O promotor Frederico Magalhães e o procurador Ricardo Lapenda, ambos são integrantes do Gaeco, durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (5).
O promotor Frederico Magalhães e o procurador Ricardo Lapenda, ambos são integrantes do Gaeco, durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (5).Foto: MPPE

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) detalhou, na manhã desta quinta-feira (5), a terceira fase da Operação Gênesis - deflagrada pelo MPPE junto com Polícia Civil e a Polícia Militar no município de Catende, na Mata Sul do Estado. A operação culminou no afastamento do prefeito Josibias Cavalcanti (PSD), de 89 anos, juntamente com o secretário de Governo, Alexandre Cavalcanti, que é filho dele; e de outros seis servidores municipais suspeitos de integrar um grupo criminoso que desviou recursos públicos da gestão municipal.

De acordo com o procurador de Justiça e coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas do Ministério Público de Pernambuco (Gaeco), Ricardo Lapenda, toda investigação começou com empresas que atuavam em Quipapá. Durante o andamento dessa investigação, foi identificado que elas também atuavam em Catende.

Leia também:
Prefeito de Catende, secretário e servidores são afastados por desvio de recursos
Grupo que desviou R$ 18 mi da Prefeitura de Quipapá é alvo de operação
Modus operandi de investigados pela Operação Gênesis é detalhado


Lapenda explicou que na segunda fase da Operação Gênesis o MPPE já havia solicitado o afastamento do prefeito. O pedido, no entanto, foi indeferido. O juiz apenas autorizou a busca e apreensão. Em outra ação com foco em empresários, em Quipapá, a partir de quebras de sigilo e celulares apreendidos, o órgão reuniu elemendos que, segundo o procurador, possibilitaram solicitar reconsideração do pedido de afastamento.



Em seguida, o juiz titular de Catende, diante das provas, deferiu o pedido de afastamento. "Essa operação foi justamente para notificar o prefeito do afastamento, assim como o secretário. E notificar a Câmara e o Banco do Brasil, por questão de contas", explicou.

O afastamento do prefeito é temporário, ou seja, por no máximo 180 dias. Apesar de não estar na Prefeitura, o gestor continua recebendo salário normalmente. Lapenda ainda explicou que uma investigação pode ser feita diante dos fatos apresentados.

assuntos

comece o dia bem informado: