Foram encontrados 210 resultados para "Janeiro 2018":

Homenagem a Túlio Gadêlha aconteceu no restaurante Curió
Homenagem a Túlio Gadêlha aconteceu no restaurante CurióFoto: divulgação

Depois de ser exonerado, na última sexta-feira, do cargo de presidente do Instituto de Terras e Reforma Agrária do Estado de Pernambuco (Iterpe), Túlio Gadêlha foi ao órgão, nesta terça (23), acompanhado da sua namorada, a apresentadora global Fátima Bernardes. Na ocasião, recebeu uma homenagem da equipe do instituto e de agricultores ligados às associações rurais.

Para receber Túlio, os funcionários do Iterpe prepararam uma faixa de agradecimento, que foi instalada no restaurante Curió, localizado perto do Iterpe, dentro do Parque de Exposições do Cordeiro. “Sua contribuição fez a diferença para reacender a esperança em acreditar que um tempo melhor é possível. Só queremos agradecer!”, dizia a faixa.

A homenagem que durou cerca de uma hora, aconteceu por volta de 12h. No mesmo horário, o governador Paulo Câmara recebeu o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o presidente do PDT (partido ao qual Túlio Gadêlha é filiado), Carlos Lupi, para um almoço no Palácio do Campo das Princesas. Na ocasião, falaram sobre possíveis alianças na eleição presidencial deste ano. Mas, segundo Lupi, a demissão de Túlio não foi tratada. “Nem tocamos neste assunto. Já indicaram outro nome para o cargo. Foi uma decisão administrativa do governador”, garantiu Lupi.

Leia também
Ciro Gomes pede apoio de Paulo Câmara à sua candidatura
Túlio Gadêlha desabafa sobre sua demissão
Pressão de deputados causou demissão de Túlio Gadêlha


Túlio Gadêlha foi demitido por telefone após forte pressão dos deputados da base aliada do governo. Em viagem à Petrolina, na última semana, ele fez alguns anúncios e não convocou lideranças políticas que possuem votos na região. Em seguida, um grupo de deputados foi ao governador pedir a cabeça dele. “Os servidores gostaram muito do jeito dele, da forma como se apresentou. Ele gosta de ouvir e já chegou questionando a diferença de salário entre os servidores. Também quis aumentar o valor das diárias, que não dão para pagar as viagens que a gente faz. Então em pouco tempo, já fez muito mais do que muitos outros que já passaram por lá. Por isso a homenagem”, afirmou um servidor do Iterpe, que não quis se identificar.

Fàtima Bernardes, por sua vez, também aproveitou sua visita ao Recife para conhecer o Paço do Frevo, no Centro.

Manifestação Vem pra Rua
Manifestação Vem pra RuaFoto: Anderson Stevens / Folha de Pernambuco

Um grupo de manifestantes interditou, no início da noite desta terça-feira (23), a avenida Boa Viagem, no bairro de mesmo nome, Zona Sul do Recife. Organizada pelo movimento Vem pra Rua, o protesto aconteceu em favor da prisão do ex-presidente Lula (PT), que deve ser julgado nesta quarta-feira (24) no TRF-4, em Porto Alegre (RS), por corrupção passiva. "A nossa bandeira jamais será vermelha", foi um dos gritos de ordem. O trânsito do local foi desviado por agentes da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU). Clique aqui e confira galeria de fotos.

Leia também:
Militantes fazem vigília em defesa de Lula
Rio terá de carreata a telão em atos para julgamento de Lula
Lula decide promover ato em Porto Alegre na véspera do julgamento
Movimentos sociais fecham rodovias de Pernambuco contra o julgamento de Lula
No RS, Jaques Wagner diz que não teria 'tesão' de substituir Lula na eleição


Na altura no Segundo Jardim, foi possível observar o enorme boneco inflável erguido diante dos cerca de 200 manifestantes. Sempre presente nas mobilizações contra o Partido dos Trabalhadores (PT), o personagem, chamado de "Pixuleco", representa o ex-presidente com roupa de presidiário. Em apoio, as pessoas vestiam camisas verde e amarelo, em referência às cores da bandeiras do Brasil, e usaaram apitos e buzinas.

Ainda foi possível ver dentro de uma jaula armada sobre a caçamba de um caminhão, uma família de sete pessoas vestidas com roupas de presidiários e uma máscara do ex-presidente Lula. Entre buzinas e apitos, os manifestantes cantaram o Hino Nacional e tremularam a bandeira.

Líder da bancada do PSB na Câmara federal, deputado federal Tadeu Alencar (PSB)
Líder da bancada do PSB na Câmara federal, deputado federal Tadeu Alencar (PSB)Foto: Chico Oliveira/Divulgação

Para o deputado federal Tadeu Alencar (PSB), o fato do Governo Temer não ter liberado os R$ 2 bilhões prometidos aos municípios brasileiros revela a falta de confiança do Palácio do Planalto em aprovar a Reforma da Previdência. Ainda no final do ano passado, o socialista afirmou que seria infrutífera a tentativa do Governo Federal em estimular os gestores municipais a pressionar os parlamentares pela aprovação da reforma.

“Ficou claro o objetivo do Governo Temer em barganhar o apoio dos prefeitos com a promessa de recursos, mesmo sem previsão orçamentária. Como os cálculos diários feitos pelo Palácio do Planalto mostram que a reforma não passará na Câmara, o governo joga para frente a ajuda aos municípios, usa como moeda de troca”, afirma.

Ainda de acordo com Tadeu, o Governo Temer tem usado das práticas da barganha e do rolo compressor em vários momentos, seja na votação das denúncias contra o Presidente, seja na aprovação da reforma trabalhista. “Um governo que não dialoga e que tenta impor projetos que terão impacto profundo sobre a vida da população, não merece a confiança desta mesma população. Daí a rejeição recorde ao Governo Temer, de mais de 90%. Os prefeitos brasileiros não vão apoiar medidas que agridem a cidadania e nas quais a sociedade não se reconhece”, aponta.

Para Tadeu, se pretende verdadeiramente ajudar as cidades, o Governo deveria observar a agenda municipalista, encaminhando medidas que deem sustentabilidade aos cofres municipais, como a implementação de um novo Pacto Federativo. "A maioria das cidades está em situação pré-falimentar, porque têm recebido cada vez menos recursos, mesmo com o crescimento das demandas em áreas como saúde e educação", conclui.

Luciano Siqueira, do PCdoB, é vice-prefeito do Recife
Luciano Siqueira, do PCdoB, é vice-prefeito do RecifeFoto: Folha de Pernambuco

Luciano Siqueira *

Em apenas quatro décadas — pequeno lapso na história de uma nação —, o Brasil viveu o apogeu da superação do regime militar, os transtornos de dois impedimentos de presidentes democraticamente eleitos, um breve período de relativa expansão econômica e de largo espectro de conquistas sociais, até afundar no golpe institucional que permitiu a assunção de Michel temer e seu grupo ao governo central.

Avanços e recuos intensos, próprios das democracias instáveis da América do Sul.

Agora, convergem elementos os mais diversos de uma crise de múltiplas faces — econômica, financeira, social, política e institucional.

O governo repete a cantilena de que a economia se recupera via ajuste fiscal, como se fosse possível retomar o crescimento sem pesados investimentos públicos em infraestrutura.

As salvaguardas da soberania nacional se esgarçam na esteira de uma agenda neocolonialista que Temer executa a serviço do Mercado e dos interesses externos.

Direitos fundamentais dos que vivem do trabalho são subtraídos.

Um mínimo de compostura falta a quem governa o país, a ponto de uma simples nomeação do ministro do Trabalho se converter em exposição pública da degradação do poder central. Cristiane Brasil, deputada escolhida para o cargo através de acordo com o PTB, carrega nas costas duas condenações por crimes trabalhistas e sua posse aguarda penosamente a autorização do Judiciário!

E esse fato se faz mais um dos motes quase cotidianos de entrechoque entre o Judiciário, o Executivo e Legislativo.

E não há perspectiva imediata de mudança de rumos.

Mas pode haver, desde que dois fatores ocupem espaço na cena: a construção de uma plataforma unitária das forças que se opõem à ordem vigente; e a presença crescente do povo nas ruas.

Isto em contraponto aos que governam mediante maioria parlamentar alimentada pelo mais reles fisiologismo, o apoio do Mercado e da mídia monopolizada.

A unidade oposicionista desejada — plural, ampla — requer uma engenharia política assentada na maturidade, na capacidade de convivência com as diferenças e no descortino político e técnico, capazes de produzir uma alternativa à crise consistente, viável e compreensível pela maioria da população.

A voz das ruas, o outro fator decisivo, há se fazer ouvir altiva e influente na medida em que ultrapasse os limites do corporativismo e contemple os destinos da nação em primeiro lugar.

* Luciano Siqueira (PCdoB) é vice-prefeito do Recife

Vigília é realizada na Praça Tiradentes, no bairro do Recife
Vigília é realizada na Praça Tiradentes, no bairro do RecifeFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Na véspera do julgamento do ex-presidente Lula na segunda instância da Justiça, militantes sindicais e lideranças políticas deram início à vigília em defesa do petista. Pelo menos sete cidades do estado realizaram atos político-culturais, que devem se estender até esta quarta-feira (24), quando o Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4) selará o destino do ex-presidente. No Recife, a manifestação começou por volta das 15h e reuniu centenas de pessoas.

Portando bandeiras, cartazes e camisas com frases de apoio a Lula, centenas de militantes que se deslocaram das regiões da Mata Sul e Norte se concentraram na Praça Tiradentes, no bairro do Recife, desde o início da tarde. No local, tendas com comidas e barracas de acamamento dividiam espaço com carros de som.

Espalhados pela praça, militantes trocavam suas últimas impressões sobre o julgamento de Lula e se questionavam sobre a neutralidade da Justiça. “Vim de Salgadinho para apoiar Lula. Ele deu o Bolsa Família para a gente e se ele não ganhar a gente vai pedir esmola. Isso que estão fazendo é para discriminar ele. Pois a gente vai votar nele e se Deus quiser Lula vai vencer. Ele vai dar um bocado de coisas para a gente de novo. Jesus vai dar essa alegria para a gente”, colocou a aposentada Maria Lúcia, de 76 anos.

Leia também
Movimentos sociais fecham rodovias de Pernambuco contra o julgamento de Lula
Em ato em Porto Alegre, Dilma diz que Lula 'não é um radical'
Acusado de receber propina da OAS, Lula será julgado em 2ª instância


Abordado diversas vezes pela militância petista para contar sobre suas expectativas em torno do julgamento, o presidente do partido em Pernambuco, Bruno Ribeiro, se disse confiante com relação à decisão dos desembargadores. “Esperamos que o TRF4 faça justiça e absolva Lula, que é inocente dessas acusações manipuladas em um processo cheio de imperfeições, conduzido pelo juiz Sergio Moro”, colocou.

Para o presidente da CUT-PE, Carlos Veras, a mobilização em defesa do petista não se encerra após o julgamento, independente do seu resultado. “Queiram ou não queiram os juízes, teremos Lula como candidato e vamos até as últimas consequências para que isso aconteça. Se ele for condenado, intensificaremos os atos de rua e as mobilizações. Esse é um processo de perseguição e de criminalização. Aí é que vamos aumentar a pressão. Não vamos arredar o pé. Lula vai ganhar a eleição e vai reconstruir esse Brasil”, destacou.

Também foram realizados atos nos municípios de Serra Talhada, Garanhuns, Caruaru, Afogados da Ingazeira, Ouricuri, Petrolândia e Petrolina. As manifestações estão sendo convocadas por movimentos como a Frente Brasil Povo Sem Medo, MST, CUT e Fetape.

Nesta quarta (24), por volta das 7h, o grupo que estará de vigília fará um café da manhã. No mesmo horário, terá início a sessão no tribunal, em Porto Alegre.” Vamos ter um telão para acompanhar tudo. Estamos mobilizados para pedir justiça”, afirmou Ribeiro.

Paulo Câmara e Ciro almoçaram juntos no Palácio do Campo das Princesas
Paulo Câmara e Ciro almoçaram juntos no Palácio do Campo das PrincesasFoto: Daniel Leite/Blog da Folha

Em almoço com o governador Paulo Câmara (PSB), realizado no Palácio do Campos das Princesas, nesta terça-feira (23), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) pediu apoio para construção de sua candidatura presidencial, neste ano. Na primeira visita do ano a governadores, o pedetista fez um apelo para que o socialista possa ajuda-lo “a montar uma alternativa para o Brasil”. Animado com o encontro, Paulo Câmara destacou que o presidenciável está preparado para o desafio e que irá fazer questão de debater sobra a possível aliança com as instâncias nacionais do seu partido.

“Conversamos sobre todas as questões de Pernambuco, do Nordeste e do Brasil, na medida em que temos muitas afinidades. Evidentemente que Paulo tem suas responsabilidades e eu apenas renovo a ele o apelo para que ele possa me ajudar a montar uma alternativa para o país”, colocou Ciro Gomes, ao final do encontro.

Mas, questionado sobre a resposta de Paulo Câmara ao seu apelo, se limitou a dizer que o socialista “ouviou com muito carinho”. “Não é hora de avançar. O PSB está em um processo bastante interessante de refundação, de se reconciliar com seus valores históricos. É um partido que tem 70 anos e tem larga folha de serviços prestados ao Brasil (...) Eles estão conversando. É preciso ter paciência. Tenho toda paciência do mundo. Mas disse a ele aquilo que sempre digo. Se o PSB se unir ao PDT, nós damos ao pensamento progressista brasileiro uma alternativa muito generosa para o futuro do País”, disse o pedetista.

Leia também
Ciro Gomes à mesa com Paulo Câmara e Siqueira

Por sua vez, Paulo ressaltou que “tanto o PDT quanto o PSB temos muito mais convergências do que divergências”. “Saio muito animado porque o PSB com certeza vai procurar seu caminho dentro de valores, muitos dos quais Ciro defende com muita propriedade. “Vou levar isso para a nacional. Também sou vice-presidente do PSB e temos um congresso em março para definir as diretrizes de 2018. Mas já está muito bem plantado no PSB que vamos caminhar com partidos de centro esquerda que recupere o Brasil”, afirmou o governador.

Pernambuco
No almoço, segundo o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, os dois chegaram a debater sobre a possibilidade de o PSB apoiar a candidatura do ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz, para o Senado. A aliança, neste caso, entraria no bojo da negociação em torno do apoio do PSB ao projeto majoritário de Ciro Gomes. Mas, de acordo com ele, a questão só deve ser resolvida no mês de julho, quando serão definidas as chapas.

Carlos Siqueira
Carlos SiqueiraFoto: Arquivo PSB

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) divulgou, nesta terça-feira (23), uma nota sobre o julgamento do ex-presidente Lula. Confira o texto na íntegra.

"O Partido Socialista Brasileiro – PSB, como todas as demais forças políticas instituídas do País, vem sendo chamado a se manifestar sobre o julgamento do ex-presidente Lula, que ocorrerá no próximo dia 24/01.

Nesse contexto, há dois elementos que merecem destaque. Em primeiro lugar, verifica-se certa atipicidade na velocidade com que tramitou o processo em segunda instância.

Quanto a esse aspecto, notamos que a rapidez da Justiça é um direito que assiste a toda a população, mas superar, no caso específico, a morosidade habitual, terminou por criar um fato político.

Em segundo lugar, considera-se que o tribunal político mais adequado em uma democracia é o voto popular, em eleições livres — avaliação essa que é comum, no presente caso, à maioria das forças políticas responsáveis, independentemente de seu espectro ideológico.

Cabe observar, ainda, que uma solução política, por meio das urnas, que se viabilize respeitando de modo estrito a legalidade, é condição necessária para que o País supere a crise política que vivencia há pelo menos três anos.

Brasília-DF, 23 de janeiro de 2018.

CARLOS SIQUEIRA
Presidente Nacional do Partido Socialista Brasileiro – PSB"

Ciro Gomes
Ciro GomesFoto: Reprodução

O presidenciável e ex-ministro Ciro Gomes (PDT) desembarca, nesta terça-feira (23), no Recife, para uma conversa com governador Paulo Câmara (PSB). O encontro será um almoço, ao meio-dia, no Palácio das Princesas. Sem dar maiores detalhes, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou que os dois vão discutir questões da política nacional e local.

Questionado sobre se o motivo da conversa envolve o pedido de apoio à candidatura de Ciro, ele disse que o assunto já foi debatido e que continuará a ser. "É apenas uma conversa com o governador. Já conversamos sobre isso e vamos continuar conversando", repetiu o pedetista. Depois do encontro, Ciro não terá nenhuma outra agenda política ou partidária.

Segundo o deputado federal e presidente estadual da sigla, Wolney Queiroz (PDT), a reunião estava marcada desde o primeiro semestre do ano passado. "Ele também não vai fazer uma visita à universidade, que ele tinha interesse em fazer. Ele virá uma outra vez a Pernambuco para fazer essa agenda com imprensa, com o partido e a universidade. Ele deseja um encontro com universidade, com a juventude, mas vai ficar para outra vez", explicou Wolney para acrescentar que se trata apenas de uma visita de cortesia ao governador.
O almoço de Ciro Gomes com Paulo Câmara pegou a todos de surpresa. A visita ao estado era esperada para o fim de semana, no entanto, ela foi antecipada. O PSB já conversou com o ex-ministro no passado. A discussão faz parte de uma decisão da Executiva Nacional socialista de dialogar e marchar com partidos de centro-esquerda. 

O desembargador Julio Oliveira
O desembargador Julio OliveiraFoto: Divulgação

Na primeira sessão de 2018, nesta segunda-feira (22/01), o pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) desaprovou, por unanimidade, a prestação de contas dos diretórios estaduais do Partido dos Trabalhadores (PT) e do Partido Social Liberal (PSL). As duas legendas ficarão um mês sem receber recursos do fundo partidário.

Ambos os processos foram relatados pelo desembargador eleitoral Júlio de Oliveira Neto e se referem às eleições de 2016. Tanto o Ministério Público Eleitoral (MPE) quanto a Secretaria de Controle Interno (SCI) do TRE-PE emitiram pareceres pelas desaprovações.

Em relação à prestação de contas do PT, o voto do desembargador Júlio Oliveira informa que houve diversas falhas na documentação apresentada pelo partido. "Duas das falhas detectadas (descumprimento quanto à entrega dos relatórios financeiros de campanha no prazo estabelecido pela legislação eleitoral e a omissão de 81 transferências diretas efetuadas a outros prestadores de contas, mas não registradas), por terem valores relevantes em seu conjunto (R$ 400.000,00 e R$ 26.038,12, respectivamente) comprometem boa parte da movimentação financeira total declarada no extrato de prestação de contas final", cita o relatório. A receita declarada foi de R$ 1.910.318,06 e a despesa, de R$ 1.941.708,06).

Auditorias técnicas também constataram que o partido direcionou aproximadamente 0,11% a campanhas femininas, infringindo o disposto no Art. 17, § 4º, da Resolução/TSE n.º 23.463/2015. A legislação determinada que campanhas femininas recebam, no mínimo, 5% dos recursos do fundo partidário.

Já em se tratando do PSL, o voto do desembargador também apontou deversas falhas. O partido, mais de uma vez, foi intimado a corrigir as irregularidades, mas não o fez. A prestação de contas do diretório estadual do Partido Popular Socialista (PPS), referente às eleições de 2016, também foi julgada nesta segunda-feira. O voto do relator, desembargador Agenor Ferreira de Lima Filho, defendeu a aprovação com ressalvas e foi acompanhado pela Corte.

Roberto Asfora assinou sua ficha de filiação ao PSC
Roberto Asfora assinou sua ficha de filiação ao PSCFoto: divulgação

Disposto a se candidatar ao Senado, neste ano, o presidente estadual do PSC, deputado estadual André Ferreira, trabalhar para fortalecer a sua chapa. Nesta segunda-feira (22), abonou a ficha de filiação do ex-prefeito de Brejo da Madre de Deus, Roberto Asfora, que veio ao Recife acompanhado do vereador Roberto Filho.

Após três mandatos à frente do município, o nome de Asfora é cotado para disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. O partido também planeja eleger o ex-deputado estadual Manoel Ferreira, pai de André, para o oitavo mandato. Ao todo, a sigla pretende garantir quatro vagas na Casa.

“A filiação de Roberto Asfora reforça a nossa chapa em uma região muito importante para o Estado, que é o Agreste. É mais um passo para ampliar a participação do PSC na política”, avaliou André Ferreira.

Assim como nas suas gestões em Brejo da Madre de Deus, Roberto Asfora terá na segurança a sua principal bandeira. Nos seus mandatos no Executivo, ele criou a guarda municipal, que equipou com carros e motos. Por duas vezes, entre 2006 e 2008, foi eleito prefeito amigo da criança pelo Unicef.

“Vou defender as bandeiras da região na Assembleia Legislativa, assim como debaterei a questão da segurança e da infância. Serei a voz do Agreste na Casa de Joaquim Nabuco”, afirmou Asfora, que assumirá a vice-presidência estadual do PSC.

assuntos

comece o dia bem informado: