Jair Bolsonaro
Jair BolsonaroFoto: José Cruz/Agência Brasil

Em entrevista após chegar em Déli, na Índia, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que não haverá nenhum imposto do pecado, sobre bebidas doces, bebida alcoólica e cigarro, contradizendo o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Guedes havia pedido que sua equipe estudasse a possibilidade de tributar esses produtos. "Ô Moro, aumentar a cerveja não, hein Moro..", disse Bolsonaro, confundindo Guedes com o ministro da Justiça, Sergio Moro. "Acho que o Moro gosta de uma cervejinha...será que ele gosta?". Segundo Bolsonaro, a orientação do governo é não "teremos qualquer nenhuma majoração de carga tributária".

Leia também:
Governo quer 'imposto do pecado' sobre cigarro, bebidas e doces, diz Guedes em Davos
Governo vê aprovação de pacotaço de Guedes no primeiro semestre
Bolsonaro recua e diz ter zero chance de esvaziar agora ministério de Moro


Depois, reiterou, acertando o nome do ministro: "Ô Paulo Guedes, eu te sigo 99%, mas aumento no preço da cerveja, não". Guedes pediu ao grupo responsável pela reforma tributária que faça simulações para reagrupar numa mesma categoria tributária todos os produtos que possam ser prejudiciais à saúde.

A lista em análise, além dos tradicionais cigarro e bebidas alcoólicas, inclui os produtos com excesso de doce, considerados um fator para a obesidade, especialmente a infantil, elevando o risco de desenvolvimento de doenças graves como o diabetes. A ideia da equipe de Guedes é aproveitar a reforma tributária para fazer a modificação.

Segundo Bolsonaro, não haverá tributação nem sobre bebida alcoólica, nem sobre os outros produtos que são prejudiciais à saúdem. "Não tem como aumentar a carga tributária, todo mundo consome algo de açúcar", afirmou. Bolsonaro chegou nesta sexta-feira (24) para visita oficial de três dias à Índia. No sábado (25), participa de reuniões com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi e outras autoridades indianas, e de um banquete oferecido pelo anfitrião.

No domingo (26), Bolsonaro será o convidado de honra do desfile do Dia da República na Índia. E, na segunda-feira (27), ele abre um seminário empresarial Brasil-Índia. De lá, irá para o Taj Mahal, um dos principais pontos turísticos da índia, que será fechado para o presidente e sua comitiva.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: