Armando Monteiro Filho
Armando Monteiro FilhoFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco/Arquivo

Morreu na manhã desta terça-feira (2) o empresário e ex-ministro Armando Monteiro Filho. Ele faleceu em casa, aos 92 anos, por volta das 6h30.

Genro do ex-governador Agamenon Magalhães e casado com Do Carmo Monteiro, Armando Monteiro Filho dividiu, com um espírito democrático e conciliador, as atividades de empresário com a política,. Foi deputado estadual, deputado federal, ministro da Agricultura no governo João Goulart.

O empresário e ex-ministro teve seis filhos: Maria Lectícia, Sérgio (falecido aos 15 anos), Horácio, Cláudio, além do senador Armando Monteiro Neto (PTB-PE) e do presidente do Grupo EQM, Eduardo de Queiroz Monteiro. Armando Monteiro Filho deixa oito netos e seis bisnetos.

O corpo do empresário e ex-ministro será velado nesta terça, das 16h às 19h, na Capela Nossa Senhora das Graças, no Instituto Ricardo Brennand, na Várzea.  O velório continuará a partir das 20h no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, onde, nesta quarta (3), haverá uma missa às 10h. Às 11h, o corpo será cremado em cerimônia restrita aos familiares. 

História
Engenheiro por formação, o ex-ministro ingressou na universidade em 1945, e participou ativamente da política universitária contra o Estado Novo.

Cinco anos mais tarde, em 1950, elegeu-se deputado estadual pelo Partido Social Democrático (PSD) em Pernambuco. No entanto, foi impedido de assumir o mandato devido ao parentesco com o sogro (Agamenon Magalhães). No ano seguinte, obteve a primeira suplência nas eleições suplementares para a Assembleia Legislativa de Pernambuco.

No ano de 1951, foi nomeado secretário estadual de Viação e Obras Públicas. Ficou no cargo até 1954, quando assumiu vaga aberta na Assembleia. Em outubro do mesmo ano, candidato pelo PSD, foi o deputado federal mais votado. Em 1955 assumiu o mandato e reelegeu-se deputado federal em 1958.

Com a renúncia do presidente Jânio Quadros, Armando Monteiro Filho votou a favor da emenda constitucional que instituiu o regime parlamentarista como fórmula conciliatória para garantir a ascensão de João Goulart, vice-presidente. Com isso, em seguida, Tancredo Neves foi nomeado primeiro-ministro e Armando Filho foi indicado para o Ministério da Agricultura.

Deixou a pasta e reassumiu a cadeira na Câmara Federal. Em outubro de 1962, disputou o Governo de Pernambuco pelo PSD. A eleição foi vencida pelo ex-governador Miguel Arraes.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: