Foram encontrados 322 resultados para "Fevereiro 2019":

Ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, teve como marca de sua gestão deixar as finanças em ordem ao terminar seu mandato
Ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, teve como marca de sua gestão deixar as finanças em ordem ao terminar seu mandatoFoto: Divulgação

O economista e ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, foi convidado pela Rede Gestão, para realizar palestra, no dia 14 de março, às 8h30, no Mar Hotel, em Boa Viagem, no Recife.
  
Hartung, que deixou o MDB e disse ter pendurado as chuteiras da política partidária-eleitoral em 2018, vai debater e apresentar o modelo de gestão que implantou no seu Estado ajudando o governo capixaba a enfrentar a crise, reconquistar o equilíbrio fiscal e inovar em políticas sociais.

Hartung defende a tese que austeridade fiscal não impede investimentos públicos em áreas prioritárias. Segundo ele, o equilíbrio fiscal serve como ferramenta para melhorar o ambiente de negócios e, consequentemente, retomar do crescimento socioeconômico.

Quando deixou o Governo do Espírito Santo, no final do ano passado, Paulo Hartung, deixou, em caixa, R$ 450 milhões, para o governador Renato Casagrande (PSB), que assumiu o Estado neste ano. A gestão de Paulo Hartung recebeu nota A do Tesouro Nacional.

Confira as principais manchetes de hoje
Confira as principais manchetes de hojeFoto: Divulgação

Folha de Pernambuco: "Cadastro positivo é aprovado na Câmara"

Diario de Pernambuco: "Venezuela fecha fronteira com o Brasil"

Jornal do Commercio: "Tensão cresce na fronteira com Venezuela"

Folha de S. Paulo: "Funcionalismoa ameaça ir à Justiça caso alíquota suba"

Estado de São Paulo: "Maduro fecha fronteira; Brasil mantém ajuda humanitária"

O Globo: "Maduro fecha fronteira com o Brasil"

Estado de Minas: "Fomos ludibriados"

O Tempo: "PF mira consultores da Vale em nova operação"

Correio do Povo: "Maduro fecha fronteira com o Brasil e barra ajuda"

Extra: "Saiba como regularizar suas contribuições para se aposentar mais cedo"

Zero Hora: "Venezuela fecha fronteira, mas Brasil confirma envio de ajuda "

Valor Econômico: "Reforma propõe restrição à Justiça para elevar despesas"

Correio Braziliense: "Maduro usa tropas e tanques para fechar fronteira com o Brasil"

Jair Bolsonaro, presidente da República
Jair Bolsonaro, presidente da RepúblicaFoto: Isac Nóbrega/PR

Em sua conta no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou, ontem, detalhes sobre o que ele chamou de "novo projeto do rio São Francisco". Na publicação, o líder do Poder Executivo afirmou que o "Nordeste é prioridade do Governo Federal". A postagem foi feita um dia após uma audiência entre o governador Paulo Câmara (PSB) e o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, na última quarta-feira, quando foi anunciada a liberação de R$82 milhões para as obras da Adutora do Agreste.

Na ocasião, o gestor pernambucano considerou a liberação dos recursos como "uma notícia importante" e afirmou que "a ideia é, na sequência, trabalhar para garantir recursos para o abastecimento dos quarenta municípios que precisam dessa água complementada na região". No Nordeste, o presidente encontra forte oposição ao seu governo e recebe muitas críticas por parte dos gestores estaduais da região.

O gesto de Bolsonaro foi considerado importante pelo deputado Tadeu Alencar, líder do PSB na Câmara Federal. No entanto, ele frisou que as ações do Governo Federal serão acompanhadas. "É muito positivo que ele esteja sinalizando que o Nordeste vai ser prioridade. Vamos acompanhar para ver se isso vai se traduzir em políticas públicas (para a região), para ver se isso vai se materializar em ações concretas", disse Tadeu.

Para o deputado federal Danilo Cabral (PSB), responsável pela criação da Frente Parlamentar em Defesa do Nordeste - com o objetivo de criar uma interlocução com o Congresso para defender temas de interesse da região - trata-se de uma liberação para uma obra que já está em curso, mas que "qualquer liberação deve ser valorizada". Cabral considera o gesto do presidente como um "movimento de desmonte do ambiente eleitoral" e espera que o Governo mantenha um ambiente de diálogo.

Já o deputado Augusto Coutinho, líder do Solidariedade na Câmara Federal, por sua vez, classificou o gesto do presidente "muito pequeno". Para ele, Bolsonaro não demonstrou prioridade na montagem do seu Ministério."Não tem nenhum nordestino e muito menos pernambucano. Ele precisa fazer muitos gestos, mais significativos do que esse para, de fato, mostrar prioridade", comentou o parlamentar. "Até agora o governo não tem demonstrado isso em fatos concretos, em posições concretas. Não tem nenhum nordestino no seu primeiro escalação. Isso não é prioridade. Ele tem que fazer muito mais do que esse recurso da Adutora porque o Nordeste é uma das regiões mais pobres do Brasil. Não é só colocar um post no Twitter, não", criticou Coutinho.

Fernando Monteiro (PP)
Fernando Monteiro (PP)Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

O deputado Fernando Monteiro (PP-PE) apresentou à Câmara dos Deputados projeto de lei que propõe maior destinação dos recursos da chamada “Lei Rouanet” para a preservação e difusão do patrimônio artístico, cultural e histórico do Brasil. A proposta determina que 80% dos incentivos criados pela Rouanet sejam destinados para projetos que tenham esta finalidade. Caso a proposição seja aprovada, mais de R$ 1,2 bilhão por ano será destinado a preservar e difundir o patrimônio histórico e cultural brasileiro.

Segundo o parlamentar, o projeto de Lei foi motivado pelos desastres recentes envolvendo importantes museus brasileiros. Somente nos últimos 10 anos, mais de 10 prédios que guardavam peças culturais e científicas consideradas únicas para o patrimônio nacional foram devastadas por incêndios. “Isso significa que temos mais de uma tragédia histórico-cultural por ano no Brasil”, alerta o deputado.

“Manter estruturas como estas sempre envolve um custo muito alto e tem sido uma tarefa cada vez mais árdua para o poder público”, observa Fernando. O parlamentar questiona a falta de políticas públicas eficientes, que reavaliem o investimento na preservação do patrimônio nacional. “No ano em que pegou fogo, o Museu Nacional, maior museu de história natural da América Latina, recebeu apenas dois terços do orçamento previsto para aquele ano, que já era ínfimo dado a sua relevância”, criticou.

Enenda o caso - O Teatro Cultura Artística (SP), em 2008, o Instituto Butantan (SP) em 2010, a Capela São Pedro Alcântara (RJ) em 2011, o Arquivo Público do Estado de São Paulo (SP) em 2012, o Memorial da América Latina (SP) em 2013, o Museu de Ciências Naturais da PUC de Minas Gerais (MG) também em 2013, o Centro Cultural Liceu de Artes e Ofícios (SP) em 2014, o Museu da Língua Portuguesa (SP) em 2015, a Cinemateca Brasileira (SP) em 2016 e, por último, o Museu Nacional (RJ) em 2018, foram todos devastados por incêndios.

Iniciativa foi do deputado Pastor Cleiton Collins (PP).
Iniciativa foi do deputado Pastor Cleiton Collins (PP).Foto: Divulgação

Com o objetivo de conscientizar a população acerca das doenças raras, a Assembleia Legislativa de Pernambuco, promoveu uma reunião em alusão a Semana Estadual de Conscientização sobre Doenças Raras. O evento, promovido pelo deputado Pastor Cleiton Collins (PP), contou com a participação de diversas ONGs.

Collins ressaltou a importância de debater esse tema. “O Brasil precisa conhecer e entender sobre as doenças raras. Esse encontro é para mostrar a realidade dessas pessoas e seus cuidadores. Precisamos lutar por políticas públicas concretas. Essa é uma batalha de todos”, enfatizou.

A vereadora Missionária Michele Collins (PP) destacou a importância do suporte a mãe cuidadora. “É um momento que a mulher precisa de suporte de amor e carinho para enfrentar. Muitas vezes a figura do pai abandona essa mulher e esse filho é muito triste uma família se destruir por esse motivo”, explicou.

Participaram do evento os deputados estaduais Simone Santana (PSB), William Brígido (PRB); Clarissa Tércio (PSC); Romero Sales Filho (PRTB); Professor Paulo Dutra (PSB); a Secretária da Mulher de Pernambuco, Silvia Cordeiro; a Secretária-Executiva de Atenção à Saúde de Pernambuco, Cristina Mota; a Diretora Executiva de Atenção Básica e Gestão Distrital da Prefeitura do Recife, Ana Sofia Costa.

Ministro Marcos Pontes ao lado do secretário estadual de Ciência e Tecnologia Aluísio Lessa, em Brasília
Ministro Marcos Pontes ao lado do secretário estadual de Ciência e Tecnologia Aluísio Lessa, em BrasíliaFoto: Divulgação

O secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aluísio Lessa, se encontrou, nesta quarta-feira (20), em Brasília, com o Ministro MCTIC, Astronauta Marcos Pontes, durante reunião do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Ciência, Tecnologia e Inovação (CONSECTI).
  
No evento, Lessa foi nomeado como o representante do Nordeste na diretoria do CONSECTI para o biênio 2019/2020, além de oito outros membros. Ele será o interlocutor com o Governo Federal das pautas da nossa região em CT&I.

"Vamos fazer a integração entre os 9 colegas da Região e ter peso na política Nacional de Inovação", disse Lessa.

Danilo Cabral (PSB)
Danilo Cabral (PSB)Foto: Sérgio Francês/Divulgação


O projeto de reforma da Previdência do Governo federal que chegou nesta quarta (20) na Câmara dos Deputados motivou dois pedidos de informação para o Ministério da Economia do deputado federal Danilo Cabral (PSB-PE), protocolados, nesta quinta-feira (21).

Um dos requerimentos solicita o estudo atuarial que embasou a proposta do governo federal, bem como o impacto orçamentário na redução do suposto déficit previdenciário, com a alteração nos critérios de concessão dos benefícios. Para Danilo Cabral, o governo alega um rombo de R$ 290 bilhões por ano no sistema previdenciário, mas renuncia a R$ 370 bilhões em incentivos fiscais anualmente.

O parlamentar também questiona quais medidas o governo vai adotar para cobrar as empresas devedoras ao sistema. "O ministro Paulo Guedes disse que espera arrecadar R$ 1,2 trilhão com a reforma. Mas essa conta não pode ser paga pelos mais pobres. Estima-se que só as empresas devem cerca de R$ 500 bilhões. Ele precisa também apresentar as medidas que irá adotar para cobrar esses débitos Só a JBS deve quase R$ 2 bilhões. Queremos abrir essa caixa preta”, justificou. Danilo está coletando assinaturas para abrir uma CPI das renúncias fiscais do Governo Federal.

Leia também:
Bolsonaro: reforma garante aposentadoria no futuro
'Pena de morte para legião de miseráveis', diz Humberto sobre Reforma
Discussão sobre Previdência em Pernambuco só no 2º semestre



Na opinião do parlamentar, é preciso conhecer também os números do sistema previdenciário detalhadamente para discutir cada medida proposta. "Quanto é o impacto de cada mudança dos critérios de concessão do benefício no orçamento? Quanto custa acabar com a aposentadoria dos trabalhadores rurais ou desvincular o BPC do salário mínimo? Qual a economia que se tem ao mexer na aposentadoria dos professores? A economia a partir dessas mudanças poderia ser coberta pela cobrança dos devedores? O que será feito com os militares? O governo não detalhou essas questões”, indagou.

O Ministério da Economia tem até um mês para responder os questionamentos feitos através do requerimento de informação.

Líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) se reuniu com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RJ)
Líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) se reuniu com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RJ)Foto: Divulgação

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) iniciou, na tarde desta quinta-feira (21), em reunião com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil da Presidência da República), a definição das agendas legislativas que serão prioritárias para o Executivo neste início de Legislatura.

Os temas serão confirmados na próxima semana, quando o líder terá reunião de trabalho com o presidente Jair Bolsonaro e os ministros Lorenzoni e Paulo Guedes (Economia). O encontro está previsto para ocorrer na próxima segunda-feira (25), em Brasília.

Prefeito afastado de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB)
Prefeito afastado de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB)Foto: Divulgação


Na mesma semana em que foi notícia nacional pelo vazamento de um áudio com suposto constrangimento a servidores comissionados para que eles comparecessem a um show de sua esposa cantora, fato está sendo apurado criminalmente pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), o prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB) volta a ser alvo de outra investigação, desta vez aberta pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), por indícios de superfaturamento de contratos.

Um novo processo de auditoria especial foi aberto pelo TCE para investigar contratos e pagamentos na prefeitura de Camaragime em sua gestão. A decisão foi da Segunda Câmara do TCE e foi publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (21). A nova investigação está baseada em um relatório de acompanhamento das eleições de 2018 na cidade e teve origem no final de agosto de 2018, quando servidores do Tribunal tiveram uma auditoria de rotina frustrada pelo próprio prefeito, que na época chegou a rasgar o ofício do TCE e expulsou os auditores da sede da Prefeitura. O que era pra ser uma fiscalização de rotina, virou investigação.

Segundo relato de auditores do TCE, foram encontrados indícios de "superfaturamento no contrato para aquisição de mochilas e outros materiais escolares, com itens com até 370% mais caros, realização de despesa de aluguel sem a utilização de imóvel, dispensa de licitação para locação de imóvel sem condições de uso e com sobrepreço".

O TCE determinou a "formalização de auditoria especial para análise aprofundada dos fatos, com a verificação da execução dos contratos e a devida apuração de responsabilidades". "Os contratos em questão foram advindos de licitação ocorrida em 2017 e encontram-se em execução desde 2018 e o contrato de locação de imóvel foi suspenso pela administração", disse a conselheira Teresa Duere, relatora do processo.

Leia também:
Auditoria do TCE em Camaragibe vira caso de polícia
"Gestão japonesa" e pedreiro “tropa de elite”: uma obra incomum em Camaragibe


Entenda o caso - Em agosto de 2018, uma fiscalização de rotina do TCE, na sede da Prefeitura do Camaragibe, foi frustrada pelo prefeito Demóstenes Meira (PTB). Os auditores denunciaram que não só foram impedidos de realizar a diligência, como tiveram o ofício da auditoria amassado e rasgado pelo prefeito. No dia seguinte, por determinação do presidente do TCE, equipe de fiscalização retornou ao município para dar continuidade aos trabalhos. "Importante ressaltar que o Tribunal de Contas não se intimidará diante de nenhum gestor que porventura tente obstacular o trabalho de controle externo exercido, que é garantido pela Constituição", disse o TCE, em nota oficial, na época.

Em 2019, a pedido do Ministério Público de Contas (MPCO), o TCE já abriu um processo para apurar a não aprovação da lei orçamentária de 2019 em Camaragibe.
Após a repercussão do show da noiva do prefeito, também secretária municipal, o MPCO requereu e o TCE deferiu a suspensão dos pagamentos com recursos públicos dos blocos de carnaval. O prefeito também foi notificado pelo conselheiro Carlos Porto para prestar informações sobre os gastos com carnaval, inclusive nos blocos em que sua noiva é atração musical.

Por meio de nota, a Prefeitura de Camaragibe informou que "irá acatar toda e qualquer determinação advinda do Tribunal de Contas do Estado - TCE/PE e que, no tocante ao Processo TC-PE nº 1822434-9, verifica-se na própria decisão o indeferimento da expedição da Medida Cautelar diante das providencias já adotadas pela Gestão Municipal. Ademais a Prefeitura Municipal envidará esforços para que durante a execução dos trabalhos da Auditoria Especial seja comprovada a idoneidade dos atos praticados, bem como, o zelo pelos princípios norteadores do serviço público, tais como a legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência".

Confira o relatório da investigação:
Investigação do TCE.

Galo da Madrugada
Galo da MadrugadaFoto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) estará presente em mais um Carnaval do Recife oferecendo o serviço do Juizado do Folião. No sábado (2/3), durante o desfile do Galo da Madrugada, a unidade atenderá ocorrências que envolvam crimes de menor potencial ofensivo.

Serão dois polos de apoio à população, onde os cidadãos poderão fazer o registro de ocorrências: no térreo do Fórum Thomaz de Aquino, na avenida Martins de Barros, 593, bairro de Santo Antônio; e na Estação Central do Metrô do Recife, situada na Rua Floriano Peixoto, no bairro de São José. O serviço vai funcionar das 13h às 21h.

Na ocasião, serão atendidos casos que envolvem crimes cujas penas não ultrapassem dois anos de prisão, como agressões, brigas, danos ao patrimônio público e provocação de tumulto, além de causas cíveis de menor complexidade. Ocorrências consideradas mais graves são redirecionadas a outros órgãos da Justiça estadual, que durante o Carnaval, irão funcionar em regime de Plantão.

Leia também:
[Giro de notícias] Veja as principais notícias do dia
Fernando Rodolfo propõe oita anos de prisão por celular em presídio


Esta é a 12ª edição do Juizado do Folião, parceria do TJPE com o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a Defensoria Pública, a Ordem dos Advogados – Seccional Pernambuco (OAB-PE), a Secretaria de Defesa Social (SDS), a Secretaria de Direitos Humanos, as polícias Civil e Militar, o Corpo de Bombeiros Militar, o Instituto de Medicina Legal (IML) e o Instituto de Identificação Tavares Buril (ITTB).

Plantão Judicial – De sexta-feira (1º/3) até a quarta-feira de cinzas (6/3), o Tribunal de Justiça funcionará em regime de plantão, das 13h às 17h, atendendo ações cíveis e criminais com caráter de urgência. Além do plantão de 1º e 2º grau na Capital, também haverá atendimento de urgências na Região Metropolitana e em 14 comarcas do Interior. Confira todos os endereços, números de telefone e mais detalhes na página do Plantão Judiciário. Link: http://www.tjpe.jus.br/web/plantao-judiciario

assuntos

comece o dia bem informado: