Foram encontrados 273 resultados para "Abril 2018":

Pernambuco de Verdade visitará obras na RMR
Pernambuco de Verdade visitará obras na RMRFoto: Divulgação

A Bancada de oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco ampliará, a partir desta quinta-feira (26), as visitas às obras paralisadas na Região Metropolitana do Recife. O objetivo do grupo oposicionista, que tem visitado as microrregiões do Estado desde 2015, é revelar a "realidade enfrentada pela população pernambucana". A ampliação das visitas foi definida após uma série de fiscalizações.

Segundo a bancada, entre os problemas encontrados recentemente está a falta de médicos, superlotação no setor de obstetrícia e emergências do Hospital Agamenon Magalhães, abandono das estações que integram o projeto de Navegabilidade do Rio Capibaribe, VLT da Avenida Norte, entre outros.

Estudos da Bancada Oposicionista já apontam que quase 70% das promessas do programa de governo de Paulo Câmara até agora não foram cumpridas. Em 2017, o Pernambuco de Verdade visitou mais de 80 cidades do Estado, do Litoral ao Sertão. A Bancada visitou o Sertão do Pajeú, Sertão do Moxotó, Sertão do Araripe, Sertão do São Francisco, Agreste Setentrional, Agreste Meridional, Agreste Central, Zona da Mata Norte e Zona da Mata Sul.

Ainda de acordo com a Oposição, segundo o Tribunal de Contas do Estado, mais de 1,5 mil obras estão paralisadas em todo estado. "Pernambuco também está entre os principais estados nos índices de desemprego do Brasil e está perdendo espaço para outros estados como a Bahia e Ceará", diz o texto divulgado pela bancada.

Edilson Silva
Edilson SilvaFoto: Sabrina Nóbrega/Alepe

A deflagração da mais nova operação da Polícia Federal, que atingiu em cheio o deputado federal Eduardo da Fonte (PP), nesta terça-feira, mobilizou reações diversas, entre políticos pernambucanos. Enquanto o deputado estadual Edilson Silva (PSOL) fez duras críticas ao parlamentar, o vereador Romero Albuquerque (PP) saiu em defesa do investigado.

Logo pela manhã, após a notícia de que a Polícia Federal havia feito buscas no gabinete e na residência de Eduardo da Fonte, no Recife, Edilson Silva lançou suspeitas sobre os gastos feitos pelo PP para atrair novos quadros. “O partido é o que mais recebeu deputados estaduais agora em abril. A dinheirama que ostenta nas eleições vem de fontes suspeitas. Para dizer o mínimo”, colocou, no Twitter. No período da janela partidária, o Partido Progressista conseguiu ampliar sua bancada na Alepe de seis para 14 membros.

Leia também
PP é o partido mais investigado e o que mais cresceu
[Podcast] Joel da Harpa sai em defesa de Eduardo da Fonte
'Estou à disposição da Justiça sempre', diz Eduardo da Fonte
Lava Jato faz buscas no gabinete de Eduardo da Fonte


Em resposta, o vereador Romero Albuquerque disse, na tribuna da Câmara municipal, que “calúnia, difamação e, sobretudo, pré-julgamentos são incompatíveis com o cargo de legislador”. “As palavras de Edilson Silva, hoje, revelam imaturidade e desespero. Nosso partido cresce sob a grande liderança de Eduardo da Fonte, que conseguiu reunir dezenas das maiores forças políticas de Pernambuco”, rebateu.

Além disso, o vereador saiu em defesa de Eduardo da Fonte. “Acreditamos fortemente no Poder Judiciário e vemos com naturalidade o avanço de toda e qualquer investigação, até porque somente através delas podemos elucidar a verdade. Quero publicamente prestar solidariedade ao meu amigo, o deputado federal Eduardo da Fonte, e dizer que mantenho minha confiança em seu trabalho e na condução do nosso partido. Quem o conhece sabe a integridade que ele possui de berço”, finalizou.

Investigação
Na nova fase da Lava Jato, o ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), aponta a necessidade de obter provas referentes aos crimes de embaraço à investigação de organização criminosa. De acordo com investigadores, Da Fonte e o presidente nacional do PP, o senador Ciro Nogueira, são suspeitos de comprar o silêncio de um ex-assessor do senador que tem contribuído com a Justiça. Ele teria detalhado que recebia pagamento em espécie do ex-deputado Márcio Junqueira. Mas, pela sua colaboração com a Lava Jato, o ex-assessor teria recebido ameaças e chegou a ser incluído no programa de proteção à testemunha.

Câmara Federal
Câmara FederalFoto: Herivelto Batista

Comandado pelo senador Ciro Nogueira, que foi alvo de mais uma operação da Lava Jato, juntamente com o deputado federal Eduardo da Fonte, nesta terça (24), o Partido Progressista (PP) é a legenda que possui o maior número de políticos com foro privilegiado investigados pela operação. No entanto, conseguiu desbancar siglas como o PSDB e MDB e conquistou a segunda maior bancada na Câmara Federal, após intensa campanha de filiações, no período da janela partidária.

Pelo menos 27 integrantes do PP respondem a ações penais ou inquéritos. Já o PT aparece na segunda posição, com 19 deputados investigados. Por sua vez, o MDB do presidente Michel Temer tem 18 deputados investigados. O PR aparece em quarto lugar, com 15 nomes e na sequência vêm o PSD, com 13 integrantes da Câmara sob investigação, e o PSDB, também com 13.

Leia também
Lava Jato faz buscas no gabinete de Eduardo da Fonte
'Estou à disposição da Justiça sempre', diz Eduardo da Fonte
[Podcast] Joel da Harpa sai em defesa de Eduardo da Fonte
Turma do STF rejeita denúncia contra deputados do PP na Lava Jato


Crescimento
Após o encerramento do prazo para troca de partidos, o PP passou a ocupar um lugar de maior destaque no cenário nacional. A agremiação, que elegeu 38 deputados em 2015, passou para 54 parlamentares. Apesar de ainda possuir a maior bancada da Casa Baixa, com 57 membros, o PT perdeu 12 filiados na janela. Já o MDB, que possuía 65 deputados, ficou com 52, passando para o terceiro lugar do ranking. Por sua vez, o PSDB caiu de 54 para 46. Entre os que ganharam filiados está o DEM, que cresceu de 21 para 44 deputados. O PR saiu de 34 para 41, ficando na sexta colocação.

Para conseguir ampliar seus quadros, o PP teria prometido repartir a verba do fundo partidário, para ser usada nas campanhas eleitorais. A legenda teria ficado de distribuir cerca de R$ 2,5 milhões para cada candidato, para compensar a proibição do financiamento privado.

Alepe
O PP também conseguiu ampliar seu poder na Assembleia Legislativa de Pernambuco. A bancada do partido subiu de seis para 14 deputados e promete conquistar mais de um milhão de votos nesta eleição. Os deputados estaduais novos que ingressaram na legenda foram Eriberto Medeiros (ex-PTC), Beto Accioly (ex-PSL), Joel da Harpa (ex-Podemos), Antonio Moraes (ex-PSDB), João Eudes (ex-PDT), Ricardo Costa (ex-MDB), Roberta Arraes (ex-PSB) e Vinícius Labanca (ex-PSB). Antes, a bancada já contava com o Pastor Cleiton Collins, Claudiano Martins, Marcantônio Dourado, Eduino, Zé Maurício, Doutor Valdi e Everaldo Cabral.

Joel da Harpa é deputado estadual
Joel da Harpa é deputado estadualFoto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Recém-filiado ao PP, o deputado estadual Joel da Harpa afirmou que a operação da Polícia Federal, deflagrada nesta terça-feira (24), contra a maior liderança estadual da sigla, o deputado federal Eduardo da Fonte, não deve atrapalhar as articulações eleitorais tocadas pelo partido. Na sua visão, o trabalho da Lava Jato é “importante” e “natural”, mas é necessário aguardar o resultado final do processo, antes de “julgar e massacrar” os investigados.

“O momento que Eduardo da Fonte está passando é importante para o contexto democrático, mas não vai atrapalhar as alianças, até porque estamos falando de investigações que, no final, a Justiça vai chegar a um denominador. A gente não pode julgar e massacrar ninguém antes das investigações serem concluídas”, explicou o deputado.

O PP, que filiou vários quadros recentemente, como os deputados Marinaldo Rosendo (ex-PSB), Antônio Moras (ex-PSDB), Claudiano Martins (ex-PSDB), Vinícuis Labanca (ex-PSB), entre outros, ampliou sua bancada de seis para 14 deputados estaduais e pretende conquistar mais de um milhão de votos nesta eleição. Esta articulação tem sido tocada pelo próprio Eduardo da Fonte, que pleiteia um lugar na chapa majoritária da Frente Popular.

Ouça a íntegra da entrevista no Podcast Folhape:



Leia também
Lava Jato faz buscas no gabinete de Eduardo da Fonte
'Estou à disposição da Justiça sempre', diz Eduardo da Fonte
Políticos repercutem operação contra Eduardo da Fonte

A Operação

Na nova fase da Lava Jato, o ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), aponta a necessidade de obter provas referentes aos crimes de embaraço à investigação de organização criminosa. De acordo com investigadores, Da Fonte e o presidente nacional do PP, o senador Ciro Nogueira, são suspeitos de comprar o silêncio de um ex-assessor do senador que tem contribuído com a Justiça. Ele teria detalhado que recebia pagamento em espécie do ex-deputado Márcio Junqueira. Mas, pela sua colaboração com a Lava Jato, o ex-assessor teria recebido ameaças e chegou a ser incluído no programa de proteção à testemunha.

Deputado federal Eduardo da Fonte
Deputado federal Eduardo da FonteFoto: Brizza Cavalcante/Sefot-Secom

O deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) afirmou que está "à disposição da Justiça" após a Operação Lava Jato cumprir mandados de busca e apreensão em seu gabinete na Câmara dos Deputados, em Brasília, no Distrito Federal, e em sua residência no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, nesta terça-feira (24). "Estou à disposição da Justiça sempre. Confiamos nela e em Deus", disse o parlamentar em nota oficial divulgada por sua assessoria.

Na nova fase da Lava Jato, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, aponta a necessidade de obter provas referentes aos crimes de embaraço à investigação de organização criminosa. De acordo com pessoas que acompanham a operação, policiais federais fizeram cópias dos HDs dos computadores do gabinete de Eduardo da Fonte. Segundo a assessoria do parlamentar, ele está no Recife.

Leia também:
Lava Jato faz buscas no gabinete de Eduardo da Fonte
Eduardo da Fonte amplia seu cacife para disputar o Senado


A Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmou que as buscas ocorrem no Recife, em Brasília, em Teresina e em Boa Vista. Os policiais federais chegaram à Câmara e ao Senado nas primeiras horas da manhã desta terça. Na Câmara, o sexto andar do prédio de gabinetes, onde fica o de Eduardo da Fonte, foi isolado pela Polícia Legislativa.

Ex-prefeito de Rio Largo/AL, Toninho Lins
Ex-prefeito de Rio Largo/AL, Toninho LinsFoto: Reprodução/Jornal de Alagoas

O ex-prefeito de Rio Largo, no Leste de Alagoas, Antônio Lins de Souza Filho (PSB), conhecido como Toninho Lins, foi preso no final da tarde dessa segunda-feira (23), quando saía de um apartamento no bairro da Torre, na Zona Oeste do Recife. O político foi condenado a 16 anos e dois meses de prisão em 26 de fevereiro pelos crimes de apropriação de bens públicos, falsificação de documentos, fraude em licitações e outros, segundo a Polícia Federal (PF). Ele estava foragido desde março quando teve sua prisão decretada pelo Tribunal de Justiça de Alagoas.

Toninho deverá ser conduzido escoltado ao estado vizinho nesta terça-feira (24), onde será entregue ao sistema carcerário e ficará à disposição da Justiça. A prisão, fruto de parceria entre as superintendências da PF de Alagoas e Pernambuco, aconteceu dentro do âmbito da Operação Procurados, em ação desde 2010. O juiz Maurílio Ferraz deferiu pedido da Procuradoria para dar início à pena provisória.

Leia também:
Investigado pela PF tenta resistir à prisão em operação e morre após troca de tiros em Alagoas
MPF denuncia ex-prefeito e mais 97 por esquema de corrupção em Foz do Iguaçu


A polícia tentou localizar o ex-gestor que aguardava em liberdade o julgamento de um agravo em recurso especial no Superior Tribunal de Justiça (STJ). A Procuradoria Geral da Justiça de Alagoas (PGJ-AL) protocolou o início da execução provisória da pena, mas Toninho argumentou que a decisão só teria efeito depois do trânsito em julgado. Após a prisão, o ex-prefeito foi conduzido à sede da PF em Pernambuco, no Bairro do Recife, na área central da Capital.

Deputado federal Eduardo da Fonte
Deputado federal Eduardo da FonteFoto: Beto Oliveira/Sefot-Secom

A Polícia Federal realizou, na manhã desta terça-feira (24), uma operação no Congresso Nacional, que teve como alvos o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) e o senador Ciro Nogueira (PP-PI). Também houve um mandato de prisão contra o ex-deputado Márcio Junqueira, de Roraima. A procuradoria afirmou que as buscas ocorreram, além de Brasília, em Teresina, Recife e Boa Vista.

Na nova fase da Lava Jato, o ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), aponta a necessidade de obter provas referentes aos crimes de embaraço à investigação de organização criminosa. De acordo com investigadores, Da Fonte e Nogueira são suspeitos de comprar o silêncio de um ex-assessor do senador que tem contribuído com a Justiça. Ele teria detalhado que recebia pagamento em espécie do ex-deputado Márcio Junqueira. Mas, pela sua colaboração com a Lava Jato, o ex-assessor teria recebido ameaças e chegou a ser incluído no programa de proteção à testemunha.

Leia também:
STF nega reabertura de investigação contra Eduardo da Fonte
[Podcast] Joel da Harpa sai em defesa de Eduardo da Fonte
PP é o partido mais investigado e o que mais cresceu
Eduardo da Fonte amplia seu cacife para disputar o Senado


Em nota, a Procuradoria-Geral da República afirmou que foram cumpridos nove mandados, sendo oito de busca e apreensão e um de prisão preventiva. Os policiais federais chegaram à Câmara e ao Senado nas primeiras horas da manhã. Na Câmara, o sexto andar do prédio de gabinetes, onde fica o de Eduardo da Fonte, foi isolado pela Polícia Legislativa. No Senado, a PF chegou em um carro descaracterizado. O terceiro andar, onde fica o gabinete de Ciro Nogueira, também foi isolado para o trabalho dos policiais.

Em sua decisão, Fachin autorizou a Polícia Federal a recolher documentos, artigos eletrônicos e dinheiro em espécie acima de R$ 50 mil, entre outros itens. De acordo com pessoas que acompanham a operação, policiais federais fizeram cópias dos HDs dos computadores do gabinete de Eduardo da Fonte.

Procurado pela reportagem, Eduardo da Fonte afirmou que está "à disposição da Justiça sempre. Confiamos nela e em Deus".

Gabinete do deputado Eduardo da Fonte, em Brasília

Gabinete do deputado Eduardo da Fonte, em Brasília - Crédito: Pedro Ladeira/Folhapress

Deputado estadual Rodrigo Novaes (PSD)
Deputado estadual Rodrigo Novaes (PSD)Foto: Roberto Soares/Alepe

As incertezas com relação ao cenário político nacional e estadual atrasam os cálculos eleitorais voltados para o preenchimento das 49 vagas na Assembleia Legislativa de Pernambuco. Porém, nos corredores do Legislativo, algumas projeções começam a tomar forma, influenciadas pelos movimentos das bases de governo e oposição. O deputado estadual Rodrigo Novaes (PSD), por exemplo, já fez o seu palpite e aposta: A oposição sairá mais enfraquecida.

Segundo o parlamentar, a base do governador Paulo Câmara (PSB) deve eleger cerca de 35 deputados. Neste time, estão incluídos os que integrarão a Frente Popular e os que marcharão na chapa liderada pelo PP. O partido, que filiou vários quadros recentemente, como os deputados Antônio Moras (ex-PSDB), Claudiano Martins (ex-PSDB), Joel da Harpa (ex-Podemos), Vinícuis Labanca (ex-PSB), entre outros, já conta com 14 deputados estaduais e pretende conquistar mais de um milhão de votos.

No entanto, de acordo com Rodrigo Novaes, a chapa do PP terminou “inchada” e deve eleger somente entre 10 e 11 parlamentares. “Muita gente da ‘cauda’ da base não vai mais disputar porque tem 14 deputados estaduais de mandato. Então devem enxugar alguma coisa. Mas o PP fez um trabalho muito importante atraindo essas pessoas”, disse.

Para ele, o PSD, que possui nos seus quadros Joaquim Neto, Rodrigo Novaes e Romário Dias, deve manter o número de vagas. O PR, que tem Rogério Leão, deve lançar o filho do deputado Henrique Queiroz como candidato e garantir mais uma cadeira. Pelo Solidariedade, Rodrigo Novaes projeta a eleição da esposa do prefeito de Olinda, Professor Lupércio, Cláudia Cordeiro. Alberto Feitosa também deve garantir mais uma vaga pela sigla.

O PCdoB, por sua vez, decidiu sair de chapa “puro sangue”. Deve lançar o ex-prefeito de Olinda, Renildo Calheiros. Recém-filiado à legenda, o ex-prefeito do Recife, João Paulo, deve disputar uma vaga na Câmara Federal. Mas, caso saia para deputado estadual, deve ampliar a quantidade de cadeiras conquistadas para três, na visão de Novaes.

Nos cálculos de Novaes, o PSC deve fazer cinco deputados, incluindo Manoel Ferreira, pai do deputado André Ferreira, que pleiteia uma vaga no Senado na Frente Popular. O presidente da Alepe, Guilherme Uchoa, que se filiou recentemente à sigla, também deve se manter no posto. Outra que pode ter sucesso é a ex-deputada estadual Carla Lapa, que pertence a uma das famílias mais tradicionais da Mata Norte e quer voltar ao Legislativo. O vereador de Carpina, Diogo Prado, também tem fortes chances de vencer o pleito. Ele vai fazer dobradinha com o filho de Guilherme Uchoa para deputado federal.

Oposição
Rodrigo Novaes aposta que a oposição reduzirá seu tamanho, caso o PT decida apoiar Paulo Câmara. Hoje, na Alepe, o bloco conta com Álvaro Porto (PTB), Augusto César (PTB), Bispo Ossésio (PRB), Edilson Silva (PSOL), José Humberto Cavalcanti (PTB), Júlio Cavalcanti (PTB), Odacy Amorim (PT), Priscila Krause (DEM), Teresa Leitão (PT), Silvio Costa Filho (PRB), Socorro Pimentel (PTB). Mas o grupo detinha 15 integrantes, antes das migrações partidárias.

Para ele, o PSDB também pode sair prejudicado, já que o deputado estadual Antônio Moraes deixou a sigla para se filiar ao PP. Os tucanos devem lançar a esposa do prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira, Alessandra Vieira. Além disso, podem apostar no marido da prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, Fernando Lucena.

“Se o PT for junto com o PSB, a Frente Popular deve eleger entre 18 e 20 deputados. Com os votos do PP, cresce para 30. Juntando com o PSC, que deve garantir cinco vagas, a quantidade de partidos na base deve ir para 35. As chapinhas do PMN e PRTB devem ficar com mais três ou quatro vagas. Então sobra de 11 a 12 cadeiras para a oposição”, afirmou. Entretanto, caso o vereador Marco Aurélio (PRTB) ganhe o pleito, a oposição pode ganhar mais um membro, já que ele é aliado do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), que tenta se cacifar para encabeçar a chapa majoritária oposicionista.

Ouça a íntegra da entrevista com Rodrigo Novaes no Podcast Folhape:

Ex-prefeito do Recife João Paulo (PCdoB)
Ex-prefeito do Recife João Paulo (PCdoB)Foto: Felipe Ribeiro/Folha de Pernambuco

Após o fim do prazo da janela partidária, o PCdoB de Pernambuco anunciou que, até o momento, já se apresentaram 110 postulantes à disputa eleitoral pelo partido. A legenda decidiu marchar com chapa própria nas eleições proporcionais de outubro próximo e sua meta é chegar aos 73 nomes para a corrida. As propostas estão sendo avaliadas pelo Grupo de Trabalho Eleitoral, que é coordenado pelo ex-prefeito de Olinda, Renildo Calheiros.

No último sábado (21), o PCdoB anunciou 12 pré-candidatos à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). São eles: Almir Fernando, vereador do Recife; Bruno Pantoja, recém-filiado; Antônio Stênio, médico; Flávio Douglas; Flor Ribeiro, ex-presidente da UJS-PE; Laudijane Domingos, presidente da UBM-PE; Michele Miguel; Osmar Ricardo, sindicalista e ex-vereador do Recife; Professor Marcos; Professor José Luís Simões (UFPE); Professora Valdete; e Silano Barros, presidente do Crefito.

A plenária marcou o início da campanha "100 dias de pré-campanha militante", que inclui a divulgação do Manifesto "Liberdade para o Brasil, para Lula e para as brasileiras e brasileiros", lançado na semana passada pela pré-candidata da legenda para a Presidência, Manuela D'Ávila.

Ainda durante o encontro, o ex-prefeito do Recife João Paulo reafirmou que "poderia ajudar muito mais Lula e o PT hoje, fora do PT, com os camaradas do PCdoB". O anúncio da filiação de João Paulo ao PCdoB foi feito no dia 6 de abril, na véspera do fim do prazo da janela partidária.

Secretário de Planejamento da PCR, Jorge Vieira
Secretário de Planejamento da PCR, Jorge VieiraFoto: Andréa Rêgo Barros/ PCR

A reunião semestral do secretariado da Prefeitura da Cidade do Recife (PCR), para tratar de investimentos e alinhamento estratégico da equipe, aconteceu na tarde desta segunda-feira (23), no Recife Praia Hotel. Na presença do prefeito Geraldo Júlio (PSB), o Secretário de Planejamento, Administração e Gestão de Pessoas, Jorge Vieira, falou sobre a pactuação das metas e do orçamento de todas as secretarias. De acordo com ele, “é um monitoramento que mantém o ritmo da gestão”, já que são mais de 300 metas prioritárias que serão monitoradas diretamente pelo prefeito.

Em 2018, do que foi aprovado na Câmara Municipal para a Lei Orçamentária Anual (LOA), em torno de 6,1 bilhões, 300 milhões foram destinados a investimentos. Além da preocupação constante da prefeitura sobre o gasto sobre pessoal - que já compromete 49,3% do orçamento, segundo Vieira - este ano, a prefeitura está concentrando esforços em manter os mesmos gastos do ano passado. “O orçamento foi pactuado. O que a gente fez foi manter os níveis do ano passado. A gente manteve os níveis do ano passado, e pactuou o orçamento de forma, que por exemplo, as despesas de custeio não subam”.

Obras - As principais promessas de campanha do prefeito Geraldo Júlio estão com prazo estabelecido para serem entregues. O estádio do Geraldão, que custou em torno de 40 milhões - recebeu auxílio de R$ 19 milhões do governo federal - deve ser entregue nos próximos meses. As obras viárias e a Academia Recife, também receberam atenção especial da secretaria e estão com orçamentos estabelecidos, para a primeira, o investimento para pavimentar e qualificar as vias do Brejo da Guabiraba, em torno de R$ 3,3 mi e o segundo, R$ 84 mil. O hospital do idoso, que em março anunciou a empresa contratada para a elaboração dos projetos, deve ser concluído até o final do ano que vem.

assuntos

comece o dia bem informado: