Foram encontrados 176 resultados para "Dezembro 2017":

Paulo Rabello de Castro será recebido por André Ferreira
Paulo Rabello de Castro será recebido por André FerreiraFoto: Divulgação

Colocado como pré-candidato à sucessão do presidente Michel Temer pelo PSC, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, cumpre agenda no Recife nesta quinta-feira (21)com o deputado estadual André Ferreira. A visita, neste caso, representa o primeiro grande passo do parlamentar para consolidação de sua candidatura ao Senado, no ano que vem.

Pela manhã, Paulo Rabello participará de um seminário promovido pelo LIDE-PE, sobre a econômica brasileira. Gestor do maior banco de fomento da América Latina, que assumiu no início de junho, ele também visitará a sede da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Em seguida, participa de um almoço em um restaurante da Zona Sul.

Economista e advogado, com doutorado em Economia na Universidade de Chicago, Rabello de Castro, ao assumir o cargo, afirmou que o Brasil “está mais para psicanálise do que para análise econômica”.

“O desafio de assumir o BNDES é realmente um abacaxi. Mas um abacaxi que a gente vai descascar, porque é um banco grandioso, que tem uma contribuição enorme para a história econômica recente do Brasil. Hoje ele sofre de uma perda de identidade, de entusiasmo, para além dos problemas de ter destinado recursos para a JBS ou para Odebrecht, que até bem pouco tempo eram as maiores e melhores empresas do Brasil”, afirmou o economista ao assumir o banco, prometendo colocar o “BNDES nos 220 volts”.

Filiação
Em 18 de novembro, Paulo Rabello de Castro se filou ao PSC, durante um evento em Salvador. Na ocasião, foi aclamado pelos militantes como pré-candidato do partido à Presidência da República. Dono de posições fortes, ao discursar no ato, ele afirmou que “está chegando ao fim o domínio “das elites endinheiradas do Brasil”. “O povo quer transformação. Quando a elite coloca as cartas na mesa, elas são de corrupção”, pontou.

No entanto, ele não informou ao presidente Michel Temer do ato e por pouco não foi demitido do cargo. Aliados do peemedebistas cobraram o afastamento do presidente do BNDES por ele ter “queimado a largada”.

Aos 68 anos, Paulo Rabello de Castro sempre teve proximidade com a política. Se dizendo “avesso a tró-ló-ló”, ele foi o mentor econômico do PFL. Passou pelo Partido Novo até se filiar ao PSC. No Estado também se reunião com o presidente estadual da sigla, o deputado estadual e pré-candidato ao Senado André Ferreira.

Ex-presidente do Lide Economia, Paulo Rebello coordenou até junho de 2016 o Movimento Brasil Eficiente. Em julho de 2016, assumiu a presidência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), onde ficou até ser nomeado presidente do BNDES em junho de 2017.

Comissão de Justiça da Alepe
Comissão de Justiça da AlepeFoto: Lourival Maia/Alepe

Presidente da Comissão de Constituição, Legislação e Justiça da Assembleia Legislativa (CCLJ), o deputado estadual Waldemar Borges (PSB) fez um balanço dos trabalhos do ano, durante a última reunião de 2017 do colegiado. Segundo o socialista, em 43 reuniões realizadas, foram distribuídos 635 projetos e votados 513 dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, bem como do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). A Comissão ainda realizou sete audiências públicas durante o ano.

“Foram muitas as contribuições dadas a Pernambuco através do trabalho dessa comissão”, disse Borges, que ainda destacou projetos que ajudaram a melhorar áreas no Estado.

“O mais importante é que tudo isso foi feito dentro de um clima bastante democrático, de debates algumas vezes bastantes intensos e acalorados, mas sempre respeitosos. Eu acho que essa comissão, por onde entram as matérias que tramitam na Casa, de fato é o espaço onde os debates se dão de maneira mais detalhada, mais aprofundada dentro da Alepe. É importante que ela continue cumprindo esse papel, visando sempre o bem de Pernambuco”, concluiu.

Diogo Moraes (PSB)
Diogo Moraes (PSB)Foto: Divulgação

O deputado estadual Diogo Moraes (PSB) subiu à tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) nesta terça-feira (19) e cobrou providências do governo federal e responsabilidade dos ministros pernambucanos na continuidade das obras da Adutora do Agreste. A intervenção pode ser paralisada devido a atraso de pagamentos às empresas responsáveis.

Em novembro, o deputado havia alertado na Alepe depois que o presidente da Compesa, Roberto Tavares informou a possibilidade de paralisação por falta de repasses de recursos do governo federal. Dos R$ 370 milhões pactuados para 2017, apenas R$ 67 milhões haviam sido liberados.

“No dia 13, o governo federal anunciou outros R$ 68,2 milhões. Recurso que será suficiente apenas para manter o ritmo de médio para baixo. Para esse valor sair foi necessário um esforço do governador Paulo Câmara, que esteve em Brasília na semana anterior da liberação. Ele foi à mesa e se reuniu com o ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, e fez o alerta de que a obra iria parar”, afirmou o parlamentar.

O deputado destacou que, apesar da liberação de R$ 68,2 milhões garantidos pelo governador Paulo Câmara, ainda resta um saldo de R$ 500 milhões que são suficientes para concluir a Adutora do Agreste. Diogo Moraes questionou a falta de articulação dos ministros pernambucanos para viabilizar o andamento da obra.

“Apesar de Pernambuco contar com a maior participação em ministérios da história, este foi o período que menos se buscou recursos para esse empreendimento que é essencial para levar dignidade e qualidade de vida para tantos pernambucanos. Sabendo das dificuldades da região, das necessidades do povo, por que esses ministros pernambucanos não se empenham na liberação desses recursos? O Governo de Pernambuco penou um ano inteiro aguardando recursos, com as obras em ritmo lento, quase parando”, disse.

O parlamentar destacou que a ausência de recursos e a falta de um cronograma do repasse feito pelo Governo Federal prejudicam ainda mais a execução da obra e destacou a importância das verbas federais para garantir a continuidade da Adutora do Agreste no próximo ano.

Paulo Câmara e Raul Henry
Paulo Câmara e Raul HenryFoto: Divulgação

Após um duro discurso do deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB), na Câmara, na tarde desta terça-feira (19), o governador Paulo Câmara (PSB) lançou uma nota se solidarizando com os integrantes da legenda em Pernambuco. No Estado, a sigla é comandada pelo vice-governador Raul Henry, que é do grupo político de Jarbas.

Na nota, o governador afirma que Raul e Jarbas “são legítimos representantes do MDB aguerrido e ético que lutou contra a ditadura e pelo restabelecimento da democracia no nosso País”.

Confira, abaixo, a íntegra da nota:

"Temos a convicção de que o bom direito está com o PMDB de Pernambuco, representado pelo vice-governador Raul Henry e pelo deputado federal Jarbas Vasconcelos. Os dois são legítimos representantes do MDB aguerrido e ético que lutou contra a ditadura e pelo restabelecimento da democracia no nosso País. Diante disso, confio que o Poder Judiciário continuará a garantir a direção do PMDB de Pernambuco aos seus legítimos representantes".

Paulo Câmara
Governador de Pernambuco

Plínio Antônio Leite Pimentel Filho (D) foi sabatinado na Assembleia Legislativa
Plínio Antônio Leite Pimentel Filho (D) foi sabatinado na Assembleia LegislativaFoto: Lourival Maia/Alepe

A Comissão de Justiça da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) concedeu parecer favorável à escolha do advogado Plínio Antônio Leite Pimentel Filho para assumir o posto de administrador geral de Fernando de Noronha. O nome foi indicado pelo Partido Progressista (PP), que tem o deputado federal Eduardo da Fonte como presidente estadual.

O indicado foi sabatinado pelos membros do colegiado e respondeu a perguntas sobre alternativas para geração de energia limpa, políticas para o descarte de resíduos sólidos e medidas para diminuir o racionamento de água no arquipélago.

“Tomaremos pé das situações e procuraremos mitigar os problemas, sempre equilibrando o desenvolvimento econômico e as necessidades ambientais”, declarou. Ele também afirmou que irá atuar em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão federal que cuida das áreas de preservação em Fernando de Noronha.

Pimentel também foi questionado sobre demandas da população local, a exemplo da oferta de uma maternidade e dificuldades para a regularização fundiária de imóveis para moradores nativos. Segundo o indicado, a administração dele será humanizada. “Estamos comprometidos em implementar as medidas definidas como estratégicas pelo Governo do Estado e pela população, levando em conta as peculiaridades e os limites do arquipélago”, afirmou.

Mais tarde, o Projeto de Resolução nº 1818/2017, que contém a indicação do governador Paulo Câmara (PSB), foi aprovado em plenário, com 34 votos favoráveis.

O relator da proposição, Romário Dias (PSD), considerou que o indicado “demonstrou conhecimento” sobre os assuntos que dizem respeito à administração de Fernando de Noronha. O parecer foi acompanhado por Aluísio Lessa (PSB), Antônio Moraes (PSDB), Isaltino Nascimento (PSB), Ricardo Costa (PMDB), Rodrigo Novaes (PSD) e Sílvio Costa Filho (PRB). Absteve-se da votação o deputado Edilson Silva (PSOL).

Apesar da aprovação, o líder da oposição na Casa, Silvio Costa Filho, disse que a escolha era “uma operação do Governo para acomodar o Partido Progressista”. “Como o indicado é um quadro de valor, a oposição fechou questão para votar favoravelmente. Mas para falar um português claro, é um caso de apadrinhamento político”, ressalvou. “Sou crítico desses processos de loteamento dos cargos públicos”, acrescentou Edilson Silva.

Líder do Governo, Isaltino Nascimento afirmou que “é uma felicidade estreitar a relação com o PP, o que, obviamente, desagrada quem queria ver o contrário”. Vice-líder da bancada, Rodrigo Novaes lembrou que a legenda integra a base de apoio à gestão desde o início do mandato.

Odacy Amorim concedeu entrevista à Rádio Folha 96,7 FM
Odacy Amorim concedeu entrevista à Rádio Folha 96,7 FMFoto: Mandy Oliver/Folha de Pernambuco

Após a vereadora do Recife, Marília Arraes, colocar que Lula a telefonou para incentivar sua candidatura a governadora do estado, no ano que vem, o deputado estadual Odacy Amorim afirmou que também recebeu o incentivo do ex-presidente para viabilizar sua postulação majoritária. Ao se referir diretamente ao nome da correligionária, o parlamentar disse o povo de Pernambuco quer renovação, mas com alguém que tenha “experiência”.

Depois de Marília iniciar sua movimentação para viabilizar sua postulação, Odacy anunciou que também pretende ser pré-candidato a governador pelo PT. Na visão do deputado, seu projeto tem mais condições de avançar, pois ele já teria “passado por todos os estágios”. “Tenho 26 anos de vida pública. Entrei com 17 anos na política, em uma associação”, destacou, em entrevista à Rádio Folha 96,7 FM.

Leia também
Os planos de Marília para viabilizar sua candidatura


“O povo de Pernambuco quer renovação. Mas na hora do debate, o povo vai querer uma renovação com experiência. Não acredito que o povo de Pernambuco queira aventura”, opinou Odacy. Questionado se o comentário serviria, neste caso, para o caso de Marília, ele afirmou que se refere, neste caso, “a qualquer pessoa”. “A administração de um estado não é brincadeira não. É muito sério”, acrescentou.

“No meu caso, se tivesse sido governador quando era vereador tinha dado problema, porque eu não tinha uma visão de mundo. Cada espaço que vamos fazendo é um estágio que você vai construindo. É preciso ter sustentação (...) Respeito Marília, é minha amiga e não tenho nada aqui para jogar pedra. Agora acho que precisamos discutir um projeto de fato dos grandes debates de Pernambuco”, ressaltou.

Lula
De acordo com o parlamentar, sua candidatura também vem sendo estimulada por Lula. “Quando ele soube da minha decisão, mandou dizer que eu mantivesse (o projeto). Ele jantou na minha casa em junho do ano passado e fez um ato comigo de anúncio de minha candidatura a prefeito de Petrolina, no ano passado. Saiu de lá quase de meia noite. Agora na caminhada dele em Pernambuco acompanhei ele até a divisa com o Piauí”, lembrou o petista, que fará uma teleconferência com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, nesta quarta-feira (20), para “discutir a questão política”.

Deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB)
Deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB)Foto: Divulgação

Após a direção nacional do PMDB aprovar, na manhã desta terça (19), a mudança no estatuto do partido, permitindo a dissolução do diretório da sigla em Pernambuco, o deputado Jarbas Vasconcelos foi à tribuna da Câmara Federal, para fazer um discurso bastante contundente contra o presidente da legenda, senador Romero Jucá. Em sua breve fala, acusou o correligionário de “crápula”. “Não é a figura medíocre, desqualificada, mesquinha e desonrada desse senador Romero Jucá que vai nos amedrontar nesse momento”, colocou.

“Essa figura torpe, oportunista, que se serviu de todos os governos que passaram pelo Palácio do Planalto, não tem autoridade política, muito menos moral, para nos ameaçar. Sou um homem que tem esperança no futuro. E confio na Justiça. Por isso tenho esperança de ver, em breve, esse senador sair daqui algemado por uma decisão soberana da Justiça do nosso país”, afirmou Jarbas.



Leia também
PMDB-PE: 'Qualquer decisão não terá validade'
A mudança no estatuto do PMDB e o futuro de Jarbas
Jucá sinaliza para FBC no comando do PMDB de PE


Além disso, o deputado disse que lutará “em todas as frentes para manter a integridade, a verdade e a história do PMDB de Pernambuco, que, repito mais uma vez, se confunde com minha própria história. “Se eu puder definir e deixar registrado em uma palavra nos anais da Câmara a definição do senador Romero Jucá essa palavra é uma só: um crápula!”, bradou.

Raul Henry (PMDB)
Raul Henry (PMDB)Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Por meio de nota, o PMDB de Pernambuco, comandado atualmente pelo vice-governador Raul Henry, afirmou que qualquer decisão proferida a partir da convenção nacional da legenda, realizada nesta terça-feira (19), "não terá validade". "Isso porque a Justiça, através de duas liminares atualmente em vigor, proíbe que tal processo de dissolução tenha continuidade", diz o texto. A reação ocorre após decisão da nacional de interferir em Pernambuco.

Leia também:
Jucá sinaliza para FBC no comando do PMDB de PE
A mudança no estatuto do PMDB e o futuro de Jarbas


Durante discurso, o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá, afirmou que a nacional vai realizar a intervenção. "O processo em Pernambuco será concluído no início do ano e nós teremos o PMDB ou o MDB fortalecido em Pernambuco com a presença do senador Fernando Bezerra e de diversos deputados federais de Pernambuco que ingressarão no partido", discursou. Com isso, ele sinalizou para que Bezerra Coelho, que ingressou na legenda em setembro, assuma o PMDB.

De acordo com o texto do PMDB de Pernambuco, as liminares concedidas pela Justiça questionam não só a competência da Executiva Nacional do partido para intervir nos diretórios eleitos de forma democrática, como também os motivos usados como justificativa para a dissolução do diretório estadual.

Confira, abaixo, a íntegra da nota:

NOTA OFICIAL

O PMDB de Pernambuco informa que qualquer decisão proferida a partir da convenção nacional do partido, ocorrida na manhã desta terça, em Brasília, no sentido de modificar o estatuto partidário possibilitando assim a dissolução do diretório da legenda no Estado, não terá validade. Isso porque a Justiça, através de duas liminares atualmente em vigor, proíbe que tal processo de dissolução tenha continuidade.

As liminares, concedidas pela Justiça do Distrito Federal e pela Justiça de Pernambuco, em outubro deste ano, questionam não só a competência da Executiva Nacional do partido para intervir nos diretórios eleitos de forma democrática, mas também os motivos usados como justificativa para a dissolução do diretório pernambucano.

Pelo entendimento da Justiça, o pedido de dissolução feito em Pernambuco é inepto por ausência de fundamentação, ou seja, é um pedido sem argumentação necessária. "O judiciário suspendeu a tramitação de todo o processo de dissolução, tanto pela incompetência da Executiva Nacional, quanto pela ausência de fundamentação do pedido", explicou o advogado do partido em Pernambuco, Carlos Neves.

Como pontuou o jurista Sepúlveda Pertence, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal e advogado do deputado Jarbas Vasconcelos nesse processo, "a Justiça deverá estar presente em casos de ilegalidades, estejam elas dentro ou fora de algum partido político". A defesa feita por Sepúlveda Pertence em favor do deputado e do PMDB de Pernambuco embasou a liminar concedida pela Justiça do DF suspendendo o processo de dissolução do diretório pernambucano.

Fernando Bezerra Coelho participou da convenção nacional do PMDB
Fernando Bezerra Coelho participou da convenção nacional do PMDBFoto: Divulgação

A mudança do estatuto do PMDB, aprovada com 325 votos durante a convenção nacional do partido, nesta terça-feira (19), é mais um passo dado pelo senador Romero Jucá para tirar o comando da sigla das mãos do grupo liderado pelo senador Jarbas Vasconcelos, em Pernambuco. Com a nova resolução, a comissão executiva nacional poderá dissolver os diretórios estaduais e, com isso, permitir que o senador Fernando Bezerra Coelho, que pretende lançar uma candidatura de oposição a governador, no ano que vem, assuma o controle da legenda.

De acordo com o partido, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) emitiu um parecer, nesta segunda (18), reconhecendo o novo estatuto do PMDB. Segundo o órgão, a executiva nacional da agremiação possui, de fato, o poder de dissolver os diretórios regionais. Com isso, a legenda colocaria um presidente provisório no diretório pernambucano, no lugar do vice-governador Raul Henry, e seriam convocadas novas eleições internas.

Leia também
Jucá sinaliza para FBC no comando do PMDB de PE
Raul prevê reação de insatisfeitos na convenção do PMDB
Ricardo Costa: FBC quer 'botar Jarbas como móveis e utensílios tombados'


Liminar
Em seu discurso, na convenção nacional, Romero Jucá colocou que estão “o processo em Pernambuco será concluído no início do ano e nós teremos o PMDB ou o MDB fortalecido em Pernambuco com a presença do senador Fernando Bezerra e de diversos deputados federais de Pernambuco que ingressarão no partido”.

No entanto, para membros do grupo de Jarbas, a liminar judicial que impediu a dissolução do diretório estadual, emitida no início de outubro, ainda impede a troca de controle na legenda. Na visão de peemedebistas, a fala de Jucá, neste caso, só adia o desfecho do imbróglio e não traz nenhum fato novo concreto que possa garantir a intervenção no PMDB-PE.

A liminar foi concedida pelo juiz Cleber de Andrade Pinto, da 16ª Vara Cível de Brasília. Na decisão, ele explicou que o Conselho Nacional do partido é quem tem a competência para promover a dissolução da executiva estadual. Este conselho e formado por ex-presidentes nacionais do PMDB, ex-governadores, ex-presidentes da Republica, ex-presidentes da Câmara, etc.

MDB
Na convenção, o PMDB também decidiu voltar a ser o Movimento Democrático Brasileiro e adotar a sigla MDB. “Atingimos o quórum com louvor”, disse o presidente nacional do MDB, senador Romero Jucá (RR), ao anunciar o resultado da apuração. Temer disse aos convencionais que “a vitalidade do MDB” dará forças ao seu governo. “Eu não poderia deixar de estar aqui, e revendo velhos companheiros nós ganhamos vitalidade. Não é fácil enfrentar o que enfrentamos, mas podemos dizer que ao assumirmos o governo nós revitalizamos o país”, disse.

Luciano Siqueira, do PCdoB, é vice-prefeito do Recife
Luciano Siqueira, do PCdoB, é vice-prefeito do RecifeFoto: Folha de Pernambuco

Por Luciano Siqueira*

Costumo dizer que tenho um milhão de amigos — e isso me faz um bem enorme!

Inimigos pessoais não os tenho. Pelo menos que eu saiba.

Alguns desafetos, certamente. Nas redes sociais. Todos em razão das minhas posições políticas, quer dizer: gente que não concorda comigo e que se deixa contaminar pelo vírus antidemocrático da intolerância.

Estes se manifestam de vez em quando. Agressivos, desrespeitosos, odientos. Mau humorados. Não querem debater, limitam-se ao desaforo. Não tenho tempo sequer para me deter em suas diatribes; os ignoro tranquilamente e os bloqueio.

Já os amigos e amigas me dão um enorme prazer, inclusive quando me criticam e expressam opiniões diferentes das minhas.

Conservo boas amizades construídas no curso da luta política, desde o movimento estudantil na década de 60 do século passado, exatamente com pessoas de correntes políticas divergentes. Afinidades que perduram até hoje e que, paradoxalmente, brotaram em meio a intensas polêmicas.

Essa é uma das razões da minha profunda gratidão a duas entidades que me educaram assim: a minha mãe Oneide, para quem desrespeitar a opinião do outro era “falta de caridade”; e ao PCdoB, que forma seus militantes para a busca da unidade entre os diferentes.

Pois bem. Nessa matéria de amizades prazerosas acrescento também uma penca de beija flores e canários da terra, que visitam a varanda, a área de serviço e a janela do meu quarto, em meu apartamento, onde encontram estrategicamente dependurados pequenos bebedouros contendo uma garapa feita de água e mel.

Especialmente na varanda, onde me quedo numa rede e alterno a leitura, o devaneio, o sonho e o sono.

Na rede, à noite, quando posso, às vezes admiro a lua, outras vezes converso com as estrelas.

Durante o dia, bem cedinho, antes de sair para a caminhada matinal, ou em momentos vespertinos do sábado ou domingo (quando a agenda permite), meu diálogo é com eles, meus amigos beija flores e canários da terra.

Falamos linguagens diferentes, é verdade. Mas creio que nos entendemos muito bem. Eles bebem da água adoçada, circulam pela varanda, pousam sobre os punhos da rede, emitem sons harmoniosos e me olham com afetuosa curiosidade.

Eu os observo encantado e me permito reminiscências de criança, quando imaginava o teor de conversas entre os pássaros e atribuía papéis e “missões” aos muitos guerreiros do meu exército de canários, pintassilgos, galos de campina, azulões...

Nunca fui inclinado a ter em casa animais de estimação — cães, gatos e que tais. Por um período curto, quando na clandestinidade, um pequeno cágado circulava pela casa.

Passarinhos, sim — porém preferencialmente dessa forma como convivo com os beija flores e os canários da terra: livres para virem até aqui quando necessitarem e sair quando quiserem, jamais presos em gaiolas.

Da mesma forma como desejo que vivam meus amigos e amigas: livres para sonhar, amar, pensar e lutar segundo suas crenças e ideais. Sempre.

*Luciano Siqueira (PCdoB) é vice-prefeito do Recife e escreve ao Blog da Folha às terças-feiras.
https://www.facebook.com/LucianoSiqueira65/
www.lucianosiqueira.blogspot.com
https://twitter.com/lucianoPCdoB

assuntos

comece o dia bem informado: