Foram encontrados 271 resultados para "Junho 2019":

Jorge Waquim é filósofo pela Universidade Paris Nanterre e tradutor.
Jorge Waquim é filósofo pela Universidade Paris Nanterre e tradutor.Foto: Divulgação

Por Jorge Waquim

Ao contrário de muita gente, não tenho o que comemorar com tudo o que está sendo revelado a respeito do ex-juiz Sérgio moro e a chamada #VazaJato. Finalmente, a maior vítima pode ser justamente a justiça brasileira, dependendo da direção que tomar esse caso. Tomando-se como ponto de suporte as revelações do Intercept, o juiz não foi isento, haja vista todo o acordo que transparece nas mensagens que trocou com procuradores e todo o apoio que deu a estes para conduzir o caso do ex-presidente Lula referente ao triplex no Guarujá.

É verdade que a justiça, essa deusa de olhos vendados, já vinha sofrendo no Brasil com as práticas no mínimo antirrepublicanas do juiz responsável pela Lava Jato em Curitiba. Atropelando a lei, ele fez escutas ilegais da presidente da república, ato impensável em uma democracia que estivesse em funcionamento pleno. Nenhum juiz poderia ou deveria ter procedido daquela maneira. Juiz julga, juiz é passivo, juiz é imparcial, juiz explica como julgou e demonstra como a lei foi ferida pelos atos esclarecidos pelas provas.

Somando-se a tudo isso, o ex-juiz é agora Ministro da Justiça. Lei não escrita, uma democracia tem muitas, a primeira atitude do Sr. Presidente ou do próprio Ministro deveria ter sido o seu imediato afastamento. Mas, por aqui, democracia ainda se assemelha a uma encenação teatral.

Esse encadeamento de comportamentos lança suspeitas ao Ministro ex-juiz e traz sérias ameaças ao funcionamento da democracia. Primeiro o Sr. Presidente, que condecora o Sr. Ministro na semana seguinte ao começo das revelações e com ele aparece em um estádio de futebol, mas que dias depois confessa não confiar cem porcento em seu subordinado. Depois, o próprio Ministro que, se de início se comportou de modo a aquiescer sobre a veracidade das transcrições das suas mensagens no aplicativo Telegram, agora mudou de ideia e vai duvidando da legitimidade do material.

Os dois põem em questão o comportamento do Intercept, inovador órgão de imprensa nestes tempos atuais por ser aquilo que em inglês se chama de “whistleblower”, denunciando atitudes pouco republicanas. O Intercept recebeu rico material sobre trocas de conversas em um espaço virtual e os revela de maneira seletiva, omitindo, como não o fez o juiz Moro, conversas privadas que não dizem respeito à esfera pública, como não dizia respeito à esfera pública as conversas da então mulher do ex-presidente Lula com seu filho, por exemplo.

O Intercept se utiliza de uma técnica que o próprio juiz Sérgio Moro utilizou quando estava à frente da operação Lava Jato: a divulgação de mensagens e documentos aos poucos, mantendo o caso em fogo alto o tempo todo para não distrair a opinião pública.
Essa é uma técnica inversa àquela que propunha Maquiavel em sua obra “O Príncipe”. Naquela época, os príncipes agiam de maneira a eliminar seus inimigos do reino, cortando as cabeças que a ele se opunham. Nesse texto, Maquiavel instrui quem está no poder a fazer rolar cabeças rapidamente e em um só ato, causando apenas um grande trauma, que será progressivamente esquecido com o pronto restabelecimento da paz interna ao reino, que interessa sobretudo ao príncipe.

Pois, o Intercept, a exemplo do juiz Moro, ao invés de fazer o que faz o Wikileaks, de Julian Assange, que revela todos os documentos de uma só vez, vai pingando as notícias para causar convulsão permanente, de modo a evitar que as águas se acalmem. Disputa, assim, com o Sr. Ministro e o Sr. Presidente a atenção do público. Sérgio Moro irá pessoalmente ao Congresso nesta semana para conversar sobre as revelações do Intercept. O que dirá? Baterá no prego que criminaliza o Intercept? Continuará dizendo que não viu nada demais nas conversas do Telegram?
No entanto, como disse o editor-executivo do Intercept: “nós temos tudo, eles não têm nada”. E a panela continua no fogo alto.

Jorge Waquim é filósofo pela Universidade Paris Nanterre e Tradutor
@Jwaq








Após a reunião, o secretário se comprometeu a realizar um estudo de potencialidades para futuros investimentos em cursos para que os alunos já saiam com mais perspectivas.
Após a reunião, o secretário se comprometeu a realizar um estudo de potencialidades para futuros investimentos em cursos para que os alunos já saiam com mais perspectivas.Foto: Divulgação

A deputada estadual Fabíola Cabral (PP) esteve com o secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco, Alberes Lopes. Durante reunião apresentou as demandas dos trabalhadores que tem procurado a parlamentar em seu gabinete. “São pedidos de melhoria na infraestrutura de Agência do Trabalho e aumento no número de emissões de Carteiras de Trabalho, um problema que a população enfrenta constantemente”, explicou a parlamentar.

Na ocasião, Fabíola também conversou sobre a possibilidade viabilizar cursos de capacitação para quem está em busca de emprego. Com isso, o secretário se comprometeu a realizar um estudo de potencialidades para futuros investimentos em cursos para que os alunos já saiam com mais perspectivas.

A atividade dá direito a certificado de participação emitido pela ESMPU
A atividade dá direito a certificado de participação emitido pela ESMPUFoto: Divulgação

No dia 26 de junho, das 8h30 às 17h40, a Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) promove o simpósio “Sindicatos: diálogo e proteção social”. A atividade é gratuita e aberta ao público, tendo como objetivo discutir formas de minimizar os efeitos das transformações na organização sindical brasileira com base na legislação atual e na jurisprudência, além de estabelecer diálogo com sindicatos e demais representações. As inscrições foram prorrogadas até às 12h do dia 20 de junho e podem ser feitas através do site.

O encontro será realizado no Centro de Apoio da ESMPU em Recife, localizado na Procuradoria da República em Pernambuco. Ao todo, são oferecidas cem vagas. Temas como negociação coletiva e organização, liberdade e custeio sindical serão debatidos pelos professores Everaldo Gaspar Lopes de Andrade, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Sandro Lunard Nicoladeli, da Universidade Federal do Paraná (UFPR); Francisco Gérson Marques de Lima, da Universidade Federal do Ceará (UFCE), também membro do Ministério Público do Trabalho (MPT), assim como João Hilário Valentim.

A atividade dá direito a certificado de participação emitido pela ESMPU, conforme regras do Edital. Confira a programação completa. Mais informações no edital e no projeto pedagógico do curso.

Para o presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima, o trabalho de atração de investimentos produtivos (industriais, comerciais e serviços) continua sendo imprescindível
Para o presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima, o trabalho de atração de investimentos produtivos (industriais, comerciais e serviços) continua sendo imprescindívelFoto: Simone Medeiros AD/Diper

A Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper) acaba de divulgar o resultado da chamada pública para o fortalecimento dos Arranjos Produtivos Locais (APLs). Ao todo, quinze projetos de entidades privadas sem fins lucrativos foram contemplados (ver em anexo).

Vale a pena lembrar que a iniciativa prioriza o apoio às ações estratégicas para o desenvolvimento dos seguintes Arranjos Produtivos Locais e setores econômicos: piscicultura; confecções; mel; fruticultura irrigada (manga e uva); laticínios ou produção de leite; caprino e ovinocultura, avicultura de postura e corte, café e mandioca. A AD Diper vai disponibilizar o montante de R$ 1,5 milhão, desconsiderando os valores de contrapartida, para ser investido nas culturas beneficiadas pela iniciativa.

O resultado e o edital podem ser conferidos no site da AD Diper (www.addiper.pe.gov.br).

“O nosso objetivo é, ao longo do tempo, investir no potencial das diferentes regiões do estado para estruturar as cadeias produtivas de cada uma delas. Este trabalho, com certeza, tem uma grande probabilidade de continuar colhendo excelentes frutos”, afirma o presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima, acrescentando que haverá mais dois chamamentos públicos neste ano.

A AD Diper vem apoiando, desde 2007, ações para o desenvolvimento dos Arranjos Produtivos Locais (APLs) e outros segmentos econômicos de relevância para Pernambuco. Só para se ter uma ideia, de lá pra cá, o governo já investiu um total de R$ 41 milhões em cerca de 320 projetos. Tais ações visam fortalecer as atividades econômicas existentes, em sua grande maioria no interior do estado, de modo a solucionar gargalos encontrados nos respectivos setores produtivos.

O fomento dado às entidades sem fins lucrativos, vinculados a um APL, converge com a política ampla de interiorização, de modo estratégico, onde os resultados obtidos diminuem as desigualdades sociais e regionais.

Além disso, os projetos apoiados pela AD Diper buscam o desenvolvimento econômico regional; a inovação tecnológica; o crescimento do nível de emprego e renda; a redução da taxa de mortalidade; a manutenção das micro e pequenas empresas; o apoio ao associativismo e cooperativismo; e o aumento da produtividade e da competitividade de modo prioritário.

E diante da Lei das Estatais (Lei 13.303/16), há o entendimento de se realizar um chamamento público para a escolha imparcial, baseado na avaliação de critérios objetivos, dos projetos a serem fomentados pela AD Diper. O diretor de Planejamento, Inovação e Fomento, Jaime Alheiros, explica que, durante a avaliação dos projetos, houve uma rigorosa observação das orientações, sobretudo no que tange aos prazos, à documentação e ao modo de apresentação.

“A ideia é fomentar projetos que tragam desenvolvimento econômico. Estamos sendo proativos, pois não vamos mais esperar o contato das prefeituras, e sim ir ao encontro delas. Além disso, estamos tendo mais transparência e nos adequando ao novo modelo de governança”, justifica Alheiros.

Lista dos projetos contemplados no 1º Chamamento Público para os APLs

- Apoio à Agroindústria Familiar da Cadeia Produtiva de Caprinos e Ovinos do Distrito
de Nascente - Araripina - PE
- Inovação e Desenvolvimento da Avicultura no Agreste Pernambucano
- Adequação das Pequenas Queijarias do Agreste Meridional
- Avicultura de Corte no Sertão do São Francisco
- Estruturação de Agroindústrias da Zona da Mata Norte Pernambucana
- Ciclo 2 - Fortalecimento da Cadeia Produtiva da Mandioca em Feira Nova - PE
- Projeto de Fortalecimento da Bovinocultura de Leite no Sertão do Araripe
- Melhoramento Genético de Caprinos e Ovinos no Sertão do São Francisco
- Projeto de Organização dos Grupos Produtivos da Agricultura Familiar da Zona da
Mata Sul Pernambucana
- Inovação da Bacia Leiteira do Agreste Pernambucano
- Fortalecimento da Cadeia Produtiva da Ovinocaprinocultura no Sertão do São
Francisco
- Projeto Equipamentos Farinha de Feira Nova
- Projeto Cooperativismo em Corte e Costura em Vicência
- Projeto de Desenvolvimento Produtivo Agropecuário
- Ecossistema de Negócios do APL de Confecções de Pernambuco

Deputado federal Algusto Coutinho (SD)
Deputado federal Algusto Coutinho (SD)Foto: Divulgação

Ângela Boldrini e Danielle Brant

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira (17) que o projeto que modifica a lei de licitações deve ser votado nesta semana.

O texto, relatado por Augusto Coutinho (SD-PE), traz pontos polêmicos.

Entre eles, por exemplo, está o aumento do limite de dispensa de licitação para contratações de até R$ 100 mil em obras de engenharia e de R$ 50 mil em caso de serviços.

Leia também:
Maia diz que comissão pode aprovar Previdência na semana que vem
Demissão de Joaquim Levy foi covardia sem precedentes de Guedes, diz Maia

O valor hoje é de R$ 17,5 mil na modalidade de serviços e R$ 33 mil na de obras, de acordo com decreto editado pelo presidente Michel Temer em 2018.

Além disso, a proposta prevê a ampliação da modalidade de diálogo competitivo, em que a administração se reúne com companhias quando diz não ter capacidade para definir qual a modelagem adequada.

Segundo críticos, o modelo pode favorecer fraudes, já que em outros modelos quem decide o orçamento e o formato é unicamente o poder público. Os defensores argumentam que qualquer um que atenda os critérios pode participar, e que aqueles que não fizerem parte das reuniões podem fazer propostas depois do edital.

Apesar da fala de Maia, deputados encaram com ceticismo a possibilidade de votação do projeto ainda nesta semana. Isso porque, com o feriado, só haverá sessão deliberativa na segunda e na terça-feira (18). O quorum, porém, não é garantido.

A Câmara tenta votar o projeto desde o início do ano, sem sucesso.

Foram feitas 117 emendas ao texto. O projeto final cria um portal de contratações públicas, com dados que podem ser acessados online. Será possível ter acesso a editais, lances e situação das obras e ações contratadas. União e estados terão até dois anos para se adaptarem e municípios de até 20 mil habitantes, seis anos.

Também aumenta para 4 a 8 anos a pena para fraudes em licitação ou contrato. Hoje, é fixada em 3 a 6 anos de reclusão.

Os requisitos para contratações se tornam mais rígidos: as empresas serão obrigadas a apresentar documentos que comprovem seu comprometimento, como certidões negativas e habilitação econômica e financeira.

Esses documentos, porém, poderão ser dispensados em casos de entrega imediata e quando o valor for de até um quarto do valor de dispensa de licitação em compras gerais (ou seja, R$ 12,5 mil), e R$ 300 mil para produtos de pesquisa e desenvolvimento.

Foram criados ainda seguros de até 30% do valor do contrato para assegurar a finalização de grandes obras. O prazo de pagamento caiu de 90 para 45 dias, e o que atrasar estará sujeito à incidência de juros e correção monetária.

O requerimento de convite foi protocolado por Gadêlha, Camilo Capiberibe (PSB-AP), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Carlos Veras (PT-PE)
O requerimento de convite foi protocolado por Gadêlha, Camilo Capiberibe (PSB-AP), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Carlos Veras (PT-PE)Foto: Divulgação/ Facebook

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, da qual o deputado federal Túlio Gadêlha (PDT-PE) é vice-presidente, analisa nesta terça-feira (18) requerimento de convite ao jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept, para prestar esclarecimento sobre a série de reportagens relevando o conluio entre ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e procuradores da Operação Lava Jato.

O conteúdo das conversas mostra o comportamento antiético de Moro, ameaçando o Estado Democrático de Direito e evidenciando o caráter político da Operação. “Juiz e acusação combinavam estratégias, trocavam informações dos bastidores dos processos e anunciavam decisões antes de serem julgadas. A vinda de Greenwald à comissão poderá dirimir qualquer dúvida sobre o conteúdo das denúncias que mostra uma grave violação dos princípios do devido processo legal”, declara Gadêlha.

O requerimento foi protocolado por Gadêlha, Camilo Capiberibe (PSB-AP), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Carlos Veras (PT-PE). Greenwald, além de jornalista, é escritor e advogado. Vencedor de um prêmio Pulitzer e de um Esso por revelar, à época no The Guardian, a existência dos programas secretos de vigilância global praticado pelos Estados Unidos.

No domingo (16), Sebastião Oliveira marcou presença na localidade, acompanhado do prefeito Diogo Alexandre, para assinar a Ordem de Serviço que autoriza o início da primeira etapa da intervenção.
No domingo (16), Sebastião Oliveira marcou presença na localidade, acompanhado do prefeito Diogo Alexandre, para assinar a Ordem de Serviço que autoriza o início da primeira etapa da intervenção.Foto: Divulgação

A pavimentação dos sete quilômetros da estrada que dá acesso ao povoado de Mangueira, no município de Chã Grande, é uma demanda bastante antiga da população que finalmente está saindo do papel, graças à iniciativa do deputado federal Sebastião Oliveira, que destinou R$ 900 mil para a execução da obra, por meio de Emenda Parlamentar.

No domingo (16), Sebastião Oliveira marcou presença na localidade, acompanhado do prefeito Diogo Alexandre, para assinar a Ordem de Serviço que autoriza o início da primeira etapa da intervenção. “Para esta fase, já disponibilizei R$ 400 mil em recursos. No segundo semestre, chegarão mais R$ 500 mil, que já estão assegurados, totalizando quase R$ 1 Milhão”, explicou Sebá.

“A nova estrada terá uma grande importância para o desenvolvimento da economia do município, pois facilitará o escoamento da produção de chuchu, já que Mangueira é o maior produtor da região. Outra área beneficiada será a do turismo religioso, pois esta ação também contemplará a pavimentação do pátio da Capela de São Francisco, que é um importante ponto de visitação do povoado”, justificou Sebastião Oliveira.

Deputado Fernando Monteiro (PP) em entrevista à Rádio Folha
Deputado Fernando Monteiro (PP) em entrevista à Rádio FolhaFoto: Leo Malafaia/ Folha de Pernambuco

O deputado federal Fernando Monteiro (PP) avaliou, em entrevista à Rádio Folha, nesta segunda (17), o texto atual da reforma da Previdência que tramita na Câmara dos Deputados, após mudanças na Comissão Especial. O parlamentar também comentou sobre a "fritura" do presidente do BNDES, Joaquim Levy, que pediu demissão neste domingo após ameaças de Bolsonaro, entre outros assuntos.

"A gente não pode negar que a comissão fez um belo trabalho e fez um avanço. Mas eu tendo a votar contra, entendendo que a reforma foi pouco debatida e estudada", disse Fernando. Segundo ele, é preciso rever alguns pontos da proposta, como a retirada de Estados e municípios do texto. "Eu acho que tem que mudar muito ainda. Lamento a reforma ter tirado os governos e municípios, é um erro brutal. Fazer política na hora de fazer a reforma é errado", criticou.
"Cada vez que o ministro Paulo Guedes fala me dá a certeza de que a reforma é para o mercado e não para as pessoas", disse Fernando Monteiro.
O parlamentar questionou a demissão do presidente do BNDES, Joaquim Levy, após atritos com Bolsonaro. "É um erro do presidente Jair Bolsonaro fritar as pessoas dessa maneira. Entendo que a gente precisa rever isso porque o Brasil precisa crescer, temos uma enorme quantidade de pessaos desempregadas e precisamos resolver isso urgente e não ficar tuitando para fritar as pessoas", criticou.

Fernando descartou a possibilidade de impeachment ou golpe de estado, "O presidente Bolsoaro foi eleito e tem que ficar os quatro anos, mas nós do parlamento também fomos eleitos. Democracia é isso é respeitar os poderes, o judiciário o executivo e o legislativo.

Ouça o Podcast com a entrevista completa:

Para Petrolina foram garantidos R$ 5,7 milhões, que serão destinados para a construção de uma escola municipal e a instalação de sistemas de ar-condicionado em salas de aula.
Para Petrolina foram garantidos R$ 5,7 milhões, que serão destinados para a construção de uma escola municipal e a instalação de sistemas de ar-condicionado em salas de aula.Foto: Jonas Santos

Em primeira agenda oficial no Nordeste, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou, junto com o prefeito Miguel Coelho, um pacote de investimentos para o Sertão. Na passagem por Petrolina, nesta segunda-feira (17), só para a "Terra da Fruticultura" foram garantidos R$ 5,7 milhões, que serão destinados para a construção de uma escola municipal e a instalação de sistemas de ar-condicionado em salas de aula.

A nova unidade escolar será erguida no bairro Quati, que até hoje não contava com nenhuma sala de aula municipal. Os demais recursos serão utilizados no programa de climatização de pelo menos vinte escolas de Petrolina e compra de outros equipamentos para o ensino.

Bastante à vontade no município sertanejo, o ministro disse estar impressionado com o desenvolvimento de Petrolina. Weintraub revelou que trinta anos atrás visitou a cidade e, hoje, encontrou uma realidade muito melhor. "Passei aqui de ônibus numa viagem indo de São Paulo para o Ceará. Mudou muito, é outro mundo. Essa é prova de que a gente pode mudar, que podemos enfrentar as dificuldades", elogiou o ministro, que no final do discurso chegou até a tocar numa gaita a música "Baião", de Luiz Gonzaga.

O prefeito Miguel Coelho, por sua vez, falou da relevância dos investimentos trazidos pelo ministro da Educação para dar continuidade à estruturação da rede de ensino de Petrolina. "Em apenas dois anos, já climatizamos mais de metade das salas e hoje o senhor libera mais de R$ 1 milhão para climatizar diversas outras escolas. Numa cidade tão quente como a nossa, isso faz muita diferença para o aprendizado das crianças. E por fim, essa notícia tão importante, que é a construção de uma escola num bairro que nunca teve uma sala de aula", detalhou o prefeito.

Além dos recursos para Petrolina, o ministro Weintraub anunciou R$ 2,1 milhões para mobília, instrumentos musicais e climatização de escolas nos municípios de Afrânio, Araripina, Bodocó, Dormentes e Serrita. Ainda foram liberados investimentos para o campus do Instituto Federal do Sertão (IF), localizado em Ouricuri.

petrolina

Secretaria da Controladoria-Geral do Estado (SCGE)
Secretaria da Controladoria-Geral do Estado (SCGE)Foto: Divulgação

Curso “Básico de Prestação de Contas” e “Controladoria em Ação” foram as duas atividades promovidas pela Escola de Controle Interno da Secretaria da Controladoria-Geral do Estado (ECI/SCGE) ao longo da semana de 10 a 14 de junho. A programação contou com a participação de mais de 420 pessoas, entre prestadores de serviços da administração pública e alunos da rede estadual de ensino.

A primeira iniciativa do período foi direcionada para 45 funcionários terceirizados, que atuam nas secretarias estaduais de Saúde (SES); Educação e Esportes (SEE); e Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ). O curso “Básico de Prestação de Contas” teve início na segunda-feira, dia 10, encerrado na manhã desta segunda-feira, dia 17, no auditório da SCGE, no bairro do Espinheiro, no Recife.

Ministrado por Simone Leite, da Diretoria da Orientação ao Gestor e Informações Estratégicas (DOGI/SCGE), o curso teve o propósito de repassar conhecimentos sobre procedimentos de composição, análise e arquivamento dos processos de prestação de contas das despesas efetuadas pelos órgãos e entidades executoras da administração direta e indireta do Poder Executivo de Pernambuco, integrantes do orçamento fiscal.

Já na terça-feira, dia 11, a programação da ECI ocorreu na Escola Técnica Estadual (ETE) Aderico Alves de Vasconcelos, no centro da cidade de Goiana, Região Metropolitana do Recife. Lá, dentro do projeto “Controladoria em Ação”, foram proferidas palestras sobre “Cidadania e combate à corrupção” e “Controle da merenda escolar terceirizada”.

As temáticas foram apresentadas, respectivamente, por Luciana Silva e Isis Andrade, da Coordenadoria de Atendimento ao Cidadão, vinculada à Diretoria da Ouvidoria-Geral (DOGE/SCGE); e Karlos Aragão, chefe da Unidade de Promoção da Qualidade do Gasto da SCGE. O registro de manifestações de ouvidoria também fizeram parte das atividades da ECI na ETE, que contou com a participação de 400 pessoas, aproximadamente, entre alunos, professores e gestores escolar.

Cronograma – O “Controladoria em Ação” tem como principal objetivo, aproximar a sociedade da administração pública estadual por meio, especialmente, da ouvidoria ativa e do fomento ao controle social. Nesse primeiro momento, em parceria com a Secretaria de Educação e Esportes (SEE), seis escolas do Recife e Região Metropolitana foram escolhidas para receber a iniciativa.

A primeira unidade contemplada foi a Escola de Referência em Ensino Médio (EREM) Professor Alfredo Freyre, no bairro de Água Fria, no dia 22 de maio. No dia 04 de junho o projeto foi realizado na EREM Professor Trajano de Mendonça. Até o mês de setembro, a atividade será levada para outras três escolas da rede estadual de ensino. São elas: ETE Governador Eduardo Campos (Centro/São Lourenço da Mata), dia 08/08; ETE Jurandir Bezerra Lins (Centro/Igarassu), dia 14/08; e EREM Edson Moury Fernandes (Muribeca/Jaboatão dos Guararapes), dia 10/09.

assuntos

comece o dia bem informado: