Paulo Câmara
Paulo CâmaraFoto: Divulgação

Presente na homenagem ao deputado Jarbas Vasconcelos (MDB), realizada pelo Caxangá Ágape, nesta quarta (25), o governador Paulo Câmara (PSB) admitiu que a presença do PT na sua chapa “ainda não é uma certeza”. As negociações com a cúpula petista, que se arrastam há meses, devem se encerrar, neste caso, em cima da convenção, marcada para o dia 5 de agosto. O gestor, segundo ele próprio, fez a sua parte. Vai fazer palanque para Lula, independente da articulação nacional. Mas a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, quer que este apoio seja formal e, por isso, a indefinição persiste.

Paulo Câmara e Gleisi Hoffmann se reuniram nesta terça (24). Na ocasião, os dois se atualizaram sobre a situação dos diretórios estaduais de seus respectivos partidos. O socialista reiterou seu apoio à candidatura presidencial do PT e manteve a disposição para dialogar com os seus pares, na busca de um entendimento interno. Porém, admitiu que existem opiniões divergentes dentro da sigla, que são difíceis de conciliar. “Estamos trabalhando com o que tem de certo. E o que tem é a aliança com vários partidos. O PT ainda não é uma certeza. Pelo contrário. Tem uma série de indefinições”, colocou o governador.

Questionado se a aliança com o PT deve prosperar em Pernambuco, mesmo que a aliança nacional não se concretize, Paulo Câmara disse que “isso vai depender do PT”. "Deixamos claro que vamos apoiar Lula e independe com a questão nacional”, afirmou. Nesta terça (24), o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, decidiu adiar novamente a reunião do Diretório Nacional do partido, que seria em 30 de julho, para uma data mais próxima da convenção.

Com informações de Marcelo Montanini, repórter de Política

assuntos

comece o dia bem informado: