Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão
Jair Bolsonaro e Hamilton MourãoFoto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro decidiu enviar seu vice, o general Hamilton Mourão, para a posse do presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández. A informação foi confirmada à reportagem pelo porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros.

A decisão foi tomada nesta segunda-feira (9) depois de Bolsonaro ter desistido de enviar um representante brasileiro.

"Eu vejo como gesto político de boa vontade com o novo governo argentino", disse Mourão à reportagem.

Segundo o vice-presidente, ele foi chamado ao gabinete do presidente na tarde desta segunda, enquanto Bolsonaro estava reunido com uma equipe de ministros: Paulo Guedes (Economia), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e Augusto Heleno (GSI).

Leia também:
Brasil e Argentina assinam acordo para aumentar número de voos entre países
Bolsonaro marca terreno no Mercosul antes da posse de Fernández na Argentina


Mourão disse não ter sido informado sobre os motivos que fizeram o presidente mudar de ideia, mas afirmou que ouviu de Bolsonaro se ele se importava de representá-lo na posse de Fernández.

O vice disse ainda que o presidente pediu que ele levasse os cumprimentos e desejo de boa sorte ao novo líder argentino, mas não soube dizer se o presidente brasileiro telefonará para seu contraparte.

Mourão deve embarcar às 20h desta segunda para Buenos Aires para o evento que será realizado na terça (10).

Bolsonaro é crítico de Fernández por seu posicionamento político de esquerda e de proximidade com Cristina Kirchner, sua vice, aliada a ex-presidentes brasileiros como Dilma Rousseff e Lula.

Após o resultado das urnas, no fim de outubro, o presidente brasileiro decidiu não ligar para o argentino para cumprimentá-lo pela vitória. Ele dirigiu uma série de críticas ao candidato eleito por ele ter declarado apoio à liberdade do ex-presidente Lula.

Bolsonaro havia desistido de enviar um representante após a ida do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao país vizinho na semana passada.

Segundo assessores presidenciais, Bolsonaro foi convencido por Maia a mudar de decisão e fazer um gesto diplomático em direção à Argentina. Ele telefonou na tarde desta segunda para avisar o presidente da Câmara sobre a mudança de planos.

Pela manhã, questionado sobre o assunto, Bolsonaro disse que ainda estava analisando a lista de convidados de Fernández para a posse e negou que a relação comercial entre Brasil e Argentina fosse sofrer qualquer alteração com a mudança de governo no país vizinho.

"Estou analisando a lista de convidados. Quando eu assumi aqui, eu não convidei algumas autoridades também. E o nosso comércio com a Argentina continua sendo da mesma forma. Sem problema nenhum, não vai interferir em nada", disse ao sair do Palácio da Alvorada.

Irritado com o tema da pergunta, ele encerrou a entrevista.

Nos últimos dias, o presidente foi informado por diplomatas brasileiros que a ausência de um representante brasileiro na cerimônia de posse teve uma repercussão negativa no país vizinho, o que poderia afetar negociações futuras.

No final de semana, Bolsonaro havia informado ao ministro da Cidadania, Osmar Terra, que ele não representaria mais o país na solenidade.

Como Maia já havia se reunido com Fernández na semana passada e transmitido mensagem endereçada ao presidente argentino, Bolsonaro avaliou que o encontro já fora um gesto diplomático suficiente.

Na reunião com Fernández, Maia disse ao argentino que Bolsonaro pediu para informá-lo que defende a cooperação entre os dois países e a preservação dos acordos comerciais.

Antes de viajar para a Argentina, na quinta-feira (5), Maia se encontrou com Bolsonaro e o comunicou que faria a visita. No sábado (7), ambos voltaram a se reunir no Palácio da Alvorada e, segundo assessores presidenciais, trataram do assunto.

Ausente na solenidade de posse, Bolsonaro romperá uma tradição. Será a primeira vez em 17 anos que um presidente brasileiro não participará da cerimônia no país vizinho, principal parceiro comercial do Brasil na América do Sul.

Em 2002, o então presidente Fernando Henrique Cardoso não compareceu à posse de Eduardo Duhalde, nomeado pelo Congresso Nacional após a renúncia de Adolfo Rodríguez Saá. Nos anos anteriores, no entanto, o tucano marcou presença nas cerimônias de Fernando de la Rúa, em 1999, e de Carlos Menem, em 1995.

Duhalde assumiu na esteira da renúncia de de la Rúa, sucedido durante oito dias por Saá, após uma das maiores crises econômicas e sociais da Argentina.

Ele deixou a Casa Rosada, na época, de helicóptero, em meio a um aumento da dívida externa argentina e pressionado por um movimento social que causou 39 mortes e deixou mais de 400 feridos.

O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, chegou a ser cogitado para representar Bolsonaro, mas o presidente desistiu porque o chanceler comparou, em entrevista à mídia local, Fernández a uma matrioska, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dentro.

Após a vitória do argentino, Bolsonaro afirmou que não iria a Buenos Aires para a cerimônia e também não cumprimentou Fernández, diferentemente dos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Chile, Sebastián Piñera, aliados do brasileiro e identificados com a direita.

Fernández é aliado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, ainda candidato, o visitou na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O petista cogitou comparecer à cerimônia de posse, mas acabou desistindo.

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro defendeu publicamente a reeleição de Maurício Macri, o que foi avaliado como um erro estratégico pelo núcleo moderado do Palácio do Planalto, para o qual o mandatário deveria ter se mantido distante da disputa para não afetar a relação comercial entre os países.

Recentemente, Bolsonaro moderou o tom. Ele disse, na semana passada, que, apesar de não ter uma afinidade ideológica com o governo eleito no país vizinho, não rasgará contratos e manterá uma relação pragmática com a Argentina.

"Nós temos de honrar contratos. Não podemos rasgar acordos, porque perdemos credibilidade", disse.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: