos, os níveis desses compostos são tão baixos que os equipamentos não conseguiram detectar. Isso se deve a dois fatores: tempo de exposição do material no ambiente e a hidrodinâmica das marés.

Já os pesquisadores do laboratório da OrganoMAR (UFPE) avaliaram as amostras colhidas no dia 24 de outubro, fazendo o diagnóstico específico para o grupo de HPAs.

Duas baterias de análises foram realizadas com amostras colhidas nos dias 24, 26 e 31 de outubro

Duas baterias de análises foram realizadas com amostras colhidas nos dias 24, 26 e 31 de outubro - Crédito: Divulgação

Ação faz parte da estratégia de descentralização da segurança pública em todo o Estado
Ação faz parte da estratégia de descentralização da segurança pública em todo o EstadoFoto: Hélia Scheppa/SEI

Mais reforço na segurança da Região Metropolitana Norte do Estado. O governador Paulo Câmara inaugurou, nesta sexta-feira (08/11), a sede própria do 26º Batalhão da Polícia Militar de Pernambuco (26º BPM), no município de Itapissuma. O Batalhão, que já estava ativo desde o ano passado, utilizava a sede do 17º BPM, no Paulista. O efetivo, no entanto, já reforçava o trabalho de prevenção e combate aos crimes no Litoral Norte, com foco nos municípios de Itapissuma, Igarassu, Itamaracá e Araçoiaba.

O governador destacou a importância dessa iniciativa no município. “Um caminho importante e um passo fundamental para melhorar a segurança e ajudar a diminuir cada vez mais a violência em Pernambuco. É importante também fazer novas estruturas, como estamos fazendo com o 26º batalhão, que já estava funcionando, mas precisava de sua sede para dar mais agilidade e para poder responder, de maneira muito mais eficaz. Já são 23 meses de redução no número de homicídios, o que mostra, claramente, que Pernambuco está no caminho certo e que nós vamos restabelecer a paz”, afirmou.

Segundo o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, o serviço a ser prestado pela Polícia Militar na área através desse novo batalhão está dentro do compromisso do Pacto pela Vida, e a decisão foi tomada após um estudo. “O 26º batalhão é fruto de um grande planejamento realizado pelo Pacto Pela Vida. A ideia, dentro dessa política de visão do pacto, é atender uma demanda específica e dividir os esforços. Paulista vai continuar com o 17º batalhão atuando no município e, além dele, em Abreu e Lima. E o 26º atenderá esses quatro outros municípios, a partir de Itapissuma”, explicou Pádua.

Situado na Rua Barão de Itapissuma, bairro do Grêmio, a sede do 26º BPM foi erguida em uma parceria com a Prefeitura de Itapissuma. Em sua estrutura, dispõe de alojamentos, áreas administrativas, sala de planejamento, armaria e Central de Operações da PM (Copom). Além disso, conta com um efetivo de cerca de 300 policiais militares e uma frota de 49 viaturas, sendo 20 motocicletas, sob o comando do tenente-coronel Ivson Amílcar. Com uma população estimada em mais de 190 mil habitantes, a região tem vivenciado um aumento de moradores com a chegada de novas indústrias, sem contar a população flutuante, nos períodos de veraneios. A área conta, ainda, com quatro importantes unidades prisionais.

Estiveram presentes à solenidade Eriberto Medeiros, presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco; Zé de Irmã Teca, prefeito de Itapissuma; Joamy Alves, prefeito de Araçoiaba; Mário Ricardo, prefeito de Igarassu; Tato, prefeito de Itamaracá; Eleonilda de Santana, vice-prefeita de Itapissuma; coronel Carlos José, secretário-chefe da Casa Militar; os deputados estaduais Joel da Harpa e Antônio Fernando; coronel Vanildo Maranhão, comandante geral da Polícia Militar de Pernambuco.

NOVAS ESTRUTURAS – O 26º Batalhão da Polícia Militar faz parte de um pacote de ações do Governo de Pernambuco para descentralizar e fortalecer a atuação da segurança pública em todo o Estado. Assinado em dezembro de 2017, pelo governador Paulo Câmara, os decretos garantiram a criação de novas unidades para o Corpo de Bombeiros e para as polícias Militar, Civil e Científica. Desde então, foram instaladas nove Delegacias de Repressão ao Narcotráfico (Denarcs), nos municípios do Cabo de Santo Agostinho, Goiana, Vitória, Garanhuns, Arcoverde, Serra Talhada, Ouricuri, Petrolina, Caruaru. Também foram inauguradas Delegacias da Mulher de Afogados da Ingazeira, no Sertão, e do Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife.

Além disso, novas Unidades Regionais de Polícia Científica foram erguidas em Afogados da Ingazeira, Arcoverde, Ouricuri e Salgueiro (que atendem diferentes regiões do Sertão); Garanhuns (Agreste); Palmares (Zona da Mata Sul) e Nazaré da Mata (Zona da Mata Norte), abrangendo os respectivos municípios circunvizinhos.

O Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco (CBMPE) também descentralizou seus atendimentos à população, com a inauguração do 7º Grupamento dos Bombeiros, em Carpina; e do 8º Grupamento, em Surubim. Também entregou à população novas seções do Corpo de Bombeiros em Pesqueira, Bonito, Toritama, São José do Egito, São José do Belmonte e Santa Maria da Boa Vista. Já a Polícia Militar foi reforçada com a 11ª Companhia Independente da Polícia Militar (11ªCIPM), de Lajedo; a 10ª CIPM, de Tamandaré; a 9ª CIPM, em Araripina; além do 1º e 2º Batalhões Integrados Especializados (BIESP), em Caruaru e Petrolina, respectivamente.

Situado na Rua Barão de Itapissuma, bairro do Grêmio, a sede do 26º BPM foi erguida em uma parceria com a Prefeitura de Itapissuma

Situado na Rua Barão de Itapissuma, bairro do Grêmio, a sede do 26º BPM foi erguida em uma parceria com a Prefeitura de Itapissuma - Crédito: Hélia Scheppa/SEI

Líder do PSC na Câmara Federal, André Ferreira, em entrevista à Rádio Folha
Líder do PSC na Câmara Federal, André Ferreira, em entrevista à Rádio FolhaFoto: Arthur de Souza / Folha de Pernambuco

Um dia após a decisão do STF de negar a possibilidade de prisão após julgamento em segunda instância, revendo entendimento tomado pela Corte em 2018, o líder do PSC na Câmara Federal, André Ferreira, comentou sobre as consequências desse julgado para a política brasileira. Segundo o parlamentar, o julgamento evidenciou o "cabo de guerra" travado entre o Supremo e o Congresso e teve a prisão de Lula como fator fundamental para o resultado.

"O maior foco dessa discussao é Lula. Se Lula não tivesse preso, a votação seria diferente", avaliou o deputado. "Na minha avliação pessoal, sou contra o que foi decidido ontem. Agora sabemeos que a decisão muda muito de acordo com a composição do colegiado de ministros", ponderou o parlamentar. "Eles são defensores da Constituição e a gente tem agora que obedecer", disse.

Contudo, é esperada uma reação do Congresso que deve pautar uma alteração na Lei. O próprio André Ferreira disse que o assunto virá à tona na próxima semana na reunião dos líderes com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM). "É mais uma pauta importante no Congresso. Os ministros do Supremo tem legislado e interferido. Agora joga para o Congresso para dizer que os deputados vão resolver. Acho que o Congresso está com muitas pautas importantes para o Brasil e pautas polêmicas também", disse.

André criticou a interferência da Suprema Corte em matérias legislativas. "O judiciário tem intervido muito dentro do Congresso, às vezes até em matérias eleitorais. O voto ontem do Dias Tofoli quis justificar a decisão dele jogando a batata quente para o Congresso. É muito mais fácil jogar a bronca para os deputados, que estão muito desgastados junto à população", afirmou.

Lula e eleições municipais

Com a iminente soltura do ex-presidente Lula, preso desde abril de 2018 em Curitiba, André Ferreira prevê que as eleições municipais servirão para testar a sua popularidade. "A gente respeita muito o ex-presidente Lula. Fez muita coisa para Pernambuco. Lula na cadeia era um mito. Então é importante, o povo tem que decidir se quer Lula ou Bolsonaro. Se a decisao está dada vamos colocar ele na rua e o povo vai decidir", disse.

Ouça a entrevista completa:

Para Diogo Moraes (E), a educação é uma área prioritária de seu mandato. Frederico Amâncio falou sobre futuras ações da secretaria
Para Diogo Moraes (E), a educação é uma área prioritária de seu mandato. Frederico Amâncio falou sobre futuras ações da secretariaFoto: Divulgação

Nesta quinta-feira (7), o deputado Diogo Moraes, vice-líder do governo na Alepe, esteve reunido com o secretário de Educação de Pernambuco Frederico Amâncio. Na ocasião, o parlamentar apresentou demandas de seu mandato relacionadas a pasta, a exemplo da implantação de uma unidade de Escola de Referência no município de Santa Cruz do Capibaribe. Além disso, também conversaram sobre as futuras ações da Secretaria e a possibilidade da destinação de emendas parlamentares para reforçar os recursos da Educação pernambucana.

Para Diogo Moraes, a educação é uma área prioritária de seu mandato. “Já pedi notas técnicas para analisar e destinar nossas próximas emendas. Solicitei que seja incluída na programação da pasta a construção de uma nova Escola de Referência em Ensino Médio em Santa Cruz, que é uma cidade pujante e tem demanda de ampliação da rede de ensino médio. Também falei sobre a necessidade de investir em cursos técnicos na área têxtil e tecnológica”, afirmou Diogo.

Ainda tratando do Agreste, o parlamentar reforçou seu pedido de reforma e cobertura da quadra poliesportiva da Escola André Cordeiro. Segundo o secretário, a ação será realizada em breve. Aproveitando a audiência com Amancio, Moraes tratou ainda de pedidos para o Sertão pernambucano, entre as cidades, Iguaracy e Sertânia. “Solicitei a inclusão de Iguaracy e Sertânia no programa de Educação Integral do Ensino Fundamental. Também falei da situação da EREM Rosete Bezerra de Souza, em Iguaracy, que possui 197 alunos mas terá 200 matrículas em 2020, necessitando de ampliação e construção de novas salas e laboratórios para acompanhar a nova demanda”, acrescentou o deputado. Diogo reforçou ainda a necessidade da reforma e instalação de cobertura das quadras das Escolas Estaduais Amaro Lafayete e Professor Jorge de Menezes.

Frente Parlamentar - O deputado também aproveitou a reunião para convidar Frederico Amâncio e sua equipe técnica para a 2ª Audiência Pública da Frente Parlamentar de Combate à Automutilação e ao Suicídio, a ser realizada na Alepe no dia 27 de novembro. “O secretário está atento à temática no âmbito educacional, por isso, muito engajado em ajudar de todas as formas na Frente Parlamentar”, frisou Diogo.

Marcelo Carneiro Leão é docente do Departamento de Química e vice-reitor da atual gestão
Marcelo Carneiro Leão é docente do Departamento de Química e vice-reitor da atual gestãoFoto: Divulgação

Com 83,5% dos votos válidos, os professores Marcelo Carneiro Leão e Gabriel Rivas, que formavam a chapa De Mãos Dadas pela UFRPE, foram os primeiros colocados na eleição para os cargos de reitor e vice-reitor da universidade, para o próximo quadriênio (2020/2024), embora ainda falte a apuração de pouco mais de 200 votos da Unidade Acadêmica de Garanhuns (UAG), para fechar a totalidade.

A eleição foi realizada nesta quarta (6) e quinta (7) nos quatro campi, no Colégio Agrícola (Codai) e nos 12 polos Educação à Distância (EàD), localizados em Pernambuco e na Bahia. A apuração começou por volta das 22h desta quinta (7), na sede da Aduferpe, e foi concluída às 6h15 desta sexta (8).

A chapa vencedora obteve 5.652 votos entre os estudantes, 502 dos docentes e 432 dos técnicos administrativos, liderando nos três segmentos da eleição. A chapa Muda Rural, formada pela professora Mônica Folena e pelo professor José Luiz Sandes, recebeu 870 votos dos estudantes, 150 dos docentes e 100 votos dos técnicos. Ela recebeu até o momento 18,9% dos votos.

A eleição para Reitoria da UFRPE 2019, organizada pela primeira vez pela Associação dos Docentes da UFRPE (Aduferpe) e pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE), foi a maior já realizada na Rural, com mais de 8 mil votantes comparecendo as 57 urnas. O pleito foi paritário, ou seja, os votos dos três segmentos tiveram o mesmo peso.

O resultado deverá ser homologado no dia 14. No dia 28 de novembro o Conselho Eleitoral se reúne para definir a lista tríplice que será enviada ao presidente da República.

Ao final da apuração, a presidenta da Aduferpe, prof. Erika Suruagy, ressaltou a importância do processo para o fortalecimento da democracia interna da UFRPE e que o reitor eleito seja o reitor empossado. “Esse é o desejo da comunidade da UFRPE”, afirmou.

CURRÍCULOS

Marcelo Carneiro Leão é docente do Departamento de Química e vice-reitor da atual gestão. É graduado em Licenciatura em Química (UFRPE), mestre e doutor em Química Computacional (UFPE), pós-doutorado em uso das tecnologias de informação e comunicação do ensino de ciência (Universitat de Barcelona).

Gabriel Rivas leciona no Departamento de Estatística da Rural. É graduado em Estatística pela Unicap e Engenharia Agronômica pela (UFRPE), mestre em Matemática pela (UFPE) e doutor em Biometria e Estatística Aplicada (UFRPE).

assuntos

comece o dia bem informado: