Carlos Siqueira é presidente do PSB
Carlos Siqueira é presidente do PSBFoto: Divulgação

Diante das últimas movimentações regionais e da condicionante do PT de apoio ao ex-presidente Lula para se aliar ao PSB, socialistas e petistas já admitem, em reserva, que a aliança está mais distante de acontecer. Apesar de haver um esforço para as querelas estaduais não contaminarem a aliança nacional, a conjuntura adversa nos estados tem influência direta na construção. Dirigentes dos dois partidos devem voltar à mesa na próxima semana.

Nos últimos dias, parlamentares socialistas admitiram que o anúncio da chapa de Rui Costa (PT) na Bahia, sem a senadora Lídice da Mata (PSB), um possível apoio do PT a uma adversária do ex-secretário João Azevedo (PSB) na Paraíba, as movimentações de Marília Arraes (PT) - com anuência da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, para pressionar o PSB - e a situação delicada do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), entram no cálculo da aliança.

Leia também:
Governadores socialistas se reúnem para buscar entendimento
Marília Arraes e Sílvio Costa lançam chapa para as eleições 2018
Obstáculos à aliança entre petistas e o PSB
Marília Arraes é a maior ameaça ao PSB


Com isso, as opções de apoio ao ex-governador Ciro Gomes (PDT), pré-candidato à Presidência, ou a liberação dos diretórios estaduais passaram a ser as mais factíveis. Os petistas, então, começam a trabalhar com a hipótese dos socialistas ficarem neutros na campanha, que seria uma forma de contemplar algumas construções regionais, como em Pernambuco e São Paulo.

No Estado, o governador Paulo Câmara ainda aguarda as definições do PT, mas já pondera não ter o partido no seu arco de aliança. Já os petistas, tanto aliancistas quanto os defensores da candidatura própria estão exaustos com a indefinição. Marília, todavia, trabalha com o senso de oportunidade e segue articulando a postulação.

Numa consulta informal do presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, a presidentes estaduais da legenda, na última segunda, a inclinação do partido por um apoio a Ciro ou à liberação dos diretórios ficou evidente. Siqueira segue dialogando com correligionários e, na quarta-feira (26), conversou com os governadores. Na próxima semana, deve haver uma reunião do núcleo duro para tratar de cenários e alianças.

assuntos

comece o dia bem informado: