Foram encontrados 386 resultados para "Agosto 2018":

Radialista Edvaldo Morais
Radialista Edvaldo MoraisFoto: Rafael Furtado/Arquivo Folha de Pernambuco

A morte do radialista Edvaldo Morais, na noite desta segunda-feira (27), no Hospital Santa Joana, bairro das Graças, repercutiu também no meio político. O velório será realizado a partir das 9h desta segunda (28), na capela central do Cemitério de Santo Amaro, e o enterro será no mesmo local, a partir das 14h. Confira alguns depoimentos:

Paulo Câmara, governador de Pernambuco

"O jornalismo pernambucano perdeu uma das suas vozes mais marcantes e conhecidas com a morte de Edvaldo Morais. Edvaldo foi um profissional do radialismo que, ao longo de sua vida, nunca perdeu suas raízes populares, em defesa daqueles que mais precisam. Quero me solidarizar com seus familiares, amigos e os milhares de admiradores que conquistou em todas emissoras que trabalhou".

Geraldo Julio, prefeito do Recife 

"Fui surpreendido na manhã desta terça-feira com a triste notícia do falecimento do comunicador Edvaldo Morais. Uma voz importante da imprensa pernambucana que eu tive a oportunidade de conversar por diversas vezes. Um homem que sempre defendeu os mais necessitados e vai fazer muita falta. Lamento muito a morte do radialista e deixo meus pêsames aos familiares, amigos e todos da Rádio Folha."

Jayme Asfora, vereador do Recife

A perda de Edvaldo Morais para mim é a partida de um amigo querido. Qdo ele me ligava pra falar logo muito cedo sempre era um momento ótimo. Sua forma de entrevistar era assim: um bate-papo franco e saudável sobre os assuntos mais importantes para a sociedade e transmitido para milhares de pessoas pela rádio todo dia. Neste momento, estou unido a todos os seus ouvintes, admiradores, colegas da imprensa e familiares pelo sentimento de tristeza, mas com a certeza de que ele cumpriu de forma digna e brilhante a sua missão aqui na terra”.

Rinaldo Junior, vereador do Recife

"É com bastante pesar que recebi a notícia do falecimento do amigo radialista Edvaldo Morais. O movimento popular e o movimento sindical pernambucano perdem seu maior porta voz. Solidarizamos-nos com todos os familiares e amigos e expressamos nossas sinceras condolências".

Professor Lupércio, prefeito de Olinda

"Olinda e todo o Pernambuco amanheceram mais tristes, nesta terça-feira, com a notícia da morte do comunicador Edvaldo Morais. Um homem de voz firme e sempre comprometida com a verdade. Por diversas vezes, tive o prazer de conversar com Edvaldo, tratando de assuntos do interesse da população. Para ele, o rádio sempre foi um instrumento de prestação de serviço, ao qual dedicou toda a sua vida, elucidando fatos e encurtando distâncias. Cotidianamente, nos trazia uma linguagem clara, bem humorada e capaz de atingir a todos. O seu belo trabalho jamais será esquecido. Neste momento de dor, deixo aqui a minha solidariedade e uma palavra de conforto a família, aos amigos, colegas de profissão e a todos os seus ouvintes".

Mario Ricardo, prefeito de Igarassu

"Pernambuco amanheceu triste e calado, perdemos uma das maiores vozes do rádio em todo Brasil, em particular perdi um amigo que tanto admirava e respeitava. Meus sentimentos a toda família Folha e Rádio Folha FM onde Edvaldo representava sua profissão com muita sabedoria. Meus respeito aos familiares a esta perda tão repentina, fica para nós os ensinamentos do Edvaldo Moraes, que em sua jornada fez com tanta maestria. Vá com Deus meu amigo".

Terezinha Nunes, deputada estadual

"Perdi esta madrugada um grande amigo e excelente profissional,o radialista Edvaldo Morais. Vítima de parada cardíaca, Edvaldo deixa grande lacuna no radialismo pernambucano e enorme tristeza entre seus amigos e familiares. O povo pernambucano, acostumado a acordar ouvindo a voz dele, vai demorar a se acostumar com a sua perda. Que Deus o receba e conforte a nós todos".

Jarbas Vasconcelos, deputado federal

Pernambuco perdeu um grande comunicador e eu perdi um amigo. Edvaldo Morais era um profissional determinando e comprometido com a verdade. Era uma pessoa humilde, sempre dando sonoridade às necessidades e problemas da população, era o porta-voz do povo. Tive a alegria e o privilégio de encontra-lo muitas vezes ao longo da minha caminhada. Nossas manhãs, a partir de agora, ficarão solitárias. Aos familiares e muitos amigos que deixou, presto meus sinceros sentimentos.”

Fernando Bezerra Coelho, senador

"Perdi, nesta madrugada, um grande amigo e excelente profissional: o radialista Edvaldo Morais. Vítima de parada cardíaca, Edvaldo deixa grande lacuna no radialismo  pernambucano e enorme tristeza entre seus amigos e familiares. O povo pernambucano, acostumado a acordar ouvindo a voz dele, vai demorar a se acostumar com a perda de Edvaldo Morais. Que Deus o receba e conforte a nós todos".

Armando Monteiro, senador

"A morte de Edvaldo Morais deixa uma lacuna na sociedade pernambucana. Com seu estilo único, Edvaldo foi sempre um comunicador ativo em prol das batalhas travadas pelo povo, sendo um porta-voz dos anseios das pernambucanas e pernambucanos. Deixamos neste momento triste nossa solidariedade à família, aos amigos e aos que conviveram com Edvaldo".

Deputado Silvio Costa Filho, líder da bancada de Oposição da Assembleia Legislativa de Pernambuco 

Hoje é um dia triste para o rádio pernambucano. Foi com grande pesar que recebemos a notícia do falecimento do comunicador Edvaldo Moraes. Ele era, sem dúvidas, um profissional extremamente informado e uma das vozes mais marcantes do jornalismo do nosso Estado. Pernambuco perde uma grande referência do radiojornalismo, que trazia ao público, logo cedo, as principais notícias do dia. Nossa solidariedade aos familiares, amigos e admiradores que Edvaldo conquistou ao longo dos quase 50 anos de trajetória no jornalismo.

Lula Cabral, prefeito do Cabo de Santo Agostinho

O Prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Lula Cabral, manifesta o seu mais profundo pesar pelo falecimento do radialista, Edvaldo Morais, ocorrido nesta segunda-feira, 27 de agosto.

“Querido por todos, Edvaldo ao longo de sua vida conservou amizades, sempre prezando pela lealdade e respeito. Neste momento de dor, nos solidarizamos com os familiares, amigos e comunicadores, pela perda deste grande profissional que deixou um verdadeiro legado no rádio pernambucano. Edvaldo deixará muitas saudades em todos com quem conviveu e cativou”.

Armando Monteiro vai criar Comando Cidadão
Armando Monteiro vai criar Comando CidadãoFoto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Falando em auditoria na saúde e cooperação com os municípios para o ensino público, o candidato ao Governo do Estado, Armando Monteiro Neto (PTB), usou o tom de “gestor empresarial” para propor o aperfeiçoamento da administração estadual, eliminando gargalos e pegando emprestadas experiências que deram certo. Em sabatina na Rádio Folha FM 96,7, Armando evitou fazer promessas e acusou o governador Paulo Câmara (PSB) de não cumprir as garantias que deu ao ser eleito em 2014. O petebista, por sua vez, falou em colocar para funcionar o que estiver parado e que pretende melhorar o ensino público, que é, inclusive, a “vitrine” da gestão socialista.

Armando foi o penúltimo dos sete postulantes ao Palácio das Princesas que passaram pelo programa Folha Política. Seu tom foi mais cauteloso, no sentido de “ser mais econômico na promessa, pra poder não ser cobrado amanhã”. “Em 2014 prometeram muita coisa. Dobrar salário de professor, implantar bilhete único, construir quatro hospitais. Se essa eleição for um concurso de promessas, eu estaria condenado a perder”, disparou o senador, usando um mote recorrente em seus discursos.

Saúde
O candidato focou em "como melhorar o desempenho da rede de saúde". "Esse sistema vem funcionando mal. O primeiro elo dessa cadeia da saúde é a atenção básica", ponderou. "Nós queremos descentralização, melhoria de gestão, qualificação dos serviços e humanização do atendimento", definiu.
Elencando quatro hospitais que não foram entregues, o senador sugere analisar o estado das obras e definir prioridades de entrega. No tocante às organizações sociais de saúde (OSS), prometeu uma auditoria para avaliar o custo-benefício do modelo. "As OSS estão menos submetidas à burocracia, ao engessamento da lei, em relação aos hospitais públicos, mas, ainda que não tenham o caráter estatal, precisam contemplar o interesse público", considerou.

Leia também:
O que confere na sabatina de Armando Monteiro na Rádio Folha
“Não tenho compromisso com a candidatura de Haddad. Eu tenho compromisso com Lula”, diz Armando
Armando Monteiro critica falta de investimentos e “terceirização da culpa” do governador
Armando Monteiro bate na saúde em Pernambuco e propõe mais apoio aos municípios
Armando Monteiro questiona PPP do Presídio de Itaquitinga
Armando elogia Marília Arraes, mas mantém cautela sobre possível aliança
[Vídeo] “A política é o exercício da esperança”, disse Armando Monteiro


Segurança
Armando elogiou a concepção do Pacto pela Vida, mas pontuou que o modelo perdeu força desde que Paulo Câmara assumiu. "A sensação que tivemos é que, na medida em que os índices foram se deteriorando, o governo foi se ausentando do comando. Nós temos que restaurar a autoridade do Governo de Pernambuco", alegou. Nesse sentido, criticou a escala e a má distribuição do efetivo policial no Estado. E defendeu a repactuação do Pacto e um trabalho na prevenção à criminalidade junto aos municípios. Ele também sugere a implantação de mini-presídios municipais, fazendo convênio com as prefeituras.

Educação
Tachando de "ufanista e pouco realista" o tratamento dado aos resultados de Pernambuco com o IDEB do ensino médio, Armando reconheceu os avanços nos governos do PSB, mas atentou para a importância da educação básica. "O Estado não pode ficar preso nessa visão de que o ensino fundamental é apenas com os municípios. O Ceará é o 5º do Brasil melhor situado no IDEB, eles dão incentivo de ICMS ao município pelo desempenho na área educacional. Nós podemos replicar essa prática".

Infraestrutura

Armando elegeu como prioridade a requalificação da BR-232. "Após recuperar a malha viária, em péssimas condições, vamos considerar a duplicação até Arcoverde", pontuou. O senador também garantiu que realizará a revitalização do Rio São Francisco. "Precisamos de um programa forte de recuperação das matas ciliares, tratamento de esgoto, cobertura vegetal. E ainda assim cuidar dos projetos que estão em curso, como por exemplo, a Adutora do Agreste", afirmou.

Política econômica
No tocante à geração de empregos, propôs uma política tributária "mais justa" com as micro e pequenas empresas. Também questionou a política de investimentos praticada no governo de Paulo Câmara. "Eu acho graça porque ficam botando culpa na crise. Por que a Bahia e o Ceará, que também fazem oposição a Temer, por que investem mais do que o dobro do que Pernambuco investe?", indagou.

Apoio ao PT
Na corrida presidencial, deixou clara sua posição. "Meu candidato é Lula, não tenho compromisso com Haddad (vice e provável plano B petista). Se Lula não for candidato, me sinto liberado para fazer minha escolha”. Por outro lado, enfatizou a abertura do palanque para o candidato Geraldo Alckmin (PSDB). “Vários partidos que defendem sua candidatura estão na nossa chapa, inclusive o meu”, disse.

Ana Patrícia será sabatinada nesta terça-feira
Ana Patrícia será sabatinada nesta terça-feiraFoto: Arte/Folha de Pernambuco

No último dia da série de entrevistas com os candidatos ao Governo de Pernambuco do programa Folha Política, promovida pela Rádio Folha FM 96,7, Ana Patrícia Alves, do PCO, será entrevistada, esta terça-feira (28), às 11h. As sabatinas têm como objetivo que os candidatos apresentem e esclareçam as suas propostas sobre saúde, segurança e drogas, ação social, educação, cultura, infraestrutura, desenvolvimento econômico e turismo, além de debater a conjuntura político-partidária da disputa.

Os assuntos foram sinalizados como prioritários pela própria população, por meio da uma pesquisa de opinião do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), divulgada pela Folha. As entrevistas serão ancoradas pelo jornalista Jota Batista, com a participação de Jairo Lima, titular do Blog da Folha, e com jornalistas da editoria de Política da Folha de Pernambuco. Também haverá a participação de representantes de emissoras do interior, trazendo perguntas específicas de suas regiões.

Desde o início da série de entrevistas, no dia 20 de agosto, o governador e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB), o ex-prefeito de Petrolina Júlio Lóssio (Rede), Simone Fontana (PSTU), o ex-deputado federal Maurício Rands (PROS), a advogada Dani Portela (PSOL) e o senador Armando Monteiro Neto (PDT) foram sabatinados.

Segundo as regras acordadas pelos representantes das coligações, os candidatos não devem fazer alusão a outros postulantes ou chefes de Executivo estadual ou municipal que venham a denegrir sua imagem pessoal, podendo a entrevista ser suspensa seguindo normas do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE). Na entrevista, não haverá a participação de ouvintes. O programa será iniciado às 11h e o candidato que chegar fora do horário não terá o tempo compensado.

Agenda do candidato Paulo Câmara (PSB)

RECIFE
10h – Debate Rádio Jornal
Local: Rua Capitão Lima, 250 - Santo Amaro

PAULISTA
18h – Inauguração de Comitê
Local: PE-15, Vila Torres Galvão (Ao lado do Seabra Serv Car)

Agenda do candidato Júlio Lóssio (Rede)

9h– Entrevista para o Leia Já, com Aldo Vilela
Local: R. da Aurora, 225 - Boa Vista, Recife;

11h – Live Pernambuco Pode Mais;

14h – Encontro com lideranças das cidades de Olinda e Palmares
Local: Paço Alfandega, Recife.

Agenda Armando Monteiro (PTB)

10h- Debate na Rádio Jornal

14h- Senado Federal – Brasília

Agenda Simone Fontana (PSTU)

9h - Reunião com assessoria política.

14h - Reunião com professoras na sede do partido. Rua do Sossego, 220.

22h15 - Sabatina Roda Viva com Aldo Vilela TV Nova.

Mendonça Filho (DEM) em almoço com prefeitos
Mendonça Filho (DEM) em almoço com prefeitosFoto: Bruno Campos/Divulgação

O deputado federal e candidato ao Senado pela Coligação Pernambuco Vai Mudar, Mendonça Filho (DEM), recebeu nesta segunda-feira (27), apoio de mais 14 prefeitos da base do Governo para sua candidatura ao Senado. Mendonça conta agora com 29 prefeitos da base governista na Zona da Mata, no Agreste e no Sertão e de partidos como o PSB, PSD, PR, PDT, MDB, PHS e Solidariedade.

No almoço de adesão, Mendonça recebeu, ainda, o apoio do deputado federal, pastor Eurico (Patriota), também da base de Paulo Câmara. “Levamos adiante os projetos de interesse de cada município pernambucano de todas as regiões e agora recebo o reconhecimento em forma de apoio a minha candidatura ao Senado”, comemorou Mendonça.

Estiveram presentes no almoço desta semana, os prefeitos George Bezerra, de Camocim de São Félix; Ednaldo Peixoto, de Jucati; Adilson Timóteo, de Inajá; João Lira, de Bom Jardim; Marconi Santana, de Flores; Pel de São José da Coroa Grande; Jadiel Braga, de São Caitano; Rildo Reis, de Amaraji; Osvaldinho, de Goiana; Sérgio Hacker, de Tamandaré; Maviael Cavalcante, de Macaparana; Elimário Farias, de Barreiros; Ulisses Filho, de Timbaúba e Evandro Valadares, de São José do Egito. A expectativa de Mendonça é que até meados de setembro outros nomes sejam oficializados.

Sebastião Oliveira e Paulo Câmara, em Serra Talhada
Sebastião Oliveira e Paulo Câmara, em Serra TalhadaFoto: Hélia Scheppa/PSB

O governador e candidato à reeleição, Paulo Câmara (PSB), visitou a feira do município de Serra Talhada, nesta segunda-feira (27. Paulo chegou à cidade um dia após adversários da coligação “Pernambuco que Você Quer”, do candidato ao Senado e deputado federal, Silvio Costa (Avante), o prefeito Luciano Duque (PT), além da vereadora Marília Arraes (PT), que também realizaram campanha no município.

Paulo Câmara vem sofrendo duras críticas dos oponentes à sua gestão na cidade sertaneja devido ao atraso na construção do Hospital Geral do Sertão Governador Eduardo Campos – HGS. O socialista se defende e promete, em caso de reeleição, a entrega do hospital para dezembro de 2019.

Leia também:
Paulo Câmara visita feira de Serra Talhada


"Quando a gente inicia um hospital, como o Geral do Sertão, é para possibilitar a população um atendimento de qualidade, sem que ela precise se deslocar 300 quilômetros, como ocorre hoje. E fazemos isso em todas as áreas porque esse é o sentido do Estado. E tenho certeza de que faremos muito mais nos próximos quatro anos, com o apoio da população e de pessoas como o deputado Sebastião, Carlos Evandro (PSB), Vítor Oliveira (PR) Jarbas Vasconcelos (MDB) e Humberto Costa (PT)", afirmou Paulo, em inauguração do comitê do deputado federal Sebastião Oliveira (PR).

Além de Sebastião Oliveira (PR), o ex-prefeito Carlos Evandro (PSB), além de Vítor Oliveira (PR), segundo colocado nas eleições municipais de 2016 estiveram presentes nas atividades.  

Em Petrolina, Júlio Lóssio (REDE) recebe apoio de dissidentes
Em Petrolina, Júlio Lóssio (REDE) recebe apoio de dissidentesFoto: Raquel Elblaus/Divulgação

O candidato da Rede Sustentabilidade ao Governo de Pernambuco, Julio Lossio, vem recebendo apoio de candidatos de partidos ligados a outras coligações. Postulante a deputado federal pelo Pros, o médico Waldir Tenório esteve em Petrolina para apoiar Lóssio. Outros dissidentes como o prefeito de Afrânio, Rafael Cavalcanti (MDB), e o prefeito de Cedro, Antonio Leite (PR), ambos membros de partidos da Frente Popular, também anunciaram apoio ao candidato da Rede.

Leia também:
Confira a cobertura completa da entrevista de Júlio Lóssio
Júlio Lóssio destaca vocação de Serra Talhada e região para o comércio
O que confere na sabatina de Júlio Lóssio à Rádio Folha

De acordo com Lossio, os apoios recebidos demonstram a força que vem ganhando em todo o Estado. “Receber o apoio de figuras tão importantes em suas cidades, e com visões e objetivos tão parecidos com os meus, só me dá alegria. Tê-los ao meu lado nessa caminhada, me enche de esperança. Sinto que não estou só, Pernambuco está comigo”, afirmou.

Paulo Câmara (PSB) na feira de Serra Talhada
Paulo Câmara (PSB) na feira de Serra TalhadaFoto: Hélia Scheppa/PSB

Em visita à feira-livre de Serra talhada, o governador e candidato à reeleição pela Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), conversou com feirantes e frequentadores, acompanhado dos postulantes ao Senado, Jarbas Vasconcelos (MDB) e Humberto Costa (PT) e de candidatos proporcionais.

"O povo sabe o que o nosso conjunto político representa. Estamos lutando para o Brasil voltar a ser feliz, com a eleição de Lula para presidente da República, e para continuar os avanços em Pernambuco. Esse carinho que recebemos só confirma que estamos no caminho certo, que vamos vencer as eleições para fazer mais pelas pessoas", destacou o governador.

Leia também:
Confira a cobertura completa da entrevista de Paulo Câmara
Sobre Dilma e Temer, Paulo diz: “Estão errados, os dois”
Frente popular anuncia chapa majoritária, com Paulo Câmara e Luciana Santos


Café da manhã - Antes de visitar a feira, Paulo participou de um café da manhã oferecido pelo ex-prefeito de Serra Talhada, Carlos Evandro. O encontro ainda reuniu lideranças políticas e representantes da sociedade civil. "Quando visito os municípios procuro sempre conversar com as pessoas que pensam como a gente, que procuram o melhor para a população. E Carlos Evandro é um grande amigo, que vai nos ajudar muito", afirmou Paulo Câmara.

O senador e candidato ao Governo de Pernambuco pelo PTB, Armando Monteiro Neto, comentou sobre as deficiências na área da Saúde, como a falta de medicamentos para a população e a superlotação das emergências. Também criticou a área da Segurança Pública e considerou a possibilidade de iniciar estudos para construção de mini-presídios, o que poderia a diminuir a super-população encontrada no sistema penitenciário do Estado.

Os números apresentados pelo governador Paulo Câmara (PSB), candidato à reeleição, sobre o primeiro lugar no IDEB pelo terceiro ano consecutivo. “Vamos continuar a ter atenção sobre o ensino médio, mas vamos fazer um programa forte do ensino fundamental também. Programas de creches e pré-escola”, avisou.

Armando Monteiro foi o entrevistado desta segunda-feira (27) da Rádio Folha 96.7FM

Armando Monteiro foi o entrevistado desta segunda-feira (27) da Rádio Folha 96.7FM - Crédito: Divulgação

Leia também:
Armando elogia Marília Arraes, mas mantém cautela sobre possível aliança
Armando Monteiro questiona PPP do Presídio de Itaquitinga
Armando Monteiro critica falta de investimentos e “terceirização da culpa” do governador
Armando Monteiro bate na saúde em Pernambuco e propõe mais apoio aos municípios


Sobre o desempenho na corrida eleitoral, Armando espera que o alto índice de eleitores que afirmam votar branco ou nulo deve ter uma queda com o crescimento da campanha. “A política é o exercício da esperança. Temos muita confiança que vamos poder oferecer a Pernambuco o melhor caminho”, disse, nesta segunda-feira (27), na Rádio Folha 96.7 FM.

Jorge Waquim, graduado em filosofia e tradutor.
Jorge Waquim, graduado em filosofia e tradutor.Foto: Divulgação

A campanha para as eleições já começou e, com ela, os debates. Nestes, o candidato ou a candidata tem um tempo exíguo – um minuto – para responder à pergunta, mais quarenta e cinco segundos de tréplica, ou seja, tempo que exige concisão e objetividade. O que pode ser dito em um minuto será convertido, pouco a pouco, em intenções de voto.

Os dois debates de candidatos a presidente a que assistimos em duas redes de televisão diferentes vêm demonstrar que o minuto revela não a qualidade do candidato, quando este a tem, mas justamente a sua falta de qualidade. Em um minuto, alinhava-se uma ideia, um compromisso de campanha, uma promessa, e por isso mesmo esse minuto é revelador. O candidato precisa ser objetivo, sob o risco de cair na descrença do telespectador com o voto na mão. E justamente, o minuto se torna constrangedor quando o candidato nada sabe sobre o assunto ou quando até despreza a questão.

Votamos pela palavra, daí vem a importância do debate e da demonstração da capacidade oral do candidato em responder a perguntas. Em democracias, a palavra serve de crivo para as decisões, ao contrário das tiranias, onde o que prevalece é a força das armas, a ameaça e a intimidação física de um grupo sobre a nação.

De que adiantava ter um bom discurso durante a tirania brasileira, que foi de 64 a 85? Por isso, os generais presidentes não davam muitas entrevistas nem precisavam de discursos convincentes, muito pelo contrário. Todos conhecem a truculência das palavras do último presidente ditador, o general Figueiredo, que chamou os pobres de fedorentos, “prefiro o cheiro dos cavalos” e que ameaçava “bater e arrebentar” quem fosse contra. E nessa ditadura, onde a palavra era proibida, aqueles que dela se utilizavam bem, jornalistas, professores, artistas e políticos da oposição, todos foram torturados, exilados, presos ou constrangidos ao silêncio pela censura. E o que é a censura, se não a recusa ao debate?

A democracia, ao contrário das tiranias, quer o debate, a argumentação verbal, o antagônico, o dissenso. O debate, enquanto diálogo, é uma forma de conflito em sua mais nobre forma, pois do debate o que sobra são posições estabelecidas na mesa de discussão, mudanças de opinião e, oxalá, a construção conjunta de boas soluções para os problemas.

Na Grécia antiga, na cidade de Atenas, inventou-se pela primeira vez na história da humanidade o uso da palavra para resolver questões públicas. E é essa a grande novidade da democracia ateniense em contraposição às tiranias: nestas, o tirano fazia o que queria, naquela, a decisão passou a ser tomada a partir do embate das palavras.

Pela importância que a palavra ganhou na sociedade ateniense é que muitos dos diálogos de Platão retratam Sócrates combatendo os sofistas, que magnetizavam a audiência com argumentos tortuosos. O objetivo desses diálogos era justamente combater a tortuosidade dos argumentos sofistas em uma sociedade onde tudo era decidido pela palavra.

É talvez por isso que o candidato da extrema-direita a presidente se sinta tão desconfortável com o debate. No seu universo o que vale são as armas, é o tiro, é a eliminação rápida do inimigo: tudo se resume ao simplismo da violência bruta e cega. Claramente perdido no debate, desconcertado pelo longo minuto quando tem de expor ideias, o que faz é soltar bravatas e ameaças.

A democracia como debate ainda é incipiente no Brasil, os anos de ditadura nos fizeram um mal que é difícil extirpar. Talvez isso explique a impaciência do brasileiro comum com a batalha das palavras e a prontidão para aceitar simplismos que prometem resolver tudo com uma canetada. O cidadão precisa se acostumar com as divergências que o debate traz, sob o risco de retornarmos ao regime de exceção.

*Jorge Waquim é filósofo pela Universidade Paris Nanterre.

assuntos

comece o dia bem informado: