Foram encontrados 296 resultados para "Maio 2018":

Prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), em entrevista à Rádio Folha FM 96,7
Prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), em entrevista à Rádio Folha FM 96,7Foto: André Nery/Folha de Pernambuco

Apesar da crise que toma conta do País e de Pernambuco, a Prefeitura de Caruaru, no Agreste, informou, nesta terça-feira (29), por meio das secretarias de Administração e da Fazenda, que o pagamento do salário aos servidores públicos municipais relativo ao mês de maio será feito neste dia 30.

De acordo com a Administração Municipal, mas de R$ 10 milhões serão injetados na economia do município com a iniciativa.

O deputado federal Silvio Costa (PTdoB)
O deputado federal Silvio Costa (PTdoB)Foto: Maria Nilo/Folha de Pernambuco


O deputado federal Silvio Costa (Avante) acaba de deixar a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde visitou o ex-presidente Lula, preso há quase dois meses. O parlamentar, que foi à carceragem acompanhado por oito deputados, relatou, em entrevista ao Blog da Folha, que o petista continuará lutando para viabilizar sua candidatura presidencial e que está muito preocupado com a crise atual, gerada pela greve dos caminhoneiros.

De acordo com Silvio Costa, Lula pediu serenidade da base de oposição no Congresso. O grupo, que passou cerca de duas horas com o ex-presidente, pediu orientações sobre a condução da crise. “Ele está preocupado, pois acha que talvez esta seja a maior crise que o país já passou. Então defendeu o diálogo com todos os setores da sociedade. Lembrou que os governos do PT sempre tiveram esta marca, sempre conversaram com todas as classes", disse.

Leia também
TSE decide se réus em ação penal podem ser candidatos à Presidência
PT vai pedir autorização para que Lula grave vídeos políticos na prisão
Fachin autoriza visita de deputados a Lula em Curitiba


Segundo o congressista, o petista fez questão de frisar que "o problema do governo Temer é que só dialoga com a classe patronal e não tem base social". "Por isso, sugeriu que buscássemos escutar todos os setores para ter uma visão clara sobre o que anda acontecendo e traçar estratégias para sair desta crise”, apontou.

Ao falar sobre seus planos eleitorais, Lula garantiu que continuará com o plano de registrar sua candidatura. “Encontramos um homem indignado, mas com muta força. Ele está determinado a ser candidato e provar sua inocência. Existe jurisprudência para isso, pois vários políticos foram eleitos mesmo presos. Então ele vai continuar lutando”, colocou o deputado.

O parlamentar não quis comentar sobre as conversas em torno da eleição em Pernambuco. Mas destacou que, agora, é mais “pré-candidato a senador do que nunca”.

A visita da comissão de deputados ocorreu após duas negativas da juíza da execução penal, Carolina Lebbos. A autorização foi dada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, no dia 23 de maio.

Carlos Marun
Carlos MarunFoto: Wikipedia

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), conversou mais uma vez por telefone com o presidente Michel Temer (MDB) na noite de segunda-feira (28) e firmou, nesta terça (29), um acordo com um grupo de 13 caminhoneiros identificados como lideranças dos protestos da categoria. A promessa é de que as manifestações cheguem ao fim no Estado.

Mais cedo, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), fez críticas ao chefe do Executivo na condução da negociação no intuito de encerrar a greve dos caminhoneiros.

De acordo com Marun, "o governador Márcio França, num primeiro momento, até contribuiu" nas negociações. Mas a atitude do socialista "está mais atrapalhando do que ajudando". Além disso, ele afirmou que França "tem condição de fazer muita coisa". "Se ele quer contribuir que baixe o preço do ICMS e reduza mais no Estado de São Paulo o valor do combustível. Então, eu acho que eu não tô vendo aí. Eu começo a ver gente tentando explorar eleitoralmente essa questão. O governador tem condição de fazer muita coisa", disse o ministro em entrevista à Rádio Jornal.

Já nesta terça-feira, o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), firmou um acordo com um grupo de 13 caminhoneiros identificados como lideranças dos protestos da categoria. A promessa é de que as manifestações cheguem ao fim no estado.

Segundo França, os caminhões que transportam combustível voltaram à estrada e o abastecimento deve voltar ao normal nos próximos dias.

"Já estamos com as refinarias abertas", disse França. São cinco as refinarias em atividade.
"Vamos com isso garantir a retomada dos postos de gasolina do estado de São Paulo pelo menos. Isso significa que os postos daqui a pouco vão estar abastecidos para poder fornecer às pessoas."

​Já quanto ao abastecimento no setor de alimentos, o governador estimou que deve demorar um pouco mais e não deu previsão para a volta à normalidade.

Anderson Ferreira
Anderson FerreiraFoto: Divulgação

A Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, informou que as aulas da rede municipal serão reiniciadas a partir desta quarta-feira (30). Além disso, toda a estrutura administrativa do Poder Público voltará a funcionar no horário normal, das 8h às 17h, segundo o Executivo municipal.

Nesta terça-feira (29), o prefeito Anderson Ferreira (PR) decidiu que o feriado de Corpus Christi para os servidores municipais, celebrado na próxima quinta-feira (31), será trocado pelo dia 22 de junho.

A gestão ainda informou que, desde o último sábado (26), a frota de veículos da Prefeitura, inclusive os caminhões de recolhimento de lixo, vem sendo abastecida com combustível suficiente para que as atividades sejam normalizadas.

Senador Humberto Costa (PT)
Senador Humberto Costa (PT)Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O senador Humberto Costa (PT) acusou nesta segunda-feira (28) o presidente da República, Michel Temer, e o presidente da Petrobras, Pedro Parente, de favorecer os acionistas da estatal petrolífera e prejudicar os cidadãos com uma política de preços injusta. Ao avaliar que as reivindicações dos caminhoneiros em greve são justas, o senador lembrou que os combustíveis subiram muito acima da inflação nos últimos dois anos, situação que contrastou com o congelamento de 13 anos no preço do gás de cozinha sob os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Segundo Humberto Costa, a política da Petrobras, que impõe reajustes frequentes nos preços dos combustíveis, é desastrosa e torna imprevisíveis os custos dos usuários dos produtos. Ele denunciou ainda o sucateamento das unidades da estatal para fins de venda “a preço de banana”.

"O Brasil está fazendo a opção de exportar o petróleo bruto e importar derivados. Ao mesmo tempo em que os preços internos são altos, as refinarias estão ociosas. A política é absurda", observou.

Apresentando números comparativos do desempenho da Petrobras com empresas concorrentes de outros países, Humberto Costa negou que as administrações do PT tenham quebrado a estatal. Ele também rejeitou as críticas à carga tributária sobre os combustíveis, argumentando que a situação não é muito diferente em outros países. E advertiu que os cortes de tributos vão recair diretamente em prejuízos aos programas sociais.

"Se promovermos desoneração, como alguns querem, vai faltar dinheiro para as despesas mínimas da União".

Antes hábil nas negociações, agora, emedebista tem dificuldade de barganhar soluções
Antes hábil nas negociações, agora, emedebista tem dificuldade de barganhar soluçõesFoto: Wilson Dias/Agência Brasil

Passados oito dias da crise dos combustíveis - já avaliada como uma das maiores do País - o Planalto e o Congresso veem sua popularidade se esvair, à medida que a paralisação dos caminhoneiros continua. Na reta final do governo de Michel Temer (MDB), esse episódio representa o colapso de uma gestão acostumada a driblar instabilidades negociando com o Parlamento. Incapaz de dimensionar as manifestações no tempo certo, a classe política se encontra de mãos atadas e a proximidade das eleições acentua a desconfiança, o que abre espaço para extremismos.

A crise dos combustíveis atinge o Governo Temer na esteira de derrotas políticas sofridas no Congresso, como o fim prematuro da reforma da Previdência e da MP da privatização da Eletrobras. Tudo que passa no Parlamento, segundo a visão dos bastidores, se deve à boa vontade de Rodrigo Maia (DEM). Presidenciável, Maia cede às pressões da oposição, que obstrui sistematicamente a pauta legislativa. O democrata, no fim das contas, não vê mais negócio em estar ligado ao presidente.

Segundo o deputado André de Paula (PSD), recém-eleito para a mesa diretora da Câmara, Temer está numa situação que não tem mais o que perder. “O presidente está com a popularidade no fundo do poço, não tem energia política para se impor. Parece que o governo subestimou a dimensão do movimento. Quando o governo foi fechar a porta, a casa já havia sido arrombada”, avalia o parlamentar, que teve dificuldades de chegar a Brasília.

Há uma tentativa de Maia e do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), para mobilizar os parlamentares. Entretanto, diante do desgaste que a classe política vem sofrendo, há pouco a ser feito. Os líderes de bancada das duas casas vêm se reunindo constantemente, na intenção de coordenar ações para refrear a paralisação.

O senador Humberto Costa (PT), assim como a deputada Luciana Santos (PCdoB), acreditam que é necessário demitir o presidente da Petrobras, Pedro Parente, para prestar contas à sociedade. “Não há como superar a crise sem demitir Parente. Ele é o responsável por essa política de preços. Mas o governo é fraco para tomar essa decisão e está em pé por um verdadeiro milagre”, dispara o senador.

Também na oposição, o deputado Silvio Costa (Avante) advoga pela criação de um comitê de crise permanente, reunindo os governadores e chefes de poderes, a fim de "superar a incapacidade de Temer em negociar com a sociedade". "Esse assunto passa por toda a classe política do Brasil, por conta da ineficiência do governo Temer. Um governo que tem como porta-voz Carlos Marun é um governo morto. Esse governo não legitimidade para negociar, porque não tem base social, não tem legitimidade", dispara o parlamentar.

O deputado Betinho Gomes (PSDB) faz a leitura de que a paralisação extrapolou a categoria dos caminhoneiros e, hoje, é apoiada por outros segmentos da sociedade. “É importante ter a clareza de que não vai ter solução fácil. Não vai ser por decreto que as coisas vão se resolver, porque estamos tratando de assuntos complexos, como impostos, carga tributária. O governo assumiu a conta para atender um determinado segmento, mas isso vai ser pago pelo conjunto da sociedade”, alerta o deputado.

Plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco
Plenário da Assembleia Legislativa de PernambucoFoto: Jarbas Araújo/Alepe

Diante da identificação da retomada de abastecimento de alguns postos de combustíveis além da normalização do serviço de transporte público na capital, a Assembleia Legislativa de Pernambuco comunicou que o funcionamento da Casa será normal nesta terça-feira (29), entendendo que já é possível a chegada dos servidores com segurança aos seus locais de trabalho. O expediente da Alepe será normal, das 08h às 18h, com sessão plenária no horário habitual, às 14h30. Da mesma forma, a Câmara Municipal do Recife anunciou que terá expediente normal. A Casa fará reunião plenária a partir das 15h.

MPT

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Pernambuco também anunciou que volta a funcionar normalmente nesta terça. A medida vale para todas as unidades (Recife, Caruaru e Petrolina). A chefia do órgão, seguindo entendimento do Tribunal Regional do Trabalho da 6° Região (TRT-PE), avalia que o movimento paredista decretado pelos caminhoneiros vem sendo atenuado, de modo que as atividades podem ser retomadas.

Betinho Gomes é deputado federal pelo PSDB
Betinho Gomes é deputado federal pelo PSDBFoto: Clemilson Campos/Folha de Pernambuco

O deputado federal Betinho Gomes (PSDB-PE) protocolou junto à Procuradoria Geral Eleitoral de Pernambuco denúncia por propaganda eleitoral antecipada e abuso de poder econômico contra o prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira, seu irmão André Ferreira e seu pai Manoel Ferreira. No documento entregue à Justiça Eleitoral, o parlamentar denuncia que tal prática ocorreu no âmbito do “Projeto Libertador”, patrocinado pela conhecida Família Ferreira, que tem como protagonista o citado prefeito, o qual se aproveita do que deveria ser apenas shows gospels e cultos ao ar-livre para promover e divulgar as candidaturas de André Ferreira e de Manoel Ferreira.

Na ação protocolada junto à PGE, o deputado Betinho Gomes apresenta como fato comprobatório um vídeo gravado no último dia 8 de abril de 2018, na rua Santo Elias, em Jaboatão dos Guararapes. Nesse dia, como ressalta o documento, “a pretexto de realizar culto evangélico, o referido prefeito, em sua pregação, ao lado do seu irmão, divulga sua candidatura a deputado federal, bem como a do seu pai Manoel Ferreira para deputado estadual, para só em seguida anunciar os artistas que ali se apresentariam”.

O parlamentar afirma ser lamentável o abuso de poder econômico e político dos Ferreiras, contrariando, inclusive, recomendação expedida pela própria Justiça Eleitoral para as diversas denominações religiosas do Estado, alertando para a ilegalidade da conduta de fazer propaganda eleitoral antecipada nas igrejas e templos de natureza religiosa em geral. “Uma conduta que merece repúdio. Mais grave ainda é tentar manipular a fé dos cristãos para obter apoio eleitoral. Espero que a Justiça aja com rigor para inibir esse tipo de comportamento”, destaca Betinho Gomes.

Manifestantes pedem intervenção militar
Manifestantes pedem intervenção militarFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

O crescimento do apoio social em torno da greve dos caminhoneiros merece uma leitura aprofundada. Apesar de ter causas e consequências ainda turvas, a mobilização é a prova de que o Congresso e o Governo Federal não conseguiram dar respostas efetivas para minimizar a crise de representatividade vigente. Pelo contrário. Enquanto a sociedade mergulhava em uma polarização radical e estéril, parlamentares e governantes direcionavam seus esforços para neutralizar denúncias. E, como saída para esta barafunda, se desenham soluções que definham ainda mais a nossa democracia.

Em 2013, quando se iniciaram os grandes protestos de rua, o brasileiro não estava preparado para ser protagonista de grandes mudanças. A divisão de classes, a partir daquele momento, ficou exposta. Até 2016, quando se consagrou o impeachment da ex-presidente Dilma, o País ainda tentava procurar culpados para a crise político-econômica, dentro e fora do campo institucional. Depois da ruptura, as pessoas se dividiram entre as que acreditavam em mudanças, com a saída do PT, e as que sabiam que o caminho para o crescimento ainda seria longo e penoso.

Mas o que se viu, na verdade, foram manobras escancaradas para blindar a própria classe política. O Brasil viu estarrecido o governo liberar mais de R$ 32 bilhões em emendas e outras benesses para impedir duas denúncias contra Temer. Ministros caíram, após se envolverem em escândalos. O cidadão tomou conhecimento sobre os altíssimos salários pagos a autoridades do Legislativo e do Judiciário, enquanto experimenta a redução de seus direitos. E o Supremo Tribunal Federal também não conseguiu tomar as rédeas da situação, como se propôs, em razão de suas contradições.

Enquanto tudo isso acontecia, os políticos achavam que o brasileiro não teria mais gás para tomar novamente as ruas. Mas não imaginavam que a insatisfação poderia gerar reações mutantes. Os caminhoneiros, agora, provam que também podem parar o Brasil. E outras categorias começam a se dar conta do poder que possuem.

Neste momento, a polarização diminui e a população encontrou uma pauta em comum, pois a forte crise atinge não só a camada mais popular. Sem combustível, a classe média também passou a pedir a saída de Temer. Panelaços voltaram a ecoar do alto dos grandes edifícios. Sem legitimidade, Temer não tem condições de se impor para seu ninguém.

Além disso, o mercado financeiro também começa a entrar em parafuso, ao se deparar com pesquisas que colocam o ex-presidente Lula (PT) ou o deputado federal Jairo Bolsonaro (PSL) na dianteira da corrida eleitoral, ao mesmo tempo em que figuras como Henrique Meirelles (MDB) ou o próprio Geraldo Alckmin (PSDB) não conseguem crescer.

O problema, neste caso, está na saída que se desenha. Crescem as manifestações pela queda do presidente, na mesma velocidade do clamor por intervenção militar. E é aí que mora o perigo. Não acredito tanto no risco de uma nova ditadura. Mas desconfio que, em Brasília, muitas autoridades já começam a pensar em uma alternativa para contornar um possível “nocaute” de Temer.

Tanto que a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, no último dia 23, a regulamentação da eleição indireta. “Vagando os cargos de Presidente e Vice-Presidente da República nos dois últimos anos do mandato presidencial, o Congresso Nacional efetuará, em trinta dias, a escolha dos sucessores, que exercerão suas funções pelo tempo restante para completar o período dos antecessores”, diz a matéria, que deve seguir para votação na Câmara.

Bom. As dúvidas ainda são muito grandes. Estou curioso para entender qual é o Brasil que nasce deste caos. Mas, por enquanto, uma coisa já é certa: cada vez mais, os nossos dirigentes perdem a capacidade de gerenciar crises. E o Brasil aprende cada vez mais que não é só o voto que faz a diferença.

Prefeito afastado de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB)
Prefeito afastado de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB)Foto: Divulgação

Por meio do Decreto nº 23/2018, assinado nesta segunda-feira (28) pelo prefeito Demóstenes Meira (PTB), a Prefeitura Municipal de Camaragibe promulgou estado de emergência no município devido à crise do abastecimento. A iniciativa autoriza a adoção de todas as medidas administrativas necessárias ao abastecimento da frota de veículos do órgão para seguir com a prestação dos serviços essenciais à população. Além disso, determinou-se a criação de um comitê de crise a cargo do gabinete do prefeito, em conjunto com as secretarias responsáveis pela análise e processamento das demandas oriundas das áreas de saúde, educação, assistência social, limpeza pública, manutenção de vias, disciplinamento do trânsito, controle urbano e segurança.

Nesta segunda-feira (28), devido à crise, a Prefeitura funcionou com ponto facultativo e as escolas municipais e as Unidades de Saúde da Família não funcionaram. O Executivo ainda informou que estão com atividade normal a emergência do Hospital Aristeu Chaves, a Maternidade Amiga da Família, o Centro Municipal de Especialidades de Vera Cruz (Cemec Vera Cruz), o Samu, o transporte dos pacientes de hemodiálise, a coleta de lixo na cidade e o Mercado Público Municipal.

Ponto facultativo
Também foi assinado o Decreto nº 24/2018 que determina ponto facultativo na Prefeitura Municipal até esta quarta-feira (30). Da mesma forma seguem as aulas nas escolas municipais, consultas médicas e cursos na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, que serão remarcados, segundo informou a Prefeitura.

assuntos

comece o dia bem informado: